Assaltos a ônibus de Maceió caem 18%

Queda de ocorrências no acumulado do ano foi de mais de 35,5%. Foto: Divulgação.

Em maio deste ano, foram registrados 32 casos, comparados a 39 no mesmo mês de 2017

JESSICA MARQUES

O número de assaltos a ônibus em Maceió, em Alagoas, caiu 18%. Em maio de 2018, foram registradas 32 ocorrências, comparadas a 39 casos no mesmo mês de 2017.

Os dados foram divulgados pela SSP-AL (Secretaria de Segurança Pública de Alagoas) nesta sexta-feira, 8 de junho de 2018.

A SSP-AL informou que a queda de ocorrências no acumulado do ano foi de mais de 35,5%, comparando com os cinco primeiros meses de 2017. Neste caso, não foram divulgados os números absolutos.

“Alcançamos uma estabilidade nos números e já chamamos a atenção para o país, pelo sucesso no combate a esse tipo de crime. Apesar de termos o que comemorar, ainda há muito que ser feito, e precisamos seguir unindo forças para continuar evitando que os assaltos ocorram nos coletivos da capital” – disse o secretário de segurança, coronel Lima Júnior, em nota.

O secretário afirmou ainda que há a necessidade de manter as abordagens aos veículos por todos os batalhões da Polícia Militar. Outro ponto destacado na fala do coronel é que as empresas precisam melhorar a qualidade das imagens do circuito interno de segurança dos ônibus, para facilitar a identificação dos assaltantes.

O estado de Alagoas também registrou uma queda de 15% em assalto a passageiros de ônibus em abril de 2018. Segundo dados da Secretaria de Segurança Pública de Alagoas, os dados são comparados ao mesmo mês de 2017.

Relembre: Alagoas registrou queda de 15% em assalto a passageiros de ônibus

O número de assaltos em ônibus de Maceió, Alagoas, caiu de forma mais expressiva no começo do ano, com baixa de 40,6% em fevereiro, se comparado ao mesmo período de 2017.

Relembre: Assaltos a ônibus em Maceió caem 40,6% em fevereiro

Leia também: Ônibus de Maceió terão botão de pânico para ser acionado em caso de assalto

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta