Prefeito de BH promete duplicar faixas exclusivas para ônibus até 2020

Meta está em documento prévio, ainda sem previsão de orçamento, nem detalhamento de prazos, do Plano Plurianual de Ações Governamentais (PPAG), a ser apresentado em setembro

ALEXANDRE PELEGI

O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PHS), quer expandir as faixas exclusivas para ônibus na capital. O Plano de Metas e Resultados apresentado por ele nessa quinta-feira (27) prevê que até 2020 a capital mineira terá o dobro do número de faixas. Importante frisar que o sistema de faixas exclusivas permitem que apenas ônibus podem rodar no trecho, mesmo não havendo separação física das demais faixas.

A notícia ruim é que ficou de fora do Plano a expansão do Move para a avenida Amazonas, após o Ministério das Cidades cancelar os recursos já anunciados para a obra. Em agosto de 2016, após mais de um ano de incertezas, o então prefeito de BH, Marcio Lacerda (PSB), informava que a Caixa Econômica estava revalidando o contrato de financiamento para a obra. No ano anterior, também em agosto, Lacerda anunciara a suspensão das obras de expansão dizendo não haver verbas para o trecho da Av. Amazonas.

O objetivo do Expresso Amazonas é levar o Move às regiões Oeste e Barreiro de BH, num sistema semelhante ao já implantado nas avenidas Antônio Carlos, Cristiano Machado, Pedro I e no Centro, que já transportam 500 mil passageiros por dia. Mas agora, com o anúncio do cancelamento definitivo dos recursos pelo Ministério das Cidades, Kalil decidiu ampliar as faixas exclusivas. A expansão do MOVE seria no modelo corredor (BRT), onde apenas ônibus circulam em via completamente segregada do restante da avenida.

Faixas em BH

Atualmente a capital mineira conta com 55 km de pistas exclusivas ou preferenciais (onde os ônibus têm a preferência, mas veículos leves também podem circular). A previsão anunciada ontem pelo prefeito é elevar esse número em mais 54 km até 2020, portanto o dobro do atual. Entre as avenidas contempladas está justamente a Amazonas.

No entanto, ao contrário do previsto no modelo original, não haverá a construção de um corredor segregado no estilo do Move. Assim a avenida receberá faixas exclusivas para ônibus, assim como as avenidas Afonso Pena e Nossa Senhora do Carmo.

O documento apresentado ontem ainda é uma prévia. Não há previsão de orçamento, nem prazos. Ele é um rascunho do Plano Plurianual de Ações Governamentais (PPAG), a ser apresentado em setembro.

Os projetos ainda estão em fase de elaboração, definindo os locais exatos que receberão as faixas exclusivas. Estão sendo calculados também o custo de implantação. Apesar do sistema de corredores ser considerado inferior ao sistema de BRT-MOVE, os técnicos da BHTRANS defendem que os benefícios são grandes. O exemplo é o corredor da avenida Pedro II, onde a velocidade dos ônibus saltou de 15 km/h para 25 km/h após a implantação da faixa exclusiva.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes