Empresas internacionais conhecem edital de concessão das linhas 5  Lilás do Metrô e 17 Ouro do Monotrilho

O secretário dos Transportes Metropolitanos, Clodoaldo Pelissioni, e a subsecretária estadual de Parcerias e Inovações, Karla Bertocco Trindade apresentam metrô e monotrilho a investidores internacionais – Foto: Divulgação Governo do Estado de São Paulo

Licitação foi apresentada em Bruxelas à Goldman Sachs, Arriva, Ratp, Keolis, Codatu, Dealmaker, JR East e para a brasileira CCR

ADAMO BAZANI

O Governo do Estado de São Paulo apresentou nesta terça-feira, 18 de abril de 2017, a investidores internacionais, o edital para concessão à iniciativa privada da linha 5 Lilás do Metrô e 17-Ouro do monotrilho.

A apresentação ocorreu na sede da União Internacional de Transportes Públicos – UITP, em Bruxelas, na Bélgica.

O secretário dos Transportes Metropolitanos, Clodoaldo Pelissioni, e a subsecretária estadual de Parcerias e Inovações, Karla Bertocco Trindade, a executivos de operadoras de transportes europeia Arriva, das francesas Ratp e Keolis, das agências Codatu e Dealmaker, também da França, da japonesa JR East, da brasileira CCR e da instituição financeira Goldman Sachs.

O edital já foi publicado e o leilão será no dia 4 de julho na Bovespa. O lance mínimo é R$ 189,6 milhões e a expectativa é de R$ 3 bilhões de investimentos e reinvestimento. O investidor privado, no entanto, vai investir em melhorias apenas R$ 88 milhões.

Para se ter uma ideia, os investimentos da iniciativa privada no pacote de concessões rodoviárias serão de R$ 5 bilhões.

O valor estimado do contrato é de R$ 10,8 bilhões, que corresponde à soma das receitas tarifárias de remuneração e de receitas não operacionais, como exploração comercial de espaços livres nas estações, por exemplo.

A concessão será por 20 anos.

A expansão da linha 5 Lilás do Metrô e a construção da Linha 17 Ouro do monotrilho continuam sendo bancadas pelo dinheiro público. A concessão envolve a operação.

Em nota sobre a visita, o governo do Estado diz que as duas linhas, quando completas, vão atender a 1,05 milhão de pessoas por dia.

O trecho completo da Linha 5-Lilás terá 17 estações, ao longo de 20,1 quilômetros, entre o Capão Redondo e a Chácara Klabin, incluindo dois pátios para estacionamento e manutenção de trens. Com demanda estimada em 850 mil passageiros por dia, o ramal fará interligação com as linhas 1-Azul, 2-Verde e 17-Ouro, do Metrô, a Linha 9-Esmeralda, da CPTM, e três terminais integrados de ônibus.

A Linha 17-Ouro integrará o Aeroporto de Congonhas à rede metroferroviária da capital paulista, com tecnologia de Monotrilho. Além de um pátio de manutenção e estacionamento, o trecho de 7,7 quilômetros de extensão compreenderá as seguintes estações elevadas: Congonhas, Jardim Aeroporto, Brooklin, Vila Paulista, Vereador José Diniz, Campo Belo, Vila Cordeiro, Chucri Zaidan e Morumbi. O ramal terá integração com a linha 5-Lilás, do Metrô, e a Linha 9-Esmeralda, da CPTM. A demanda diária prevista será de 200 mil usuários.

A linha 5 Lilás que, hoje liga Capão Redondo, no extremo Sul, à estação Adolfo Pinheiro, está em expansão com recursos do Governo do Estado. A administração Alckmin prevê que até julho devem ser abertas três estações da linha 5 Lilás: Alto da Boa Vista, Borba Gato e Brooklin. Em dezembro, devem ser inauguradas as estações Eucaliptos, Moema AACD-Servidor, Hospital São Paulo, Santa Cruz e Chácara Klabin. Em 2018, será entregue a estação Campo Belo.

A expansão é de 10 km com 10 estações. Hoje são 9,3 Km e 7 estações, entre Capão Redondo e Adolfo Pinheiro.

A concessão deve ser para a operação integral da linha.

A linha 17 Ouro do monotrilho deveria ter 17,7 quilômetros de extensão, com 18 estações entre Jabaquara, Aeroporto de Congonhas e região do Estádio do Morumbi ao custo de R$ 3,9 bilhões com previsão de entrega total em 2012. Em 2015, o orçamento ficou 41% mais caro somando R$ 5,5 bilhões e a previsão para a entrega de 8 estações até 2018. Em 2010, o custo do quilômetro era de R$ 177 milhões. Em 2015, o custo por quilômetro seria de R$ 310 milhões e no primeiro semestre de 2016 foi para R$ 325 milhões. O monotrilho, se ficar pronto, não deve num primeiro momento servir as regiões mais periféricas.  Assim, os trechos entre Jabaquara e a Aeroporto de Congonhas e entre depois da Marginal do Rio Pinheiros até a região do Estádio São Paulo-Morumbi, passando por Paraisópolis, estão com as obras congeladas. Com este congelamento, não haverá as conexões prometidas com a linha 4 Amarela do Metrô na futura estação São Paulo – Morumbi, e nem com estação Jabaquara e da Linha 1 Azul do Metrô e Terminal Metropolitano de Ônibus e Trólebus Jabaquara, do Corredor ABD.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

1 comentário em Empresas internacionais conhecem edital de concessão das linhas 5  Lilás do Metrô e 17 Ouro do Monotrilho

  1. Amigos, boa noite.

    Leilao ou licitacao ?????

    Essa matematica nao fecha, sera que da para explicar ???

    Qual empresa no mundo vai pagar para trabalhar ?????

    Nao esquecam da acao que a linha 4 move contra o Estado por nao ter sido concluido o que tem de ser concluido para os trens ja comprados, nao ficarem parados.

    Ou nao e licitacao, nem leilao e DOACAO para a iniciativa privada ?????

    Att,

    Paulo Gil

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: