Doria recua e diz que marginais Tietê e Pinheiros não serão privatizadas

Com isso, foi descartada a possibilidade de cobrança de pedágio

ADAMO BAZANI

Um dia depois de se reunir com governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, e anunciar a possibilidade de concessão das marginais dos rios Pinheiros e Tietê, inclusive não descartando a possibilidade de cobrança de pedágio, o prefeito de São Paulo João Doria voltou atrás nesta terça-feira e disse que as vias continuarão sendo de responsabilidade do poder público

“Não teremos pedagiamento na Tietê e na Pinheiros e nem mesmo concessão. As marginais continuarão a ser operadas pela CET(Companhia de Engenharia de Tráfego), pela Prefeitura de São Paulo, dentro do Programa Marginal Segura”

Sobre o encontro que reuniu representantes da CCR, concessionária de rodovias, o governador Geraldo Alckmin e a diretoria da Artes, agência dos transportes do Estado de São Paulo;  João Doria afirmou que se tratava apenas um projeto para integrar as marginais às rodovias que chegam à cidade.

“Nenhuma privatização será feita nas Marginais Tietê e Pinheiros, nem sequer está em estudo. Neste momento, não pensamos em nenhum tipo de concessão nem de PPP em relação às marginais”

As declarações sobre a possibilidade de concessão dividiram opiniões com repercussões, muitas delas negativas, nas redes sociais .

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes