Assim como no DF, Rio Branco (AC) institui lei que torna preferenciais todos os assentos de ônibus municipais

Várias cidades do país estão aderindo a esta atitude, através de projetos de lei de vereadores

ALEXANDRE PELEGI

Uma intenção que quer se tornar lei e daí, quiçá, modificar comportamentos de educação e gentileza de todos os usuários do transporte coletivo.

Num movimento que tem se espalhado por várias do país, conforme publicamos no último dia 6 de janeiro, vereadores têm apresentado em Câmaras Municipais Projetos de Lei que visam criar uma norma geral para os assentos do transporte público. Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2018/01/06/vereador-de-sp-propoe-norma-que-torna-preferenciais-todos-os-assentos-dos-coletivos/

Após aprovado e sancionado pelo prefeito, o PL torna-se Lei, que determina que todos os lugares em ônibus do transporte público passarão a ser preferenciais para idosos, gestantes, portadores de deficiências físicas e obesos.

Hoje, apenas os lugares destacados, geralmente na parte da frente dos ônibus, são destinados a esses passageiros.

Assim como no Distrito Federal, Rio Branco (capital do Acre) já tem sua Lei desde esta sexta-feira (12). O Projeto de Lei, que fora apresentado pelo vereador Rodrigo Forneck em novembro de 2017, após aprovação e sanção da prefeitura, passou a valer após o decreto sair publicado no Diário Oficial.

Em São Paulo, o vereador Gilberto Nascimento (PSC) está replicando a ideia, e entrou com o Projeto de Lei 783/2017 com a mesma finalidade.

No Distrito Federal, a Lei já vale desde o dia 8 de novembro de 2017, após ser posta em prática o projeto aprovado pela Câmara Distrital, de autoria do deputado Cristiano Araújo (PSD). O projeto foi sancionado pelo governador do DF, Rodrigo Rollemberg (PSB), e determina que estações e os próprios coletivos coloquem avisos informando a nova regra. A norma no caso do DF vale para ônibus e Metrô, gerenciados pelo governo.

Em outras cidades do país, como a capital Curitiba, um projeto com o mesmo teor foi apresentado na Câmara municipal em janeiro de 2017 pelo vereador Helio Wirbisk. Em Maringá, cidade paranaense, foi proposto também em 2017 pelo vereador Jean Marques (PV).

Como em todas as propostas pelo país, a Lei da capital Rio Branco diz que a configuração atual dos assentos prioritários dos ônibus será mantida. Para comunicar que a regra vale para todos os assentos, deverão ser colocados avisos dentro dos ônibus, em locais de fácil visualização, além de cartazes informativos em terminais urbanos. A lei de Rio Branco determina que deverão ser feitas campanhas publicitárias para divulgar os direitos prescritos pela nova lei.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

6 comentários em Assim como no DF, Rio Branco (AC) institui lei que torna preferenciais todos os assentos de ônibus municipais

  1. Nada contra! Pagantes paga caro para viajar a pé! Porque esses ônibus demora muito e ás vezes mais de uma hora de espera e longas distâncias. Cadê os ônibus?

  2. Amigos, bom dia.

    Tive uma ideia para as empresas .

    Criem a tarifa VIP, se pagar R$ 5,00 (exemplo Sampa), você tem o direito de viajar sentado ou criem o carro pago.

    Não querem aumentar faturamento e ter novos produtos do buzão???

    Tá ai, mais uma sugestão a lá Paulo Gil, a solução.

    Mas com certeza os Jestores Jurássicos ( JJ ) não vão deixar.

    KKKKKKKKKKKkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Afinal, o puuuuuuuuuuuuder pensa no povo, mas quem paga é o contribuinte.

    O contribuinte está cansado de pagar e agora ainda por cima tem de pagar e viajar em pé.

    Chegou o momento de voltar o buzão “executivo”.

    Fretadões, chegou a vez de vocês, se focarem num “novo produto”, um APP e numa boa campanha de marketing, vocês vão faturar em cima dos passageiros pagantes que o puuuuuuder está desprezando.

    Vocês deviam criar linhas retas de fretados cortando Sampa em “X”, tá na hora de modernizar o fretadão de Sampa vendendo passagens via APP.

    Já tenho até o nome do produto:

    “Sit Down – Buzão”

    É só rodar e faturar.

    Tá estressado; vai de fretado.

    Tá em pé; vai de “Sit Down Buzão”.

    Mais uma solução a lá Paulo Gil.

    MUDA BARSIL.

    Att,

    Paulo Gil

    • Élio J. B. Camargo // 15 de janeiro de 2018 às 22:23 // Responder

      Paulo, criar ônibus executivo (tipo fretado) que não podem usar faixas exclusivas, para ficarem parados no congestionamento? Funcionaria se fizessem, nas vias com 3 ou mais faixas, uma faixa na esquerda só para os coletivos atuais, uma para veículos preferenciais (fretados, escolares, taxi, serviços) e a outra para o transporte individual. Vi isso em São José dos Campos, mas aqui…., nem na esquerda colocam, os atuais.

    • Paulo Gil, pelo valor cobrado pelas tarifas em nossas cidades, elas já são VIP. Só não tem esse nome.

      Um outro detalhe é que os assentos preferenciais não são assentos exclusivos. Ou seja, eles podem ser usados normalmente, inclusive aqueles que com cor diferenciada, porém, a preferência é para as pessoas que atendem as exigências.

      Isso é uma questão de educação e consciência. Afinal de contas, mais cedo ou mais tarde, todos nós vamos ficar idosos e seremos nós as vítimas da falta de educação dos mais jovens.

  3. É execrável estas medidas dos vereadores que não são passageiros, pois tem carros oficiais, sem pensar na sua maioria que são trabalhadores que pagam passagem, vão em pé, para chegar cansado à empresa, estressando-o mais ainda, além dos mandos de seu chefe. Aqui no ABC por exemplo aumentou drásticamente o espaço tomado por idosos, criando assim um prejuizo para empresa, pois eles não pagam passagens (mas vamos por em consideração que eles foram tambem trabalhadores e que tambem contribuiram para as empresas e suas cidades, portanto com direitos ao assento gratuito. Agora as empresas pensando desta forma para reduzir prejuizos acaba recaindo numa função, a do cobrador, que ele persistem em abolir.Um grande erro, pois o condutor precisa essencialmente de seu auxiliar devido ao tamanho do veiculo, que não é de passeio e ele não pode e não cosnegue ter uma ampla visão de controle. SEM FALAR QUE ELE AGORA, ACUMULA 3 FUNÇÕES e ninguém até agora acordou, reclamou, gritou sobre esse excrecência dos empresários, tornando seus motoristas estressados, apressados, nervosos, a troco de 1 salário de condutor? Sendo que na contratação da concessão está lá no contrato , a qualidade do transporte publico equipado com motorista e cobrador validos por 25/30 anos em certas cidades, e não são cumpridos? O trabalhador tambem merece assento sim, cabe a cada um deles saber quem precisa sentar,,,mas não são obrigados. Nem todos tem um mesmo biotipo, ou saudáveis a ponto de viajar por kms e horas a pé para chegar em seu emprego. ENTENDERAM?

  4. Élio J. B. Camargo // 15 de janeiro de 2018 às 22:10 // Responder

    Para quem vê, a ideia parece atraente e eficiente. Mas para quem hoje faz se de desligado para não ceder o assento já preferencial (apesar de cor diferente e avisos na janela) e disputa para que o outro ceda, irá apenas ter mais assentos e desculpas para fazer isso. Alguém pode retrucar que a pessoa preferencial deve cobrar, mas não é assim. Fazer isso, além de não saber se o outro também seja preferencial, seria igualar se na “educação” ao fingido ocupante. Prefiro ficar em pé a agir assim. Educação não se constrói com leis, mas em casa e isso parece cada vez pior. Acho que basta oferecer os assentos preferenciais na quantidade da proporção dos preferenciais na população total, apenas isso. Podem reforçar que o cobrador deve agir neste caso.

2 Trackbacks / Pingbacks

  1. Justiça do DF estende gratuidade a idosos em todos os assentos dos ônibus – Diário do Transporte
  2. Câmara aprova projeto que torna todos os assentos dos ônibus do Guarujá preferenciais – Diário do Transporte

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: