CPTM: Licitação para manutenção dos trilhos das linhas 7 e 10 prossegue nesta quarta e das linhas 8 e 9 foi barrada pela Justiça

Trem da Linha 10-Turquesa da CPTM. – Foto: Adamo Bazani (Diário do Transporte) / Clique para ampliar

Concorrências se arrastam desde o ano passado e funcionários da companhia reclamam de sobrecarga de trabalho

ADAMO BAZANI

As licitações para a manutenção dos trilhos da CPTM, que se arrastam desde o ano passado, tomaram ritmos diferentes.

Funcionários da CPTM dizem que pelo fato de nenhuma empresa terceirizada estar atuando, ficaram sobrecarregados de serviço e que são realizados apenas reparos básicos e emergenciais.

A CPTM nega e diz que o efetivo é suficiente para manter as operações normais e com segurança.

Enquanto nesta quarta-feira, 24 de outubro de 2018, haverá a abertura de propostas de concorrentes para os serviços nas linhas 7 – Rubi (Luz – Francisco Morato – Jundiaí) e 10 Turquesa (Brás – Santo André – Rio Grande da Serra), a licitação para as linhas 08 – Diamante (Amador Bueno/Júlio Prestes) e 09 – Esmeralda (Osasco/Grajaú) foi barrada na justiça após ação de uma das concorrentes.

Os comunicados foram divulgados oficialmente nesta terça-feira, 23 de outubro de 2018.

No caso das linhas 08 e 09, a juíza Gilsa Elena Rios, da 15ª Vara da Fazenda Pública do Estado de São Paulo, atendeu mandado de segurança de concorrentes que pedem acesso a decisão de classificação publicada pelo Governo do Estado de São Paulo em 09 de outubro que habilitou o Consórcio TGS – Manutenção Linhas 08 e 09 formado pelas empresas Trail Infraestrutura Ltda,  Gros Engenharia e SPAVias Engenharia Ltda.

A liminar contra a concorrência foi concedida em favor das empresas Prumo Engenharia Ltda e Neopul Sociedade de Estudos e Construções S.A. do Brasil.

Já no caso das linhas 07 e 10, a CPTM informou que nesta quarta-feira, 24, prossegue a licitação abrindo as propostas das 4ª e 5ª colocadas na concorrência: Consórcio TGS – Manutenção Linhas 07 e 10, formado também pelas empresas Trail Infraestrutura Ltda,  Gros Engenharia e SPAVias Engenharia Ltda e Consórcio Via Férrea São Paulo, formado pela Prumo Engenharia Ltda e Neopul Sociedade de Estudos e Construções S.A. do Brasil, as mesmas que entraram com recurso contra a licitação das linha 08 e 09.

A CPTM ainda explicou no comunicado oficial que foram inabilitados na licitação a Engibras Engenharia S.A. e o Consórcio BTEC-LCM, composto pelas empresas BTEC Construções Ltda e LCM Construção e Comércio S.A.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. EDSON PEREIRA DO PRADO disse:

    Juíza não usa trem. Lamentável.

  2. Valdevan disse:

    Quem se ferra e a gente da linha 7 com a demora do trem

Deixe uma resposta para Valdevan Cancelar resposta