Joint Venture da Eaton e Cummins vai começar a produzir caixas automatizadas para ônibus e caminhões no Brasil

Inicialmente, nova geração de produtos será importada

ADAMO BAZANI

Cummins e Eaton formaram uma joint venture mundial e passam a produzir uma nova geração de transmissão automatizada para ônibus e caminhões pesados e médios.

Trata-se da Eaton Cummins Tecnologias de Transmissão Automatizada. A Eaton vai receber US$ 600 milhões da Cummins por 50% de participação na joint venture.

Após lançamento produto, em 2018 os componentes deverão ser importados, mas os responsáveis pela parceria afirmam que a intenção é produzi-los no Brasil. O estado escolhido deve ser São Paulo.

Ambas as empresas dizem que acompanham o desaquecimento do mercado de ônibus e caminhões em todo o país por causa da crise econômica e restrições tributárias e de financiamento, mas acreditam em recuperação, pelo menos em parte, do que foi perdido.

A joint venture também aposta no crescimento da frota de ônibus e caminhões com caixas automatizadas que, segundo as empresas, proporcionam economia de combustível e pela troca de marchas mais suaves e no tempo adequado, pode aumentar a durabilidade das peças.

A Cummins Brasil tem unidade em Guarulhos, na Grande São Paulo, e a Eaton, as seguintes operações:

Caxias do Sul – RS

Entre as unidades da Eaton no Brasil, está a fábrica de Caxias do Sul (RS), que iniciou suas atividades em 2005 com a aquisição da Pigozzi SA e da integração da Unidade de Negócios Agrícola (TCA) da Eaton Valinhos. Com 40 mil metros quadrados construídos, a planta produz transmissões e componentes agrícolas para tratores, colheitadeiras e pulverizadores. Seu objetivo é oferecer produtos que contribuam para a evolução da mecanização do campo com tecnologias aptas a potencializar a capacidade produtiva da agricultura brasileira.

Filtração

A Divisão de Filtration combina engenharia, fabricação, suporte técnico de vendas e serviços com o objetivo de prover aos nossos clientes soluções de filtração industrial, com uma linha completa de filtros bags, filtros cartuchos, strainers, filtros hidraulicos e lubrificantes, separadores gás liquidos equipamentos para gerenciamento de fluidos , produtos especiais para alimentos e bebidas e famarceuticos.

Guaratinguetá-SP

A unidade Guaratinguetá fabrica a linha de mangueiras para aplicações hidráulicas, conjuntos montados para aplicações em ar condicionado, direção hidráulica automobilística, e também mangueiras termoplásticas para aplicações petroquímicas e químicas. Todas as peças produzidas são produtos com qualidade garantida, uma vez que a Eaton é detentora de renomadas marcas, como Aeroquip, Winner, SELL e Synflex.

Jundiaí – SP

A unidade de Jundiaí abriga duas unidades de negócios: Divisão de Sistemas Elétricos e Serviços. A Eaton divisão de sistemas elétricos, fornece uma ampla gama de componentes e painéis elétricos. Na parte de componentes fornece equipamentos para manobra e proteção de sistemas elétricos como disjuntores, fusíveis e contatores para baixa e média tensão, além de equipamentos para sinalização, comando e automação. Fabrica, projeta e comercializa painéis elétricos de baixa e média tensão desde quadros e painéis de distribuição, centro de controle de motores até Sistemas Integrados (Electrocenters). A divisão de serviços atua na área de instalação, comissionamento, operação assistida, assistência técnica, retrofiting ( revitalização de disjuntores ) e estudos elétricos.

Atuando nos principais segmentos industriais como Óleo & gás, Minerarção, Infraestrutura, Energia renovável, Data center, Missão Crítica e Concessionárias de Energia, oferece completo portfólio de produtos diretamente a usuários finais e através de distribuidores, revendas de materiais elétricos, fabricantes de máquinas e montadores painéis

Mogi Mirim – SP

Considerada uma das mais modernas fábricas de transmissões do mundo, a planta da Eaton em Mogi Mirim, inaugurada no ano 2000, conta hoje com cerca de 650 colaboradores.

A fábrica está em uma área de 200 mil metros quadrados divididos duas unidades de negócios: Componentes para Automóveis e Componentes para Caminhões médios e Ônibus.

Os produtos fabricados na fábrica Mogi Mirim estão presentes nos veículos das principais montadoras, entre elas GM e Mercedes-Benz.

São José dos Campos – SP

Em 1957 foi fundada em São José dos Campos, São Paulo, com o compromisso de acompanhar o crescimento da indústria automotiva local, transferindo tecnologia e competência reconhecidas mundialmente.

A unidade produz e comercializa toda a linha de válvulas de admissão e escape para a indústria automotiva brasileira, americana e européia. Na América Latina representa toda a linha de produtos da Divisão Automotiva do Grupo, fazendo parte deste portfolio: Atuadores de Espelho Elétrico (Mirror Actuators), Válvulas Rollover, Sensores e toda a linha de diferenciais (Torque Control Products).

A Eaton está presente nos veículos das principais montadoras e sistemistas.

Valinhos – SP

A Eaton Divisão Transmissões iniciou suas atividades nesta planta em 1996, a partir da aquisição da empresa Equipamentos Clark Ltda. (no Brasil desde 1959), e da consolidação com a transferência da fábrica da Eaton em Santo André (no Brasil desde 1960).

A unidade de Valinhos fabrica transmissões mecânicas para veículos de passageiros, picapes, caminhões leves, médios e pesados, peças de reposição para transmissões mecânicas e comercializa outros produtos como óleo para caixa de câmbio, correias automotivas para caminhões, ônibus e picapes, pneus e produtos para pneus e serviços

Votorantim – SP

A divisão Crouse-Hinds é líder mundial na fabricação de materiais elétricos para áreas classificadas e industriais, com presença nos cinco continentes e mais de 100 mil itens produzidos. Seu início no Brasil remonta aos anos 40, quando as primeiras refinarias de petróleo foram construídas no país, e em algumas delas os produtos fornecidos originalmente ainda se encontram em operação até os dias de hoje. Na unidade de Votorantim fabricamos produtos da linha BLINDA e comercializamos produtos das linhas CEAG, MEDC, CAPRI e Crouse-Hinds, de nossas outras plantas ao redor do mundo. Atuamos nos mercados de Óleo e Gas, Etanol, Mineração, Açúcar e Alcool, Farmaceutico, Papel e Celulose, Tintas e Vernizes e Grãos, onde são encontradas atmosferas explosivas de gases ou poeiras combustíveis.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

3 comentários em Joint Venture da Eaton e Cummins vai começar a produzir caixas automatizadas para ônibus e caminhões no Brasil

  1. Amigos, boa noite.

    Já pensaram esse câmbio num motorzão CUMMINS ??

    Agora vai.

    ACELERA BRASILLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLL

    Att,

    Paulo Gil

  2. Prezados,

    Eis aqui uma ,excelente parceria, porem entendo que deveriam investir tambem no *RETARDER.

    Atualmente as maiores montadoras no Brasil utilizando tecnologia de ponta já possuem um sistema de freios auxiliar hidrodinâmico (podendo alguns modelos serem eletromagnéticos) denominado *RETARDER, com acionamento através de uma pequena manete no volante com três ou mais estágios, sendo que a Voith uma das fabricantes mundiais deste equipamento os fornece no Brasil, e a maioria dos fabricantes de motores Diesel, como a Volvo, Scania, Mercedes, MAN, Iveco, Cummins já os possuem em linha de montagem.

    Este sistema é de uma tecnologia e segurança já consagrada e comprovada mundialmente, além de evitar aquele sobreaquecimento do freios e rolamentos das rodas nas longas descidas, e diminuir o seu desgaste prematuro.

    Gostaria de informar que concordo com a opinião de que é a de se liberar a pista esquerda de descida da Via Anchieta para os ônibus entre 18 e 20h é uma alternativa paliativa, e certamente não é a melhor solução.

    Estes veículos regularizados junto à ARTESP através de um código de barras semelhante aos usados na passagem do pedágio, possuiriam motoristas experientes treinados, que conheçam o trecho sinalizado que percorrem.

    Além disso, se a saída para a mobilidade é investir no transporte público, não é racional ter a descida da Via dos Imigrantes somente para os carros.

    Finalmente, a utilização dos túneis de descida da Imigrantes pelos ônibus em uma primeira fase faria com que o risco de acidentes diminuísse, e aliviaria consideravelmente o congestionamento crônico na via Anchieta.

  3. Leoni, bom dia.

    Voce colocou dois pontos muito importantes.

    1) Desde muleque custei a acreditar que o sistema dos freios dos brutos aquecem se usados continuamente numa descida ingrime a exemplo da Anchieta, ainda bem que inventaram o Retarder, na minha opiniao eqipo obrigatorio para os brutos, desconheco se ja nao e.

    Similar e que eu tambem nao acredito que ainda ocorra e o hidrovacuo de carros de passeio que se o carto desligar por qualquer pane, ficamos quase sem freios tambem e uma das posicoes do ar condicionado que se acionado, provoca sono nos ocupantes, inclluindo ai o motorista.

    Eu ja fui vitima dessa do ar cpndicionado (apesar de odiar ar condicionado), quem duvidar leia o manual do carro, eu li e nao acredito ate hoje que esta posicao do ar seja petmitido, pois que da sono eu acredito pois quase durmi por pura ignorancia e desconhecimento.

    2) Quanto ao uso da Imigrantes pelos buzoes e pelos, brutos, isso deveria ser permitido desde a inaiguracao da Imigrantes.

    Isso e um dos absurdos do Brasil, fazer o buzao e os brutos descerem a Anchieta, sem contar que esse movimento dos brutos se da pela exportacao e importacao de produtos, ligando boa parte do Brasil ao Porto de Santos.

    Mas as mentes Jurassicas nao deixam e so enchergam seu proprio umbigo, ops ” seu proprio bolso”.

    Abcs,

    Paulo Gil

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: