Marcopolo cria comitê de retomada por causa de incêndio, diz diretor geral em vídeo

Parte da estrutura foi abaixo em incêndio. Foto: Mauro Teixeira

Francisco Gomes Neto não informou previsão de retorno total às atividades. Laudo sobre possíveis causas do incidente só deve ficar pronto em um mês

ADAMO BAZANI

A encarroçadora de ônibus Marcopolo, que teve a unidade de plásticos da planta de Ana Rech, em Caxias do Sul, destruída no último domingo, 3, por um incêndio, ainda não tem data para o início da normalização da produção dos veículos.

Como no galpão atingido são produzidos materiais considerados essenciais para o acabamento dos ônibus, foram prejudicadas as atividades nas unidades Ana Rech e na Planalto, também em Caxias do Sul.

O diretor-geral da companhia, Francisco Gomes Neto, em vídeo para o mercado e para os funcionários, disse nesta quarta-feira, 6 de setembro de 2017, que a companhia criou um “comitê de retomada” para que atividades atividade voltem ao normal o mais rapidamente possível. O executivo não arriscou uma previsão no vídeo.

“Criamos um comitê de retomada, com oito frentes de trabalho, para avaliar a situação e encontrar uma alterativa para restabelecer os processos produtivos rapidamente. Vamos voltar às nossas atividades de forma estruturada, mantendo como prioridades a segurança das pessoas e a qualidade de nossos produtos” – disse

No último domingo, 3, por volta das 16h, a unidade de plásticos foi atingida por um incêndio que durou mais de três horas.

Por causa da quantidade de produtos inflamáveis, como plásticos, fibras e papelão, as chamas se alastraram rapidamente. Além de toda a corporação de Caxias do Sul, foi necessária a intervenção de equipes de cidades próximas.

Ninguém ficou ferido gravemente.

Nesta segunda-feira, a Polícia Civil, com apoio do Corpo de Bombeiros, realizou uma perícia no local.

O laudo deve ser concluído em aproximadamente 30 dias.

Numa análise preliminar, os Bombeiros acreditam que a causa tenha sido acidental, mas também analisaram as condições da instalação elétrica do galpão.

A Marcopolo ainda não divulgou nenhuma estimativa quanto ao total de prejuízo.

 

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

 

 

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Paulo Gil disse:

    Amigos, bom dia.

    Se os moldes ficaram ilesos ou têm duplicatas, é só terceirizar e o momento é favorável a isto.

    Agora se não tem molde duplicata ou reserva, ai o bicho vai travar.

    Uma solução instantânea é recomprar as peças de reposição das lojas, pelo menos alguns buzões da para produzir.

    Um vácuo na produção já ficou, este é irrecuperável.

    Matemática pura.

    Att,

    Paulo Gil

Deixe uma resposta