Mercedes-Benz vai à Justiça contra greve dos metalúrgicos

Sindicato condenou decisão da montadora. Foto: Edu Guimarães

Paralisação ocorre desde 14 de maio e todas as negociações terminaram sem acordo

JESSICA SILVA PARA O DIÁRIO DO TRANSPORTE

A Mercedes-Benz entrou na Justiça contra a greve dos metalúrgicos, que ocorre desde 14 de maio na planta de São Bernardo do Campo, no ABC Paulista. Até o momento, todas as negociações entre a empresa e o sindicato da categoria terminaram sem acordo.

A empresa ingressou nesta terça-feira, 22 de maio, com dissídio coletivo no TRT (Tribunal Regional do Trabalho) – 2ª Região.

Em assembleia, realizada na manhã desta quarta-feira, 23 de maio, o secretário-geral do Sindicato, Aroaldo Oliveira da Silva, trabalhador na Mercedes-Benz, condenou a decisão da montadora.

“Os trabalhadores condenaram a postura da empresa. Nós sempre resolvemos os conflitos com conversa e vamos continuar tentando retomar as negociações, é isso que o trabalhador quer” – disse.

A Mercedes-Benz informou, em nota, que o Sindicato Profissional informou a empresa nesta quarta-feira sobre a decisão dos trabalhadores de manter a negociação e solicitou uma nova rodada de conversa.

“A Mercedes-Benz do Brasil ressalta que sempre valorizou o diálogo e, mesmo durante todo esse período de conflito e greve, manteve as negociações. Nesse sentido, ainda que uma audiência na Justiça do Trabalho já esteja marcada para essa semana, entendemos que uma nova tentativa de conversa é válida e, portanto, marcaremos uma reunião com o Sindicato ainda hoje” – informou a empresa.

Até o momento, não foi divulgada a data da audiência no TRT.

A Mercedes possui aproximadamente 8 mil funcionários. Os metalúrgicos estão em campanha salarial, com data-base em maio.

Segundo informações do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, os trabalhadores reivindicam a assinatura de um acordo coletivo que garanta reajuste incorporado aos salários, mudança no cálculo da PLR (Participação nos Lucros e Resultados) e manutenção das cláusulas sociais previstas no acordo anterior.

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

Deixe uma resposta