Empresários de ônibus se reúnem com Eliseu Padilha e pedem redução imediata de 50% no valor do diesel

Empresas de ônibus urbanos dizem que podem haver mais aumentos de tarifa e são contra reoneração

Segundo NTU, somente com este percentual não haverá aumentos de tarifas antes do programado, de forma emergencial

ADAMO BAZANI

As empresas de ônibus urbanos de todo o País pedem a redução de 50% no preço do óleo diesel usado para o transporte público.

A proposta foi apresentada pela NTU – Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos na tarde desta quinta-feira, 24 de maio de 2018, ao ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha.

Desde 03 de julho de 2017, com a política da Petrobras que atrela o preço dos combustíveis no Brasil à cotação internacional do Petróleo, o valor do litro do diesel nas refinarias aumentou 56,5%.

Segundo o presidente da NTU, Otávio Cunha, em nota, se o valor não voltar aos patamares anteriores à atual política de preços, haverá pressões nas tarifas pagas pelos passageiros, podendo ocorrer reajustes emergenciais.

“Somos um setor regulado, com reajustes tarifários anuais, definidos pelo poder público, mas a política de preços da Petrobras é insustentável. As tarifas terão que ser majoradas, porque não há como as empresas suportarem os aumentos diários desse insumo básico do setor, que somente entre janeiro e maio deste ano chegou a 11% para as empresas”, – disse.

O representante dos empresários discorda da reoneração da folha de pagamento, que foi uma das condições impostas pelo Governo Federal aos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia, e do Senado, Eunício Oliveira, para zerar a Cide sobre o preço do diesel.

Para Otávio Cunha, limitar a desoneração à dezembro de 2020, conforme projeto de lei aprovado ontem, na Câmara dos Deputados, é uma decisão equivocada. “Quando houve a desoneração, o setor repassou imediatamente para os usuários, o que resultou numa redução média de 4% nas passagens. Se isso cair, haverá o efeito inverso a partir de janeiro de 2021”, afirmou ele.

Segundo as empresas de ônibus, a greve dos caminhoneiros tem causado problemas de abastecimento nos coletivos em praticamente todo o País.

“Se situação persistir, o serviço vai parar de vez”, alertou o presidente executivo da NTU.

Segundo a entidade, o setor de transportes urbanos de passageiros sofre impactos de R$ 1 bilhão neste ano por causa dos aumentos do óleo diesel.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta