Greve de ônibus intermunicipais do Ceará completa segundo dia

Foto: George Wilson

Sindicato da categoria diz que greve segue por tempo indeterminado, e com paralisações parciais

ALEXANDRE PELEGI

Motoristas do transporte público intermunicipal completaram nesta quarta-feira, dia 11 de julho, o segundo dia da greve da categoria. Apesar das manifestações em terminais rodoviários de Fortaleza e Juazeiro do Norte, estima-se que 70% da frota esteja circulando.

O movimento tem se caracterizado por paralisações parciais, segundo o presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Empresas de Transporte Rodoviário de Passageiros Intermunicipal e Interestadual do Estado do Ceará (Sinteti), Carlos Jefferson. Mesmo assim, o movimento deve continuar por tempo indeterminado.

A volta à normalidade depende da resolução do impasse entre o novo acordo de trabalho proposto pelo sindicato das empresas aos trabalhadores.

A Região do Cariri foi uma das mais afetadas nesta quarta-feira, ao prejudicar o transporte entre as cidades de Juazeiro do Norte, Crato, Barbalha e Missão Velha.

A empresa concessionária que atende a região informou que apenas 30% da frota foi afetada, o que, no entanto, aumentou o intervalo entre as viagens e a superlotação.

A greve foi decidida em assembleia dos motoristas realizada no dia 4 de julho. A redução da jornada de trabalho proposta pelo Sindicato das Empresas é um dos pontos de forte discordância. De acordo com o sindicato dos trabalhadores a proposta reduziria em mais de 50% os salários da categoria.

Os trabalhadores rodoviários denunciam que as empresas querem reduzir a jornada de trabalho e direitos trabalhistas como folgas, hora-extra e vale-refeição. O presidente do Sindicato dos Trabalhadores, Carlos Jefferson, denuncia ainda as empresas de demitir funcionários para contratar jovens aprendizes.

A Viametro (Viação Metropolitana Ltda), concessionária que atende a Região do Cariri, publicou em seu site a seguinte nota:

A Via Metro Cariri vem prestar os esclarecimentos a seguir:

1) Não existe a possibilidade nem a previsão legal de redução salarial ou jornada de trabalho dos atuais funcionários que compõem o quadro desta empresa, bem como a substituição dos mesmos por funcionários com jornada de trabalho e salário diferenciados, é vedada este tipo de redução nos contratos de trabalhos atuais, os quais foram amplamente discutidos e esclarecidos e que estão em posse de todos.

2) Não existe a possibilidade dos atuais funcionários serem desligados e posteriormente recontratados com jornada e salários diferenciados.

3) Em nenhum momento foi ventilado a possibilidade de encerramentos dos contratos de trabalhos atuais em novembro.

Este comunicado visa esclarecer notícias que estão sendo veiculadas e que irresponsavelmente geram dúvidas na relação de trabalho entre as partes

11/07/2018 – Auto Viação Metropolita LTDA

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta