Suzantur diz que não há registros em câmeras de mulher que teria sido impedida de amamentar no Terminal Vila Luzita

Ônibus da Suzantur na Vila Luzita.

Thaís Santina afirma que se sentiu constrangida, mas não tem certeza de que todos os homens que a abordaram eram funcionários da empresa de ônibus

ADAMO BAZANI/JESSICA MARQUES

A empresa de ônibus Suzantur, responsável pela operação do Terminal Vila Luzita, em Santo André, disse que entrou em contato na manhã desta quarta-feira, 11 de julho de 2018, com a dona de casa Thaís Magalhães Santina, de 21 anos, que alega ter sido impedida por três homens de amamentar seu filho no local, nesta terça.

O Diário do Transporte conversou com a passageira nesta manhã, que confirmou o contato da empresa. Thaís disse que a companhia de ônibus a chamou para reconhecer os supostos funcionários. A dona de casa, no entanto, contou que preferiu não prosseguir com o caso e disse não ter certeza de que todos os homens que a abordaram eram funcionários da Suzantur.

“Dois devem ser funcionários, um eu não sei porque estava de jaqueta preta. Os dois que estou dizendo estavam com uma jaqueta azul marinho, que tinha um “S”.  Eu não consegui ver tudo porque não fiquei prestando a atenção na camisa em si. Eu fiquei prestando atenção neles, mas possivelmente são funcionários de lá. Mas como eles mesmos (empresa) já numa matéria disseram que não tem nada de anormal nas câmeras, então eu vou fazer o quê? Como eu provo minha palavra contra de uma empresa que tem influência?”

A passageira disse que voltava do médico nesta terça-feira, 10 de julho de 2018, quando foi abordada por três homens que disseram que, ao amamentar em público, ela cometeria “ato violento ao pudor”.

Thaís disse que se sentiu constrangida.

“É muito lamentável isso que aconteceu. É triste mesmo e mostra o quanto o corpo da mulher ainda é um tabu. Eu me senti muito mais ofendida porque eu sou negra. Será que é racismo? Será que é machismo? O que é isso? É muito assustador.” – disse Thaís.

O Diário do Transporte conversou também na manhã desta quarta com o coordenador operacional da empresa em Santo André, Wagner Militani, que afirmou que a ação relatada pela passageira não é a política da empresa. Wagner disse que as imagens do circuito interno do Terminal não registraram a movimentação. Os funcionários também negaram a abordagem à passageira.

“Num primeiro momento, nós convocamos todos os funcionários que estavam presentes próximos ao local, no horário supostamente dos fatos: motoristas, cobradores, fiscais e os próprios controladores de acesso do terminal. Indagamos todos, inclusive o motorista da linha também. E todos eles relataram que nenhum fato de diferente aconteceu durante a rotina de trabalho deles. Ninguém viu ninguém amamentando criança, ninguém impediu nada disso, enfim, todos os funcionários que foram convocados falaram que não houve nenhum tipo de fato referente a esse assunto” – disse Wagner, que ainda afirmou que a Suzantur realiza treinamentos aos funcionários.

“A política da empresa não é essa. A empresa inclusive promove ações sociais, como distribuição de rosas no Dia Internacional da Mulher, no Dia das Mães. A gente repudia veementemente este tipo de comportamento. Até porque nosso quadro de funcionários, colaboradores, passa por constante treinamento. Eu garanto para você que nossos colaboradores não teriam este tipo de atitude” – complementou.

OUÇA AS ENTREVISTAS NA ÍNTEGRA:

THAIS PASSAGEIRA:

WAGNER – SUZANTUR:

Em nota, a prefeitura de Santo André diz que não há nenhuma lei municipal que impede a amamentação em locais públicos na cidade e que já pediu esclarecimentos à Suzantur.

Confira abaixo as notas na íntegra:

Suzantur:

Vimos através desta, informar que o terminal de Vila Luzita possui sistema de monitoramento interno (câmeras), as quais foram verificadas as imagens para apuração dos fatos. Nada foi constatado no horário supracitado na reclamação. Os colaboradores de todas as áreas envolvidas foram convocados para prestar esclarecimentos sobre o ocorrido, porém nenhum deles relatou quaisquer fatos anormais na rotina diária de cada um. Foram convocados motoristas, cobradores, fiscais de linha e controladores de acesso que estavam próximos ao ponto, indagados a respeito do assunto, relataram que nada de diferente ocorreu. Em relação ao funcionário mencionado pela usuária de nome Rogério, temos em nosso quadro de colaboradores, dois motoristas com esse nome, que trabalham no período da tarde após às 13h30 diariamente, horário que se contradiz ao horário mencionado.

Prefeitura de Santo André:

A Prefeitura de Santo André informa que não existe nenhuma lei municipal ou orientação que imponha qualquer restrição à amamentação em locais públicos na cidade. A administração, por meio da SAtrans (autarquia que gerencia o transporte municipal), já cobrou um posicionamento da empresa concessionária (Suzantur) sobre o ocorrido no Terminal da Vila Luzita.

 Por se tratar de uma legislação estadual, a Lei 16.407/15, que trata do direito ao aleitamento materno, tem vigência em todo o estado de São Paulo, incluindo portanto, o município de Santo André, cabendo aos órgãos competentes aplicar as devidas penalidades para a infração da Lei, quando houver.

A administração entende a importância do aleitamento materno, tanto que reflete essa visão dentro de seus projetos. Em 2017, foi realizado pela primeira vez o Agosto Dourado, instituído pela Lei Federal 13.435/17. Na ocasião, o Hospital da Mulher Maria José dos Santos Stein, equipamento municipal de referência na saúde da mulher, foi decorado e realizou concurso interno para que os funcionários elaborassem material informativo, que reforçasse a importância da amamentação.

Além disso, o mesmo hospital, por meio do seu Banco de Leite Humano (BLH), tem recebido há pelo menos três anos a certificação mais alta dentro programa Ibero-Americano de Banco de Leite Humano (IBERBLH), que atesta que o equipamento atende os padrões de qualidade e cumpre as normas de funcionamento.

O BLH do Hospital da Mulher foi criado há nove anos. Além da coleta, o local realiza o processamento e armazenamento do leite, assim como apoio, promoção e incentivo ao aleitamento materno e ações de conscientização junto à comunidade sobre a importância da doação. Esse leite é consumido principalmente pelo bebê prematuros, que estão na UTI Neonatal. Pelo estresse e preocupação com o filho, as mães desses bebês em muitos caso enfrentam problemas com a produção de leite.

Mulheres interessadas em contribuir com o Banco de Leite Humano podem obter mais informações pelos telefones 4478-5048 ou 4478-5027. O Hospital da Mulher “Maria José dos Santos Stein” fica na rua América do Sul, 285, Parque Novo Oratório – Santo André.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Cadê as imagens das câmeras Wagner ?

  2. Parabéns suzantur santo André será que está história é verdade muito estranho diário do grande abc divulgou esse noticia em meio uma licitações prefeitura deveria verificar esta notícia jornal vou comprar com dinheiro roubado não acredito isso

  3. Luiz Almeida disse:

    Pelo trabalho da Suzantur, do qual conheci de perto desde o inicio, não consigo acreditar na versão da suposta vítima. Se as câmeras não registraram, os colaboradores também não e nenhum outro passageiro se pronunciou…. e agora ela vem com esse discurso de racismo….bom, difícil acreditar.

  4. Aline disse:

    Queria saber desde quando dar rosa no dia das mulheres é sinônimo de respeito. Que se divulguem as imagens, então.

Deixe uma resposta