São Bernardo do Campo terá mais 50 ônibus zero quilômetro e Orlando Morando critica veículos das linhas da EMTU

Ônibus novos começam a circular nesta semana. Clique na foto para ampliar

Após implantação de corredores municipais, prefeito deve tentar entendimento com a gestora do Governo do Estado sobre ônibus intermunicipais que rodam na cidade. Se não houver renovação de frota da EMTU, os intermunicipais podem ser proibidos de circular nas faixas e corredores

ADAMO BAZANI

A concessionária de transportes de São Bernardo do Campo, SBCTrans, deve colocar no sistema mais 50 ônibus zero quilômetro até o final do ano.

O anúncio foi feito pelo prefeito, Orlando Morando, e pela diretora-presidente da empresa, Milena Braga Romano, durante entrega de mais dez veículos convencionais novos neste sábado, 24 de fevereiro de 2018, no Largo São João Batista, no bairro de Rudge Ramos.

Desde o ano passado, a empresa já colocou em operação, 75 coletivos zero quilômetro, dos quais, 55 midi (micrão) e 20 convencionais, entre os quais, os dez apresentados neste sábado.

Todos os veículos possuem sistema de circulação de ar com refrigeração, wi-fi, elevadores para acessibilidade e tomadas para carregar celulares e outros aparelhos.

Mesmo com esta renovação, a idade média da frota ainda é alta, e está agora em torno de 6,2 anos.

Milena Braga Romano diz que com os outros 50 ônibus novos, este patamar vai cair para abaixo de cinco anos, como prevê o contrato. Os tipos destes próximos 50 ônibus, ainda vão ser definidos pela concessionária e pela prefeitura.

“Nós não definimos qual tecnologia vai ser e o tamanho desses ônibus. Nós vamos estudar a necessidade da frota. O que não queremos é ter uma frota de ônibus com mais de cinco anos de idade média.” – disse a empresária ao Diário do Transporte, que ainda ressaltou que outros investimentos foram realizados.

“Nós iniciamos em 2017, o maior projeto e modernização de toda a história da SBC Trans em parceria com a prefeitura  e a ETC [ETCSBC – Empresa de Transportes Coletivos de São Bernardo do Campo, gerenciadora do sistema. Mês a mês fomos entregando coisas novas: aplicativos [de celulares com a previsão de chegada dos ônibus aos pontos], abrigos de ônibus, ônibus novos, GPS em 100% da frota, câmera de segurança em todos os ônibus, tudo isso com o objetivo de melhorar o transporte público, nós queremos nos tornar referência no Estado de São Paulo” – disse Milena.

Ao centro, prefeito Orlando Morando. À esquerda Ademir Silvestre e funcionário da ETCSBC. À direita, Milena Braga Romano e José Romano, proprietários da SBCTrans

Todos estes investimentos, entretanto, são realizados no último ano da concessão de 20 anos da SBC Trans. O processo de licitação para o sistema deve ser finalizado no ano que vem.

Questionado sobre se vai esperar algum pedido de contrapartida da empresa diante dos investimentos no final do contrato, o prefeito Orlando Morando disse ao Diário do Transporte que a viação estava em débito com a população e que o estudo da nova concessão, que será contratado pela prefeitura, vai analisar novos modelos operacionais.

“Todo o negócio tem risco. Isso é inegável. O que não dava para continuar é com um frota ruim como nós estávamos. Nós teríamos de aplicar multas sistematicamente, coisa que nós fazemos. O motorista que for flagrado com o carro [ônibus] em deslocamento no mesmo momento em que está fazendo a cobrança da tarifa, é multado. Nós multamos, inclusive, na semana passada. A concessionária faz o investimento primeiro porque diminui o custo dela. Carro velho dá mais despesa, no ônibus novo, a manutenção é menor. Existia um lapso e, em nossa avaliação, uma dívida da concessionária com o município que ela está devolvendo. O investimento é dela.  A licitação é pública, já estamos na fase de contração de uma consultoria para nos dar um norte e para a gente buscar a melhor vantagem para o município na nova concessão. A concessionária está aqui há mais de 20 anos e, na minha avaliação, a empresa tem de possuir ônibus novo para operar, dentro do prazo de validade e com qualidade” – disse o prefeito.

SISTEMA TRONCO-ALIMENTADO:

Paralelamente à renovação da frota, a prefeitura deu início à implantação de um sistema tronco-alimentado de ônibus na cidade.

Veículos maiores, como os articulados, vão trafegar em linhas troncais de grande demanda que, por sua vez, serão alimentadas por ônibus menores em terminais de bairro.

O sistema começa a ser testado nesta segunda-feira, 26  de fevereiro, com o início das operações do Terminal Alvarenga, cujo corredor ainda não está pronto.

O presidente da ETCSBC, Ademir Silvestre, disse ao Diário do Transporte, que o objetivo com essa rede é diminuir a quantidade de ônibus no centro, mas não necessariamente no sistema. Isso fará com que os ônibus ganhem mais eficiência, melhorando a fluidez. Silvestre ainda falou que neste primeiro semestre, ao menos 24 quilômetros de corredores de ônibus e novas faixas devem ser concluídos na cidade.

“Aquele terminal que a gente entregou nesta semana [Terminal Alvarenga] vai ser o ponto de partida de toda esta situação [novo sistema]. Dali nós vamos começar a fazer o aproveitamento dos corredores e das faixas exclusivas, que deverão ser pelo menos 24 quilômetros ainda neste primeiro semestre. Serão para estes ônibus que partem do Rudge em direção ao centro, mais Jurubatuba, Nações Unidas e Redenção. Depois, juntando isso, lá na frente com a João Firmino e linkando com a estrada dos Alvarengas. Isso vai dar ganho tempo nas viagens.”  – contou.

Para o sistema, os ônibus atuais articulados e alguns convencionais têm recebido portas do lado esquerdo.

Um dos objetivos das mudanças é a eliminação de linhas sobrepostas, quando vários itinerários seguem praticamente juntos.

Além das sobreposições ocorrerem entre linhas municipais, também há diversos casos na cidade de trajetos semelhantes entre linhas municipais e intermunicipais com o mesmo itinerário em grandes trechos.

O prefeito Orlando Morando disse ao Diário do Transporte que após a implantação de rede de corredores na cidade deve tentar diálogo com o Governo do Estado para tratar a relação das linhas municipais e metropolitanas. Morando criticou a falta de qualidade dos serviços de ônibus do sistema da EMTU – Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos. O prefeito sinalizou para a  possibilidade de os ônibus intermunicipais serem proibidos de entrar nas faixas e corredores municipais.

“Quando tivermos faixas e corredores, aí nós poderemos abrir uma discussão com a EMTU. E aí vai dar para perceber que o ônibus na faixa e no corredor, o percurso será em menor tempo. Aí eu posso sentar à mesa e discutir. ‘– Vocês querem usar os nossos corredores? Então vamos impor condições’ Uma das condições é ‘eles’ [EMTU] buscarem uma renovação de frota. A frota do intermunicipal hoje, eu afirmo, é de péssima qualidade. Péssima qualidade. A partir do momento que nós tivermos os corredores, nós vamos buscar sim esta conexão com o aperfeiçoamento. O transporte intermunicipal, quero reafirmar, é importante, mas não pode ter um princípio de concorrência com o municipal. O intermunicipal hoje concorre com ônibus ruim e ônibus velho.” – disse Morando.

Se a idade média dos ônibus municipais em São Bernardo do Campo hoje é de 6,2 anos, dos intermunicipais do sistema EMTU na área 5, que corresponde ao ABC Paulista, é de em torno de 8,3 anos.

A licitação das linhas da EMTU que poderia resultar em renovação da frota e que deveria ter sido concluída no ano passado está barrada no TCE – Tribunal de Contas do Estado de São Paulo.

Diferentemente de outras quatro áreas operacionais da Grande São Paulo, a área 5 da EMTU nunca foi licitada. Desde 2006, quando as outras quatro áreas foram regularizadas, a EMTU tenta licitar os transportes intermunicipais no ABC. Em cinco ocasiões, as empresas de ônibus esvaziaram a concorrência não apresentando propostas porque não concordavam com as exigências do edital. Na sexta vez, o empresário Baltazar José de Sousa, cuja uma das empresas de Manaus está em recuperação judicial, conseguiu, com base neste argumento, barrar a licitação nos tribunais.

Na visão da defesa de Baltazar, se o empresário perdesse a concessão no ABC, teria diminuição de faturamento e isso prejudicaria a recuperação da Soltur – Solimões Transporte e Turismo, de Manaus.

Somente em 2016,  a EMTU conseguiu derrubar o impedimento na Justiça.

Com mais de 200 processos, dívidas de R$ 1 bilhão junto à União, segundo o Ministério Público Federal e Receita Federal, e com mandados de prisão (atualmente suspensos), Baltazar é dono das empresas Viação Ribeirão Pires, EAOSA – Empresa Auto Ônibus Santo André, Viação São Camilo, Urbana, Viação Triângulo, Viação Imigrantes e Viação Riacho Grande.

A defesa de Baltazar contesta os valores das dívidas informados pelo Ministério Público Federal e Receita Federal.

Não há previsão de o TCE liberar novamente a licitação da EMTU.

OUÇA AS ENTREVISTAS:

ORLANDO-MORANDO

ADEMIR-SILVESTRE

MILENA-ROMANO

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes.

9 comentários em São Bernardo do Campo terá mais 50 ônibus zero quilômetro e Orlando Morando critica veículos das linhas da EMTU

  1. EDILSON MANOEL JOAQUIM // 25 de fevereiro de 2018 às 00:34 // Responder

    Com certeza vão desligar o ar condicionado assim como fizeram com os anteriores. Fez propaganda de ônibus com ar, depois autorização o desligamento dos mesmo. Devia ter mais de uma empresa na linha municipal (concorrência) Assim a dona desta empresa faz o que quer.

  2. Alexandra Aparecida da Silva // 25 de fevereiro de 2018 às 05:20 // Responder

    Cadê esses ônibus novos ?Moro aqui no João de Barro Alvarenga tem poucos ônibus o wa fi ñ funciona tiraram ainda os articulados. É um inferno de super lotação. ..4:30 da manhã ñ cabe de tantas pessoas indo para o trabalho.trabalho no hospital e maternidade Santa Helena quando saio do trabalho vou andando para pegar o 05 Laura depois da faculdade para pegar vazio para eu sentar!!😤😠

  3. Sônia Regina Albiero // 25 de fevereiro de 2018 às 06:51 // Responder

    Eu fico meia hora todos os dias do centro para o planalto é vice versa o Planalto uma das organizadoras a linha de ônibus e uma vergonha não existe horário doente e aqui do centro também.UMA VERGONHA VCS COLOCAM OS ONUBUS BONS E UM MONTE NA VILA SAO PEDRO R.RAMOS TABOAO ETC. PARA O PLANALTO NADA.
    Sônia Regina Albiero

  4. Olha eu morro aqui no parque São Rafael de domingo o 54 não roda e recolhido só passa o 01 enquanto realmente na vila São Pedro e um monte sem conta que não tem horário pra passar

  5. Assaltando os seus passageiros cobrando uma taxa por embarque de 4,40 à 4,75 sem direito a integração é sem o passe livre pra estudantes

    é um absurdo.

  6. O mais triste é saber que essa maldita Dona Beatriz vai continuar mandando em todo o transporte municipal de SBC. E esse prefeito de merda nada vai fazer, esse ano 2018 terá que ter licitação para exploração do transporte municipal, vendo todo esse amor entre Prefeito e Dona Beatriz, alguém acredita mesmo que empresa de fora vai conseguir ganhar essa licitação. Tiraram os os cobradores, aumentaram as passagens e agora tiraram a integração. E ainda dizem que esse LIXO de empresa é a 2a. Melhor de São Paulo.

  7. Acho uma perca de tempo esse terminal. Bastava ter colocado mais ónibus nas ruas e isso bastava. Esse terminal só vai atrapalhar ainda mais. Com certeza teremos q sair bem mais cedo de casa. Só fazem meda nessa cidade. E essa bonitona da Milena não sabe de pora nenhuma coloca ela pra pegar o orquídeas q ela vai saber do que precisamos. Qualquer horário ele tá lotado por isso disse q bastava colocar mais ónibus nas ruas.

  8. Sou do João de barro e não concordo com esse negócio de motorista ser cobrador . dona Beatriz ? O que esse prefeito Orlando morando faz envolvendo a empresa SBS trans não e da prefeitura e particular ele tem que se ligar no que faz

  9. 1- Prefeito, convoque os empresários para trazer de volta os cobradores. Fácil multar o coitado que faz tres funções )Condutor, cobrador e ascensorista e tem a obrigação de chegar no ponto final no horário..Se atrasar (deficiencia de troco) leva multa, ou é demitido??? Agora os onibus velhos é da Rigras, e Imigrantes,,,Quem são os donos ?? e por que não cobrar mais energia/iniciativa da dona Beatriz (gerente da EMTU) com relação à troca de veculos?´ Se baltazar,,, como sempre é ele quem manda como tem que ser…devendo ao erário público,,,bilhões, ele nega, O ABC inteiro sabe mas nunca prendem…seria costas largas??? Estes dias vi “lixo” do Rio aqui na estação…COM CHAPA DO RIO DE JANEIRO LINHA 070, EM DIREÇÃO AO RUDGE,, Gente acorda !!!!

1 Trackback / Pingback

  1. São Bernardo do Campo terá 30 novos ônibus em agosto – Diário do Transporte

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: