Reduz ritmo de queda do número de passageiros de ônibus em Curitiba

Urbs acredita em fechamento do ano com estabilização ou ganhos reais de demanda

Para o presidente da Urbs, Ogeny Pedro Maia Neto, a melhora na economia, o congelamento da tarifa, a estabilidade do serviço que segue sem paralisações e greves, e o início da renovação da frota são fatores que influenciam nesse aumento

ADAMO BAZANI

Após seis anos consecutivos, o número de passageiros do transporte municipal de Curitiba, no Paraná, começa a registrar resultados positivos, embora ainda haja queda acumulada no ano até agora.

A Urbs – Urbanização de Curitiba S.A. informou que o total de passageiros pagantes no transporte coletivo de Curitiba registou um aumento de 0,27% em março deste ano em comparação com março do ano passado.

Ainda segundo a gerenciadora do sistema municipal, em abril a tendência deve ser de fechamento com uma alta de 4% em comparação com abril de 2017.

Entretanto, no acumulado do ano entre janeiro e abril de 2018, a demanda de passageiros caiu 1,15% na comparação com semelhante período de 2017. Já entre janeiro e abril de 2017, na comparação com o período de 2016, a queda do total de passageiros foi de aproximadamente 13%.

Foi justamente o cálculo da projeção de demanda pela Urbs que, nos últimos cinco anos, colocou as empresas de ônibus e a prefeitura de Curitiba em pé de guerra. A remuneração tem como base o total de passageiros, quanto maior a demanda, menor é o repasse por passageiro transportado.

As empresas alegavam que o cálculo da Urbs estava errado, com uma estimativa de demanda maior do que a realmente apurada nas catracas.

A questão chegou a ir para os tribunais e as companhias de ônibus, alegando defasagem, conseguiram liminares desobrigando os investimentos em veículos novos. Desde 2013 não havia uma renovação significativa na frota.

Em 14 de novembro de 2017, após o cumprimento pela prefeitura de uma liminar que determinava ajuste na tarifa-técnica, poder público e empresas fizeram um acordo para renovação de frota. A estimativa é que as viações coloquem em circulação 450 ônibus novos até 2020. Um primeiro lote de biarticulados foi entregue para a cidade em 28 de março. O evento que marcou a criação de um novo serviço “Ligeirão” teve cobertura no local do Diário do Transporte:

Acordo:

https://diariodotransporte.com.br/2017/11/14/curitiba-vai-receber-150-onibus-novos-por-ano-ate-2020/

Apresentação dos biarticulados:

https://diariodotransporte.com.br/2018/03/28/volvo-entrega-25-onibus-novos-biarticulados-e-greca-fala-em-expansao-de-oferta-de-transportes/

Segundo nota da Urbs divulgada nesta sexta-feira, 20 de abril de 2018, em março foram transportados 43.514 passageiros pagantes a mais que os 15.860.473 no mesmo mês de 2017. Em abril, o acumulado até dia 18, é de 261.734 passageiros a mais do que o mesmo período de 2017.

Na mesma nota, o presidente da gerenciadora, Ogeny Pedro Maia Neto, disse que a melhora na economia, o congelamento da tarifa, a estabilidade do serviço que segue sem paralisações e greves, e o início da renovação da frota são fatores que influenciam nesse aumento. “É tímido, mas já é um reflexo positivo, e se depender do nosso esforço continuará a aumentar”, disse Maia Neto.

A tarifa foi congelada para o passageiro, mas houve reajuste da tarifa-técnica, a remuneração das viações. A Urbs diz que isso foi possível porque acumulou superávit de R$ 47 milhões no ano passado e porque a reformulação de linhas deve trazer economia ao sistema.

Segundo a Urbs, por dia, os ônibus municipais em Curitiba transportam 760 mil passageiros, dos quais, 660 mil são pagantes.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta