Para licitação dos transportes em São Paulo, vereador pede limite de emissão de ruído nos ônibus e prolongamento de linhas de trólebus

Prolongamento da linha 4112/10 aproveitaria fiação não utilizada

De acordo com proposta de Caio Miranda, atendendo solicitação do “Movimento Respira São Paulo” , prolongamento de linhas de trólebus vai aproveitar fiação existente e que hoje não é aproveitada. Ruído dos ônibus não poderá ser superior a 50 dB (A) por veículo, independentemente de motorização.

ADAMO BAZANI

Às vésperas do lançamento da minuta do edital de licitação dos transportes na cidade de São Paulo para consulta pública, que deve ocorrer até o próximo dia 20, de acordo com o secretário de mobilidade e transportes, Sergio Avelleda, já começa a movimentação na Câmara Municipal para sugerir medidas a serem tomadas pelas empresas de ônibus e prefeitura com os novos contratos.

Nesta sexta-feira, 15 de dezembro, o vereador Caio Miranda, protocolou ao secretário Avelleda, um ofício com duas sugestões: limitar a emissão de ruídos pelo ônibus municipais e prolongar duas linhas de trólebus para aproveitar a fiação aérea já existente e que não é usada.

Em relação aos ruídos, Caio Miranda utilizou dados da OMS – Organização Mundial da Saúde  que recomendam como limite saudável, 50 dB (A).

O vereador quer que este índice seja o máximo de emissão de ruído emitido a cada ônibus dos transportes públicos municipais.

Pelo PL 300, que altera a Lei das Mudanças Climáticas, haverá um cronograma para redução das emissões de poluentes atmosféricos. Nesta quinta-feira, em segunda votação, este PL foi aprovado, mas nesta sexta-feira, o prefeito João Doria sinalizou a possibilidade de vetar o projeto por causa da inspeção veicular que foi colocada no mesmo texto.

Veja:

https://diariodotransporte.com.br/2017/12/15/doria-sinaliza-que-nao-deve-aprovar-pl-300-por-causa-de-inspecao-veicular/

A proposta sobre os ruídos, entretanto, não se trata de um projeto de lei.

Os mesmos dados da OMS foram utilizados em estudo feito no ano de 2012 a pedido do Ministério Público do Trabalho do Distrito Federal e Territórios para proibir a compra de ônibus com motores dianteiros para o sistema local.

O trabalho do MPTDFT resultou em 2015 numa lei que, regulamentada em junho deste ano, efetivamente impede a compra de ônibus com motor dianteiro, a não ser para trajetos não urbanos.

O estudo também serviu de base para o deputado paranaense Professor Lemos, do PT, apresentar um projeto de lei da Assembleia Legislativa do Estado do Paraná, também proibindo a entrada de ônibus novos com motorização dianteira. Ainda não houve a votação da proposta no Paraná

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2017/11/30/deputado-quer-proibir-onibus-com-motor-dianteiro-em-curitiba-e-regiao-metropolitana/

A sugestão do vereador de São Paulo, entretanto, aborda apenas os limites de emissões de ruídos e, apesar de privilegiar os modelos não poluentes, não pede expressamente a proibição de tipos de ônibus.

TRÓLEBUS:

No mesmo ofício, Caio Miranda traz a sugestão do “Movimento Respira São Paulo” para ampliação duas linhas de trólebus, que aproveitariam trechos de fiação aérea não utilizados atualmente.

Pela proposta, a linha 408-A (Machado de Assis – Cardoso de Almeida) deve ser prolonga por cerca de dois quilômetros até Estação Ana Rosa em um extremo e, no outro, da Cardoso de Almeida, para integração física com a futura Estação PUC-Cardoso de Almeida, da linha 6 Laranja do Metrô, que atualmente está com as obras paradas.

Já outra linha que deve ser prolongada pela proposta é a 4112/10 (Santa Margarida Maria – Praça da República), que atende bairros como Vila Monumento, Aclimação, Liberdade e Centro para o aproveitamento total da rede aérea que não é utilizada.

A proposta de mudança de itinerário da 4112/10 compreende em trechos que já possuem rede aérea e que não precisam de nenhuma intervenção para a circulação dos trólebus. A alteração visa modificar a linha para atender demais regiões, para diferenciar seu itinerário da 4113/10 Gentil de Moura – Praça da República como o Brás (Av. Rangel Pestana), Museu Catavento e o Mercado Municipal, além da Rua da Glória, no bairro da Liberdade. – diz trecho da proposta.

Ofício CMC 180-2017–11o GV

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

4 comentários em Para licitação dos transportes em São Paulo, vereador pede limite de emissão de ruído nos ônibus e prolongamento de linhas de trólebus

  1. Parabéns ao Movimento Respira São Paulo e ao vereador Vaio Miranda pela iniciativa

  2. Que ruido é esse? O interno, que chega aos ouvidos do motorista? medido conforme que norma? Há alguma regulamentação como essa no mundo? Não é o interno? É o ruído externo? Medido onde, na calçada, ao lado do escapamento do veículo, com o veículo acelerando, de passagem, ou estacionário? Que norma é usada para medir esse ruído? Algum país define regras para os ônibus urbanos, qual o valor do ruído praticado em outros países? É muito fácil legislar de forma rasa, sem especificar detalhes de como, com que padrão, onde, que regime de funcionamento, a que distância, com que norma de medição?
    Vamos lá meninos, querem legislar, legislem direito como gente grande, não como criança que não sabe o que faz.

  3. O colega Olimpio aí em cima deveria ler o ofício antes de falar bobagem.

1 Trackback / Pingback

  1. Retrofit com nova tecnologia de resfriamento de motores de ônibus reduz ruído da hélice e índice de emissões – Diário do Transporte

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: