Tecnologia cria solução corporativa que ajuda empresa a melhorar a segurança de seus funcionários em ponto de ônibus

Ponto de ônibus em frente à empresa Reckitt Benckiser: funcionários reclamaram de assaltos no local

Solução corporativa foi desenvolvida pela startup Scipopulis para a Reckitt Benckiser, empresa global de produtos para a saúde e higiene. Funcionários reclamavam de assaltos no ponto de ônibus, localizado na Rodovia Raposo Tavares

ALEXANDRE PELEGI

Um dos itens que impacta na percepção da qualidade do transporte coletivo é a questão da segurança. Tomar ônibus em pontos localizados em ruas com pouco movimento, mal iluminadas ou próximas a rodovias, é motivo de preocupação constante para muitos usuários.

Muitas cidades têm aprovado leis que permitem o desembarque de passageiros fora dos pontos nos horários noturnos. É uma forma de diminuir a chance de assaltos, deixando o usuário próximo a locais em que se sinta mais seguro e protegido.

Mas o que fazer no sentido inverso, quando o perigo está no embarque?

O sistema de ônibus está sujeito a variações no viário, o que o impede de circular com uma tabela de horários fixa e constante. Ao contrário dos sistemas metroferroviários, que circulam em via segregada e com pagamento da tarifa no pré-embarque e dentro de estações fechadas e protegidas, a maior parte das linhas de ônibus nas cidades brasileiras precisa disputar espaço com carros, motocicletas e caminhões.

Resultado: situações como congestionamentos, além de interferências de acidentes e quebras de veículos, reduzem a velocidade dos ônibus, o que leva o passageiro a esperar no ponto sem saber quando o veículo de sua linha vai passar.

Vários aplicativos desenvolvidos para smartphones têm buscado resolver esse problema, calculando em tempo real o horário da chegada do ônibus no ponto em que o passageiro espera para embarcar. A solução, no entanto, além de incompleta é injusta.

Primeiro porque não é todo usuário que possui celular com capacidade para suportar tais aplicativos. Além disso, sem Wi-Fi gratuito e de boa qualidade em toda a cidade, resta ao cidadão pagar de seu bolso um pacote de dados que lhe permita acessar, sempre que precisar, a localização de seu coletivo. Ou seja, uma tarefa que tem de ser do Poder Público – informar ao cidadão – acaba tendo de ser assumida (e paga) pelo usuário.

SOLUÇÃO CORPORATIVA

Em São Paulo, uma empresa intercedeu por seus funcionários e criou um sistema que lhes permite ir para o ponto apenas quando o ônibus estiver se aproximando. Trata-se da Reckitt Benckiser, uma empresa global de produtos para a saúde e higiene, cuja sede fica às margens da Rodovia Raposo Tavares.

Muitos de seus funcionários, ao fim do expediente, precisam tomar o ônibus no ponto localizado bem em frente à sede da empresa. Mas, nos últimos tempos, vários deles passaram a reclamar de assaltos no local.

O que a empresa poderia fazer? Investir em segurança na região? Ampliar o sistema de fretamento que já possui, que pelos custos envolvidos poderia ser inviável?

A solução encontrada se deu através da tecnologia, que permitirá reduzir o tempo de espera no ponto. O ônibus continua assim sendo o meio de transporte utilizado, só que agora com mais segurança.

Para tanto, a Reckitt criou um “pré-ponto” de ônibus dentro da própria empresa, uma sala especial equipada com ar-condicionado e Wi-Fi. O objetivo é que ao fim do expediente os funcionários passem a aguardar seu ônibus nesta sala, só saindo para o ponto localizado na rodovia Raposo Tavares quando ele estiver próximo. O tempo de espera poderá assim ser apropriado pelo empregado de maneira produtiva, e a sala ainda o irá proteger em dias de chuva e frio.

Mas o mais importante: dentro da sala, o funcionário poderá saber o momento certo que deverá sair para ir até o ponto na rodovia tomar seu ônibus.

Para conseguir essa informação com garantia, a Reckitt Benckiser (RB) procurou a Scipopulis, startup que desenvolveu o aplicativo ‘Coletivo’, que prevê o tempo de espera do ônibus no ponto.

A Scipopulis desenvolveu uma versão exclusiva para os funcionários da RB. Nesta versão, ao invés de informar cada cidadão por meio de seu celular, como fazem os aplicativos tradicionais, a solução encontrada foi informar a todos por meio de uma tela de TV, onde são dispostos os dados dos ônibus que passam naquele ponto específico da empresa, situado às margens da Raposo Tavares. O painel é colocado na sala “pré-ponto” dentro da empresa.

Esta sala ainda não está operacional, faltando apenas alguns detalhes, mas a parte de tecnologia já foi testada e aprovada, como se pode ver no vídeo abaixo.

Após quase um ano de pesquisa e desenvolvimento, a Scipopulis criou desta forma o ‘Coletivo Corporativo’, que garante uma previsão de até 50 segundos do tempo real das linhas que servem ao ponto localizado próximo à empresa. Foi a solução que a Reckitt Benckiser encontrou para ampliar o leque de opções de transporte a seus funcionários. Como já possui uma operação de transporte fretado, o ônibus regular é um complemento para destinos em que este serviço não atende, ou para horários em que ele não funciona.

sala_RB_01

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

2 Trackbacks / Pingbacks

  1. Conheça os aplicativos de mobilidade que estão revolucionando o transporte - Agora é simples
  2. Em parceria com SPTrans e EMTU, startup cria app “Coletivo Corporativo” – Diário do Transporte

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: