Linha 4 do Metrô do Rio tem mais um recorde de passageiros

Crescimento contrasta com outros modais de transporte público, que nos últimos anos registraram queda de cerca de 20% na demanda de passageiros

ALEXANDRE PELEGI

Em comunicado divulgado nesta sexta-feira, dia 24 de agosto de 2018, a Secretaria de Estado de Transportes do Rio de Janeiro informa que a Linha 4 do Metrô carioca vem apresentando crescimento constante ao longo dos meses. Segundo a SET, a linha metroviária alcançou mais um recorde no dia 15 de agosto de 2018, quando transportou cerca de 182 mil usuários.

A Secretaria afirma que o comportamento da Linha 4, que conecta a estação General Osório, na zona sul, à estação Jardim Oceânico, na Barra da Tijuca, contrasta com os demais modais de transporte público, que nos últimos anos registraram queda de cerca de 20% na demanda de passageiros.

A secretaria alega que o aumento constante no número de passageiros transportados, mesmo sem a disponibilização do serviço que atenderá ao bairro da Gávea, “comprova o acerto do Estado na escolha do traçado e a qualidade do serviço prestado pelo MetrôRio”.

De acordo ainda com o comunicado, as integrações tarifárias com transportes municipais, como ônibus e vans legalizadas, impactaram diretamente na ‘curva de adoção’ da Linha 4.

São citados os seguintes casos de integração:

No início de agosto integração com a linha 876 (Hospital Cardoso Fontes x Joatinga), que pode ser realizada na estação Jardim Oceânico e atende aos bairros do Itanhangá, Rio das Pedras, Anil e Freguesia de Jacarepaguá, chegando até ao Hospital Cardoso Fontes. A tarifa integrada é de R$ 5,80;

Em outubro de 2017 o MetrôRio assinou contrato de integração tarifária com as vans que atendem à Rocinha e ao Vidigal, nas estações São Conrado, Antero de Quental e Jardim de Alah. Para usar os dois modais (metrô e vans), os usuários pagam R$ 5,80, uma economia de 30% se comparada ao valor integral das passagens;

Há integrações tarifárias com o sistema BRT nas estações Vicente de Carvalho e Jardim Oceânico, com tarifa a R$ 6,50, e também com as linhas municipais de ônibus 603 (Saens Peña x Usina), 608 (Saens Peña x Grajaú), 605 (São Francisco Xavier x Vila Isabel), 609 (São Francisco Xavier x Méier), 209 (Estácio x São Cristóvão), 513 (Botafogo x Urca), 913 (Del Castilho x Fundão), 616 (Del Castilho x Fundão), 611 (Del Castilho x Jacarepaguá) e 614 (Del Castilho x Alvorada).

O secretário de Estado de Transportes do Rio de Janeiro, Rodrigo Vieira, afirma que “o passageiro não quer saber se o transporte é estadual ou municipal. Ele quer usar com qualidade, tarifa módica e transbordo com eficiência. O que precisamos é garantir comodidade, qualidade, eficiência e segurança, é esse o nosso desafio. Conseguimos algumas integrações, mas é preciso avançar mais”.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

1 comentário em Linha 4 do Metrô do Rio tem mais um recorde de passageiros

  1. O Metrô do Rio esta colhendo acerto feito com estas múltiplas integrações!

    Eis aí mais uma facilidade estudada pelo Metrô do Rio que sem dúvida provocou maior comodidade para os passageiros, evitando os transbordos desnecessários e cansativos, isto devido ao fato de que suas linhas serem padronizadas assim como acontece na maioria dos metrôs mundiais.

    Porem, o mesmo não se pode dizer o mesmo de São Paulo com as linhas 2-Verde, e 5-Lilás que não poderam se interpenetrar na Chacara Klabin por serem de bitolas diferentes, o mesmo ocorre com a linha 4-Amarela, e o monotrilho da linha 15-Prata com a linha 10-Turquesa da CPTM, que também se tem que fazer transbordo obrigatório no Brás por conta de um mal planejamento de expansão!!!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: