Petrolina e Juazeiro integram bilhetagem eletrônica em sistema interestadual

Agora, passageiros podem utilizar os ônibus entre as duas cidades utilizando apenas um cartão

ADAMO BAZANI

Juazeiro, na Bahia, e Petrolina, em Pernambuco, são exemplos de que a mobilidade urbana não pode ter fronteiras e que os serviços devem ser disponibilizados respeitando as necessidades deslocamentos e não apenas os limites territoriais e administrativos entre as cidades.

Os dois municípios são separados pelo Rio São Francisco e há apenas uma ponte de acesso entre os dois.

Entretanto, o tráfego de pessoas entre as duas cidades é grande e quem utilizava transporte público sentia dificuldades.

As linhas que totalizam 140 veículos tinham sistemas de bilhetagem eletrônica separados.

Assim, os passageiros tinham de portar dois ou mais cartões para conseguirem completar suas viagens cotidianas.

Recentemente, foi implantado um sistema integrado e agora é possível pagar as passagens dos ônibus que circulam entre as duas cidades apenas com um cartão – o BIP.

Além das decisões administrativas dos dois governos estaduais e prefeituras, foi necessária uma solução tecnológica que compatibilizasse num único sistema de cartão, os dados dos dois sistemas com tarifas e regras diferentes.

A empresa que forneceu a tecnologia foi a Transdata Smart, com a bilhetagem eletrônica (TDMax) e rede de vendas (RVSmart).

Assim, as operações do sistema Mobi Petrolina e da empresa Joafra foram conectadas e a gestão de todo este processo passou a ser de responsabilidade do Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo do Vale do São Francisco – Setranvasf.

As duas empresas operam simultaneamente os sistemas urbanos e o interestadual, e transportam por mês, 1,6 milhão passageiros.

Em nota, a gestora do Setranvasf, Flavia Cavalcanti, diz que a possibilidade do uso de um cartão nos dois sistemas traz vantagens para os passageiros e também para quem compra vale-transporte para os funcionários que utilizam ônibus.

“A interoperabilidade também oferece mais facilidade aos empregadores, já que muitos trabalhadores moram em Petrolina e trabalham em Juazeiro, ou vice-versa, e precisavam de vários cartões”, disse Flavia.

O sistema de biometria facial, pelo qual fotos são retiradas dos passageiros com gratuidades ou isenções parciais tarifárias enquanto estão na região das catracas e comparadas ao cadastro dos gestores de transporte, também auxilia no combate às fraudes no uso destes benefícios nos dois sistemas.  Outra vantagem apresentada pela gestora do Setranvasf é a redução do uso o dinheiro dentro dos veículos aumentando assim a segurança e diminuindo a atratividade de assaltantes nos ônibus.

Na mesma nota, a Transdata também cita o exemplo da região metropolitana de Curitiba, onde também cidades diferentes aceitam o mesmo cartão de transporte em serviços metropolitanos de 18 empresas de ônibus, desde 2016.

A Metrocard, associação que congrega as empresas do transporte coletivo que atendem a RMC, utiliza apenas um cartão para pagar e comprar passagens em 18 empresas que operam o transporte coletivo da região. Mensalmente, as 227 linhas em operação atendem um contingente de aproximadamente 3 milhões de passageiros que utilizam o cartão Metrocard, entre pagantes e isentos.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: