Odebrecht vence licitação do BRT de Belém por R$ 525 milhões

Empreendimento será financiamento com empréstimo do Jica, órgão do governo do Japão responsável pela Assistência Oficial para o Desenvolvimento

ALEXANDRE PELEGI

A Odebrecht Engenharia e Construção (OEC) venceu hoje, dia 4 de maio de 2018, a licitação pública do governo do Pará para construção do BRT de Belém.

O valor do projeto está estimado em R$ 525 milhões, que será financiado com empréstimo do Jica, o órgão do governo do Japão responsável pela Assistência Oficial para o Desenvolvimento (ODA) que apoia o crescimento de países em desenvolvimento.

O projeto engloba a reestruturação da BR- 316 e a implantação do Sistema Troncal de Ônibus BRT Metropolitano, criados para melhorar a mobilidade urbana e buscar solução para o transporte público e circulação geral, segundo o governo do estado do Pará.

Mas no sábado, o poder público negou que a Odebrecht tenha sido declarada vencedora. Segundo o Núcleo de Gerenciamento de Transporte Metropolitano – NGTM. as propostas ainda serão analisadas:

Governo do Pará diz que ainda não selecionou proposta do BRT . Odebrecht havia informado que tinha vencido

O projeto inclui a melhoria no sistema de transporte no trecho entre o Entroncamento e o município de Marituba; a construção de alternativas viárias à rodovia BR-316, como o prolongamento das avenidas João Paulo II e Independência; e a adequação de vias que integram a rede de transporte coletivo.

Em setembro de 2012, em Tóquio, o governador do Pará, Simão Jatene, assinou o Contrato de Empréstimo com a JICA, destinado a custear a execução das obras do Sistema Troncal de Ônibus da Região Metropolitana de Belém, incluindo a implantação do seu Sistema de Controle Operacional.

A população atendida é estimada em 1 milhão de habitantes nas regiões de Belém, Ananindeua e Marituba. O prazo da obra é de 585 dias, com expectativa de que o processo se inicie ainda em 2018.

Apesar de não ter assinado até agora o acordo de leniência com a Controladoria-Geral da União (CGU) e a Advocacia-Geral da União (AGU), ainda em fase de negociação, a Odebrecht pode participar de processos de estatais por não ter sido declarada inidônea.

Mesmo com o nome envolvido nos recentes escândalos de corrupção, a Odebrecht participou de alguns processos de licitação em 2017. Este foi o segundo que conseguiu vencer.

Em março a empreiteira foi contratada pela estatal federal Furnas, subsidiária da Eletrobras, para modernização de uma planta da Usina Termelétrica Santa Cruz (Rio de Janeiro).

HISTÓRICO

Em fevereiro de 2014 foi assinado o contrato com o Consórcio Troncal Belém, vencedor de licitação internacional, para a elaboração do projeto executivo e execução do gerenciamento da obra do BRT Metropolitano. O consórcio é constituído por quatro empresas, duas brasileiras e duas japonesas. O projeto executivo já foi concluído.

O início do processo licitatório para a execução das obras foi possível somente após o governo federal delegar um trecho da BR-316 ao Governo do Pará, em novembro de 2016.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

3 comentários em Odebrecht vence licitação do BRT de Belém por R$ 525 milhões

  1. Tem rolo ai

  2. Dessa vez o acordo foi limpo? Não teve um cafézinho no Setor de Operações Estruturadas?

  3. Prevejo meses de caos nas entrada e saída de Belém…

1 Trackback / Pingback

  1. Empresas concorrentes na licitação do BRT de Belém são investigadas pelo MPF – Diário do Transporte

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: