Empresas falam em colapso do sistema de transportes do Rio de Janeiro e dizem que não terão condições de dar aumento salarial para funcionários

Publicado em: 9 de junho de 2017

Ônibus parados da Via Rio, umas das empresas que fecharam as portas na cidade

De acordo com Rio Ônibus, congelamento de tarifa e liberação de vans podem prejudicar BRT, compra de ônibus novos e empregos de motoristas e cobradores

ADAMO BAZANI

A queda de braços entre a administração Marcelo Crivella e as empresas de ônibus do Rio de Janeiro ganha mais um capítulo.

O Rio Ônibus, que é o sindicato que representa as viações, divulgou na manhã desta sexta-feira, 09 de junho de 2017, um comunicado pelo qual diz que as ações da prefeitura podem prejudicar o sistema de transportes da cidade que, segundo a entidade, já está em colapso.

A principal queixa dos empresários de ônibus é o congelamento do valor da tarifa em R$ 3,80, decisão do prefeito Marcelo Crivella e do vice-prefeito e secretário de transportes, Fernando Mac Dowell.

Segundo o comunicado, o congelamento do valor das tarifas vai impedir as empresas de concederem aumento salarial aos motoristas e cobradores e também impossibilitar a renovação de frota de ônibus com ar condicionado.

As companhias de ônibus ainda se queixam da liberação da circulação das vans, medida que, ainda segundo as empresas, pode prejudicar o BRT, sistema de corredores de ônibus da cidade.

“Para agravar o cenário, as decisões da prefeitura criaram uma verdadeira farra de vans e Kombis. Muitas delas operam ilegalmente sem fiscalização, totalmente à margem da lei. O estímulo equivocado ao transporte alternativo também está destruindo o sistema BRT, principal projeto de mobilidade da cidade, pondo em risco a viabilidade de um modelo de transporte aprovado pela população distrito do comunicado”

A entidade voltou a falar da possibilidade de fechamento de mais companhias de ônibus por causa da situação do sistema. Onze companhias correm este risco, segundo o Rio Ônibus. Desde 2015, sete já fecharam as portas.

2017:

– Transportes Santa Maria

2016:

– Auto Viação Bangu (Consórcio Santa Cruz)

– Algarve (Consórcio Santa Cruz)

2015

– Translitorânea (Consórcio Intersul)

– Rio Rotas (Consórcio Santa Cruz)

– Andorinha (Consórcio Santa Cruz)

– Via Rio (Consórcio Internorte)

Segundo comunicado das empresas, mais de 3 mil funcionários do sistema rodoviário perderam os empregos

A nota ainda diz que a “omissão da prefeitura vai levar a paralisação de todo sistema, que emprega diariamente 35 mil trabalhadores, beneficiando entre rodoviários e familiares, mais mais de 100 mil pessoas”.

A mensagem, em seu final, ainda diz que a prefeitura por lei deveria conceder o aumento das tarifas para recomposição de custos das empresas ao longo de 2016, como o reajuste de 10% nos salários dos motoristas, cobradores e demais funcionários, índice acima da inflação.

“Conceder o reajuste anual da tarifa não é um favor, é uma obrigação contratual da prefeitura que cumpriu os contratos com outras duas concessionárias da área de transporte do Rio”.

publieditorial_25,5x29cm.indd

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Comentários

  1. Paulo Gil disse:

    Amigos, boa noite.

    Mas a pergunta ainda NÃO foi respondida.

    ” A QUEM INTERESSA O COLAPSO DAS EMPRESAS DE ÔNIBUS DO RIO DE JANEIRO ? ”

    Quem responderá ??

    Esta faltando objetividade.

    Att,

    Paulo Gil

Deixe uma resposta