Empresas de ônibus de Campinas dizem coletivos podem parar por causa de falta de diesel

Ônibus em Campinas consomem 124 mil litros de diesel por dia

Associação das viações propôs plano de contingenciamento

ADAMO BAZANI

As empresas de ônibus VB Transporte, Itajaí, Pádova, Onicamp e Expresso Campibus, que operam o sistema de Campinas, no interior de São Paulo, informaram agora há pouco que os serviços de transportes da cidade podem ser prejudicados caso a greve dos caminhoneiros seja mantida.

Os estoques de diesel nas garagens estão no final e o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros da Região Metropolitana de Campinas – SetCamp diz que amanhã os ônibus podem parar.

A proposta da entidade é que as empresas operrem com frota de entrepico durante todo o dia, a partir de hoje. “Para não pararmos, propomos que haja uma redução de 40% dos veículos que circulam nos horários de pico.” – disse em nota ao Diário do Transporte, o diretor de Comunicação do Sindicato, Paulo Barddal.

Nesta quarta-feira, segundo a entidade, os caminhoneiros bloquearam as bases de abastecimento de combustíveis próximas às principais refinarias do Estado – Paulínia, Santos, São José dos Campos, Ribeirão Preto, Sorocaba e Barueri.

“Os caminhões das concessionárias não estão conseguindo carregar diesel, combustível utilizado pelos ônibus. Como trabalhamos com estoque para um dia e, no máximo, um dia e meio, já estamos pensando em um esquema de contingenciamento. Entendemos que é melhor manter o serviço, mesmo que reduzido, do que interromper totalmente”, complementou o diretor da entidade que ainda defendeu a desoneração do combustível pelo alto custo que representa nas operações.

Em Campinas, operam 831 ônibus diariamente apenas levando-se em conta as cinco concessionárias operadoras. “O consumo diário de óleo diesel pelas concessionárias de Campinas é de 124 mil litros. O diesel representa 27,79% do custo do transporte”, explicou Paulo Barddal.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta