No Dia Mundial Sem Carro, Metra coloca frota verde em operação

e-Bus é um dos destaques da Metra em frota verde. Foto: Adamo Bazani

Intenção é contribuir para a redução de emissões de poluentes na data

JESSICA MARQUES

A Metra, operadora do corredor ABD, na Grande São Paulo, colocou em operação a chamada frota verde neste sábado, 22 de setembro de 2018. A intenção é contribuir para a redução de emissões de poluentes na data que tem como objetivo diminuir uso de automóveis particulares nas ruas.

A frota verde da Metra é composta por mais de 115 ônibus que são movidos por combustíveis de fontes renováveis, como trólebus, híbridos e 100% elétricos.

“O objetivo é contribuir para a redução de emissões e colaborar com a mobilidade urbana, incentivando as pessoas a conhecerem um exemplo bem-sucedido de transporte público de passageiros”, informou a Metra, em nota.

Entre os ônibus elétricos, híbridos e trólebus que compõem a frota, destacam-se três modelos fabricados pela Eletra: o Dual-Bus híbrido e elétrico puro de 13,2m de comprimento; o e-Bus, 100% elétrico, articulado de 18m de comprimento, e o Dual-Bus híbrido e trólebus, articulado de 23m de comprimento.

Conforme informado por Maria Beatriz Setti Braga, diretora da Metra, a utilização do Dual-Bus tem superado as expectativas.

“Um dos principais diferenciais do modelo é a sua flexibilidade, pois no modo híbrido consegue operar reduzindo emissões e em áreas de interesse garante emissão ZERO no modo elétrico, sem necessidade de nenhuma infraestrutura para recarga, já que as baterias são recarregadas na frenagem do veículo”, disse a executiva.

O Dual-Bus Eletra pode circular em diferentes configurações, como híbrido, trólebus e híbrido ou elétrico puro. Com 13,2 metros de comprimento, o veículo tem capacidade para transportar 82 passageiros.

O ônibus é movido por um conjunto de baterias de lítio, ligadas em série, instaladas em quatro compartimentos sobre a carroceria. Na versão elétrico puro, as baterias permitem uma tração silenciosa, macia e potente, sem descarregar material poluente na atmosfera.

O e-Bus Eletra, por sua vez, é um elétrico puro de 18m de comprimento, com sistema de ar-condicionado e piso baixo. Tracionado por um motor elétrico, cuja única fonte de energia é o banco de baterias instalado no veículo, pode operar em qualquer sistema viário.

Relembre: São Paulo terá carreata de veículos elétricos no sábado e apresentação do E-Bus com novo conjunto de baterias

“É o mesmo sistema de tração de um trólebus comum, porém sem a necessidade de rede aérea externa. Esse modelo integra o conceito mais moderno dos veículos elétricos, pois as baterias recebem recargas de oportunidade nos intervalos de operação. As recargas de oportunidade otimizam o investimento no sistema, já que aumenta a autonomia e diminui o tamanho do banco de baterias”, informou a Metra, em nota.

O ônibus Eletra Dual-Bus híbrido e trólebus, articulado de 23m de comprimento, por fim, está em operação há dois anos e faz a linha metropolitana entre o município de Diadema, no ABC, e a região da Berrini, na zona Sul da Capital Paulista.

O veículo tem capacidade de transportar 153 passageiros, com um chassi articulado de quatro eixos, com um motor elétrico e um gerador, formado por um motor veicular movido a diesel de cilindrada reduzida de 12 para 7 litros.

Na versão trólebus, o modelo conta com um sistema pneumático de recolhimento das alavancas coletoras de energia. Nos trólebus comuns, as hastes no teto que se ligam à rede aérea de energia são recolhidas manualmente.

No Dual-Bus, as alavancas podem ser acionadas diretamente pelo motorista no painel. O ônibus, assim, se desconecta da rede aérea e passa a mover-se por suas próprias baterias, sem interromper a viagem.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta