São Paulo recebeu 2 mil ônibus desde janeiro de 2017 e prefeitura confirma subsídios em torno de R$ 3 bi para este ano

Publicado em: 20 de julho de 2018

Secretário de Mobilidade diz que não há risco de descontinuidade de serviços, mesmo com TCM questionando prorrogação de contratos

ADAMO BAZANI/JESSICA MARQUES

Os subsídios ao sistema de transporte coletivo da capital paulista, neste ano de 2018, devem totalizar novamente cerca de R$ 3 bilhões, de acordo com estimativa da Prefeitura de São Paulo.

O valor é bem semelhante ao ano de 2017, quando a Prefeitura teve de fazer remanejamentos de recursos de outras áreas para cobrir o déficit do sistema de transportes.

A informação é do secretário de Mobilidade e Transportes da cidade de São Paulo, João Octaviano Machado Neto. O secretário falou sobre o assunto durante a apresentação do balanço de renovação de frota de ônibus na capital paulista desde janeiro de 2017, início da gestão João Doria / Bruno Covas. Ao todo, a cidade recebeu mais de 2 mil ônibus no período.

Questionado sobre a continuidade da prestação de serviços de transportes na cidade a partir de segunda-feira, 23 de julho, quando os últimos aditivos de contratos com as empresas do subsistema estrutural (viações que operam com ônibus maiores, que passam pela região central), João Octaviano disse que não há menor risco de a cidade ficar sem serviço de transporte, mesmo com o TCM (Tribunal de Contas do Município) ter questionado sobre as prorrogações de contratos, conforme informou o Diário do Transporte.

João Octaviano disse que o andamento da licitação depende agora da análise do TCM e das respostas aos questionamentos enviados pela Corte de Contas, que apontou 90 problemas nos três editais de licitação. Foram 51 irregularidades, 20 improbidades e 19 pontos que precisam de melhoria ou esclarecimento.

O secretário confirmou que atenderá a solicitação das respostas do TCM até 30 de julho, prazo estipulado pelo conselheiro Edson Simões após ter prorrogado o prazo, a pedido da Prefeitura.

Relembre: TCM amplia prazo para SPTrans responder questionamentos sobre licitação dos serviços de ônibus na capital

RENOVAÇÃO

A frota, que tem sido renovada, segundo a SPTrans, aumentou a proporção de ônibus de tecnologia Euro V (atualmente em vigor e que polui menos) em relação à Euro III. A gerenciadora de transporte público afirmou que agora, em torno de 60% da frota possui a tecnologia menos poluente.

Além disso, parte dos novos ônibus do tipo convencional e midi já não possuem mais o posto de cobrador. Ao todo, são 1.136 veículos dessa categoria que rodam sem o profissional.

846951d8-ca16-4638-9b48-7101fedad466.jpeg

Ao todo, foram entregues 2.028 novos veículos até julho, equipados com Wi-Fi, tomadas USB e motores Euro V, que são os menos poluentes. Os ônibus foram cadastrados pela SPTrans e já operam em todas as regiões da capital paulista.

Do total, 844 ônibus foram entregues em 2018, enquanto no ano passado, foram 1.184 veículos. Somando os 19 meses, 14% da frota foi renovada com 470 midi, 427 do modelo padron, 319 com 23 metros e 239 convencionais.

Dos ônibus novos entregues, 1.136 operam sem cobrador. Com as mudanças, o sistema agora conta com 93,18% de acessibilidade, 3.703 veículos com ar-condicionado, 3.245 ônibus com tomada e 1.099 com Wi-Fi.

cad6a9a8-9a28-4cd7-a5e9-3528fe282783.jpeg

Veja as fotos dos novos ônibus:

97527681-34fb-4fe5-8773-65d2a9eb83f3cca50aee-c65f-4e43-9f59-bad334145ad7585029e7-ad40-44e7-b306-fae0828b63e831289751-b8c6-4e30-a66a-6bf7a2be1adacf69a409-979f-4059-afb7-f8f8abfd3202

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes.

Jessica Marques para o Diário do Transporte.

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

Deixe uma resposta