Empresa abre programa para startups apresentarem soluções tecnológicas voltadas para os transportes de cargas e passageiros

JSL atua também no segmento de ônibus e vans fretados

Inscrições vão até 30 de novembro. Grupo JSL também visita iniciativas como MobiLab, da SPTrans, na capital paulista

ADAMO BAZANI

Muitas ideias que podem melhorar as operações e gestão nos transportes de passageiros e de cargas não estão necessariamente dentro do setor.

Uma legião de jovens promissores com alto domínio da tecnologia pode oferecer respostas há muito tempo procuradas para dinamizar e melhorar a logística e a mobilidade urbana.

Essas novas ideias devem ser combinadas com a vivência de quem é experiente e tem conhecimento do dia a dia destes setores.

E justamente com este objetivo que o Grupo JSL (Júlio Simões) de Mogi das Cruzes, na Grande São Paulo, está com um programa de incentivo a stratups para desenvolvimento das soluções tecnológicas, com todo o apoio técnico e de monitores. Segundo o grupo, a iniciativa é uma oportunidade de as empresas que têm ideais e soluções inovadoras entrarem em contato com o dia a dia dos transportes e logística.

As inscrições vão até o dia 30 de novembro por intermédio deste site: http://www.jsllabs.com.br/

“A plataforma criada para interação com as startups já obteve mais de 1500 acessos e mais de 30 startups já estão efetivamente cadastradas. Ao final do programa serão selecionados os 10 melhores projetos para a fase piloto, que terão um acompanhamento, mentoria e coaching com os principais especialistas de cada área e executivos da JSL. A JSL tem realizado visitas a grandes hubs de inovação do Brasil, como São Paulo, Campinas e Recife, entre outros locais, para promover ainda mais a divulgação do programa, e mais do que isso, interagir e gerar aproximação com inúmeras startups brasileiras. Já foram visitados, por exemplo, o Mobilab, em São Paulo, o Porto Digital, localizado em Recife, a ACATE, em Florianópolis e o Seed em Belo Horizonte”, diz nota da JSL

Diversas empresas de gerenciamento e operação voltadas à mobilidade urbana têm investido em laboratórios e incentivos a jovens e stratups. Além da SPTrans – São Paulo Transporte, gerenciadora dos transportes públicos na capital paulista, a EMTU – Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (gerenciadora dos ônibus intermunicipais metropolitanos e do VLT da Baixada Santista) e a Metra (operadora do Corredor ABD) também mantém laboratórios de incentivo à tecnologia voltada à mobilidade.

No caso do Corredor ABD, estão sendo desenvolvidas tecnologias para aperfeiçoar ideias como contadores de passageiros integrados ao GPS dos ônibus e trólebus, aplicativos que informam quais os ônibus mais lotados e vazios, aplicativo com chat pelo qual o passageiro fala com a Metra em tempo real durante a viagem, entre outras. Relembre: https://diariodotransporte.com.br/2017/09/27/sensores-que-contam-passageiros-em-tempo-real-nas-portas-sao-instalados-em-onibus-da-metra-e-ideia-recebe-premio-internacional/

Na nota, o gerente geral de inovação e meios de pagamentos da JSL, Diorwilton Heusser, diz que os contatos com a startups vão ajudar não somente as empresas do grupo, mas o setor como um todo.

“Essas visitas têm sido muito enriquecedoras para a JSL e estão gerando cadastros de startups no JSL Labs além de nos permitirem a possibilidade de estar conectados diretamente ao que está sendo desenvolvido agora por startups com alta tecnologia e que vai facilitar nosso futuro ali na frente. Identificamos conceitos e ideias inovadoras que gerarão benefícios, não só aos negócios da companhia, mas para o desenvolvimento da logística de forma geral no Brasil”,

O Grupo JSL atua nos segmentos de ônibus de fretamento, ônibus urbanos, cadeia de suprimentos, gestão de frotas e equipamentos, transportes de cargas gerais, comercialização de veículos e equipamentos.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

1 comentário em Empresa abre programa para startups apresentarem soluções tecnológicas voltadas para os transportes de cargas e passageiros

  1. Amigos, bom dia.

    As regras do jogo são claras.

    “O JSL labs é o programa de inovação aberta…”

    “Serão selecionadas startups formalizadasSerão selecionadas startups formalizadas…”

    Porém, sugiro a JSL estudar um JSLab/2, para os inventores independentes.

    Ok, eu sei que a JSL não é Instituição Filantrópica, mas o Barsil carece e muito de apoio aos Inventores Independentes, mesmo a Lei de Inovação prevendo um apoio a estes inventores.

    Tem de pensar também em:

    Acordo de Confidencialidade;

    Propriedade Intelectual e

    Royalties.

    Lei da Inovação 10973/04

    CAPÍTULO V

    DO ESTÍMULO AO INVENTOR INDEPENDENTE

    Art. 22. Ao inventor independente que comprove depósito de pedido de patente é facultado solicitar a adoção de sua criação por ICT, que decidirá livremente quanto à conveniência e oportunidade da solicitação, visando à elaboração de projeto voltado a sua avaliação para futuro desenvolvimento, incubação, utilização e industrialização pelo setor produtivo.

    Art. 22. Ao inventor independente que comprove depósito de pedido de patente é facultado solicitar a adoção de sua criação por ICT pública, que decidirá quanto à conveniência e à oportunidade da solicitação e à elaboração de projeto voltado à avaliação da criação para futuro desenvolvimento, incubação, utilização, industrialização e inserção no mercado. (Redação dada pela Lei nº 13.243, de 2016)

    § 1o O núcleo de inovação tecnológica da ICT avaliará a invenção, a sua afinidade com a respectiva área de atuação e o interesse no seu desenvolvimento.

    § 2o O núcleo informará ao inventor independente, no prazo máximo de 6 (seis) meses, a decisão quanto à adoção a que se refere o caput deste artigo.

    § 3o Adotada a invenção por uma ICT, o inventor independente comprometer-se-á, mediante contrato, a compartilhar os ganhos econômicos auferidos com a exploração industrial da invenção protegida.

    § 3o O inventor independente, mediante instrumento jurídico específico, deverá comprometer-se a compartilhar os eventuais ganhos econômicos auferidos com a exploração da invenção protegida adotada por ICT pública. (Redação dada pela Lei nº 13.243, de 2016)

    Art. 22-A. A União, os Estados, o Distrito Federal, os Municípios, as agências de fomento e as ICTs públicas poderão apoiar o inventor independente que comprovar o depósito de patente de sua criação, entre outras formas, por meio de: (Incluído pela Lei nº 13.243, de 2016)

    I – análise da viabilidade técnica e econômica do objeto de sua invenção; (Incluído pela Lei nº 13.243, de 2016)

    II – assistência para transformação da invenção em produto ou processo com os mecanismos financeiros e creditícios dispostos na legislação; (Incluído pela Lei nº 13.243, de 2016)

    III – assistência para constituição de empresa que produza o bem objeto da invenção; (Incluído pela Lei nº 13.243, de 2016)

    IV – orientação para transferência de tecnologia para empresas já constituídas. (Incluído pela Lei nº 13.243, de 2016)

    Fica ai a sugestão do Paulo Gil.

    Att,

    Paulo Gil

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: