Pedra no Caminho: Justiça mantém preso ex-secretário de Alckmin

Obras estão atrasadas

Empresário também ficará preso. Operação investiga desvio de R$ 600 milhões das obras do trecho Norte do Rodoanel

ADAMO BAZANI

O ex-secretário de transportes e logística da gestão Geraldo Alckmin, Laurence Casagrande Lourenço, que também foi presidente do Dersa (Desenvolvimento Rodoviário S.A.), e o empresário Pedro da Silva continuarão presos por tempo indeterminado.

Ambos são acusados de participação num esquema de desvio de mais de R$ 600 milhões das obras do trecho Norte do Rodoanel e foram presos em 21 de junho no âmbito da Operação Pedra no Caminho, como noticiou o Diário do Transporte. Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2018/06/21/operacao-pedra-no-caminho-da-pf-realiza-15-prisoes-em-sao-paulo-por-desvio-de-dinheiro-publico-em-obras-do-rodoanel/

A juíza do TRT – Tribunal Regional Federal, Maria Isabel do Prado, atendeu pedido do MPF – Ministério Público Federal que alegou que a liberdade de ambos pode prejudicar o processo e as investigações.

Em sua decisão, a magistrada diz que ambos podem fugir e há possibilidade de destruírem provas, coagirem testemunhas, obstruírem a investigação, alienarem bens produtos do ilícito e praticarem outros delitos”.

As fraudes que causaram os desvios, segundo o MPF e a PF – Polícia Federal, ocorriam em aditivos nas obras. As investigações apontam que havia um “jogo de planilhas”, pelo qual para disfarçar preços muito acima de mercado, eram colocados itens com preço abaixo dos valores praticados.

Além de Laurence Casa Grande e Pedro da Silva, no dia da operação foram presos 15 suspeitos, a maior parte colada em liberdade.

Os advogados de ambos afirmam que eles são inocentes e que vão recorrer da decisão.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta