Bondi chega ao mercado oferecendo serviço de fretamento por aplicativo para 5 ou mais passageiros

Foto: ilustração

Serviço deve entrar no mercado com 1.300 veículos cadastrados, dos quais 750 são vans, 150 micro-ônibus e 400 ônibus. Em São Paulo, aplicativo promete inaugurar sistema semelhante ao Uber Express

ALEXANDRE PELEGI

Depois do advento do Uber, que inaugurou uma nova forma de contratar transporte individual nas cidades, o Brasil começa a assistir agora a novas modalidades de fretamento, tanto para viagens rodoviárias (como é o caso do Buser, não à toa chamado de ‘uber’ do ônibus), como para fretamentos urbanos.

O Bondi, serviço de transporte por demanda, promete entrar em operação a partir da segunda quinzena deste mês de abril, incorporando o público de outros aplicativos urbanos, além do recém-criado Buser, que oferece viagens interurbanas.

Um modelo voltado para um público que não cabe em veículos tradicionais – como táxis e veículos de aplicativos -, o Bondi quer fazer jus à sonoridade de seu nome: promete ser um “bonde”, capaz de levar mais de cinco pessoas para eventos, ou até mesmo para curtir uma praia ou um passeio em cidades próximas à capital. Ou, por que não, até mesmo viagens de grupos organizados para roteiros distantes.

Em resumo, pode-se afirmar que o Bondi chega ao mercado brasileiro como um sistema de fretamento online, por demanda, oferecendo veículos como vans, micro-ônibus ou ônibus. Funcionando como um aplicativo, como os demais já existentes nas cidades brasileiras, a novidade promete o que as outras plataformas já fazem: eliminar os intermediários entre os passageiros e o motorista do fretado, realizando diretamente a negociação dos serviços.

A promessa do Bondi, uma tecnologia que se vende como “100% brasileira”, é conseguir reduzir em até 40% o custo final para seus futuros clientes, apenas permitindo a conexão direta empresa-clientes sem intermediários.

O serviço deve entrar no mercado com 1.300 veículos cadastrados, dos quais 750 são vans, 150 micro-ônibus e 400 ônibus.

Anunciado como o “o grande diferencial” da empresa, a garantia é atender usuários e proprietários rapidamente – em caso de chamadas on demand, a espera pode ser de no máximo 40 minutos; já o proprietário do veículo, este receberá o pagamento por seus serviços em até sete dias.

No caso do custo do transporte, o Bondi atuará como os tradicionais aplicativos de transportes já no mercado: terá tarifa dinâmica. Isso quer dizer que o valor será calculado segundo a oferta de veículos na região em que for solicitado. O valor final sai de um cálculo que leva em conta uma tarifa base, adicionando o custo do quilômetro rodado, o tempo de deslocamento e o trânsito.

Na capital paulista, o Bondi promete oferecer o serviço de carona para divisão de custos, semelhante ao Uber Express (ou os antigos lotações). Parecida com a Uber Pool, a modalidade reúne passageiros diferentes com destino próximo em uma mesma corrida. A diferença é que os passageiros terão de seguir até um ponto específico para otimizar a rota do condutor.

A previsão média de confirmação do veículo é de 10 a 20 minutos. Quando não houver veículos disponíveis, o tempo de deslocamento do veículo até o endereço onde o transporte foi solicitado pode chegar a 40 minutos.

As vans do aplicativo poderão levar até 10 passageiros com bagagens e 15 pessoas sem malas. Já no caso de um micro-ônibus, a capacidade é para até 32 pessoas, com ou sem bagagens, já que o veículo dispõe de bagageiro. O ônibus comporta de 46 a 50 lugares.

A Bondi promete ainda oferecer ônibus semi leito com dois andares, com capacidade para até 58 passageiros, para classe executiva.

Outro diferencial importante do aplicativo Bondi refere-se à segurança dos usuários: para cadastrar os motoristas a plataforma exige cadastro, documentação e manutenção dos veículos.

Os motoristas prestadores do serviço receberão relatórios online constando as corridas realizadas e o valor cobrado.

A expectativa do Bondi é otimista: acredita que vai transportar mais de 18 mil pessoas por dia, fechando 2018 com cerca de 5 milhões de pessoas atendidas.

MODELOS ON DEMAND

Os chamados modelos de negócios disruptivos no setor de transportes estão crescendo rapidamente.

Em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, ao invés de ser uma ideia do mercado, a iniciativa partiu da operadora de ônibus municipais SBCTrans, que passou a oferecer vans de luxo em determinadas rotas cujos assentos são reservados por meio de um aplicativo chamado UBus.

O UBus é uma plataforma de tecnologia separada da SBCTrans, empresa que contratou o aplicativo.

Pelo celular, o passageiro escolhe uma rota com base na origem e destino de desejo. O aplicativo mostra o caminho mais viável para chegar à van. O pagamento é feito por meio de cartão de crédito e débito. Confira aqui.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

2 comentários em Bondi chega ao mercado oferecendo serviço de fretamento por aplicativo para 5 ou mais passageiros

  1. Cada vez mais teremos novidades nos sistemas de transporte de interesse público, categoria que se situa entre transporte público e transporte privado e que pouca gente sabe bem do que se trata, até porque é híbrido e em transição. Rogerio Belda

  2. Claudemar dos Santos de Carvalho // 11 de junho de 2018 às 20:16 // Responder

    A questão de segurança tem que ser pensada também para os proprietários dos veículos.
    Quais são as seguranças que a plataforma possui, para garantir que os passageiros não são bandidos, sequestradores, etc ?

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: