Scania 60 anos: R$ 2,6 bilhões em investimentos, ônibus a GNV na zona Oeste de São Paulo e 100 ônibus rodoviários de 15 metros. Biarticulado da marca em Curitiba

Ônibus biarticulados da Scania terão novas configurações, como para Curitiba.

Diretor de Vendas de Ônibus, Silvio Munhoz, disse ao Diário do Transporte, que agora são os donos de empresas de ônibus que querem informações sobre veículo a gás natural

ADAMO BAZANI

Em evento comemorativo pelos 60 anos de atividades no Brasil, a Scania anunciou nesta terça-feira, 11 de abril de 2017, investimentos na planta brasileira, para a América Latina, de R$ 2,6 bilhões até 2020.

Segundo o diretor-geral da Scania no Brasil, Roberto Barral, a empresa aposta na retomada do crescimento do País, mas ainda vê com cautela a situação econômica brasileira. Desde 2015, o setor de veículos pesados tem registrado queda de vendas e produção maior do que o segmento de automóveis e comerciais leves.

“O segmento de ônibus tem registrado uma retomada. Grandes frotistas, passados três anos sem renovação significativa, já buscam a compra de novos ônibus. Para este ano, as expectativas são boas, longe obviamente do que foi nestes últimos três anos, mas nada comparado ao que era no passado” – disse ao afirmar que os investimentos também são pensados para a conjuntura em longo prazo.

Na apresentação, o diretor de assuntos institucionais e relações governamentais da Scania, Rogério Rezende, explicou que esses investimentos de R$ 2,6 bilhões serão para deixar a marca atualizada, modernizando a fábrica e a rede de concessionárias.

“Os investimentos para chamada manufatura 4.0, por exemplo, são altos, além de treinamento de colaboradores na planta e também da rede de concessionários. Nossa planta, em São Bernardo do Campo, já tem tecnologia para produção de veículos Euro 6 (padrão europeu de redução de emissões, no Brasil, as normas são baseadas ainda no padrão Euro 5).”

O Diário do Transporte cobriu o evento na planta em São Bernardo do Campo e conversou com o diretor de vendas de ônibus, Silvio Munhoz, que falou sobre novidades da marca para o setor, além de debater tecnologia limpa para a mobilidade, tendo, a capital paulista, o maior sistema de ônibus da América Latina, como uma das grandes vitrines a serem observadas por todo o País.

Silvio Munhoz
Diretor de Vendas de Ônibus da Scania, Silvio Munhoz, diz que marca acha mais viável veículos GNV para o transporte coletivo em centros urbanos brasileiros.

“Hoje a Scania entende como solução mais viável para a realidade brasileira o ônibus a gás natural. Acreditamos que economicamente e do ponto de vista ambiental é a solução com resultados melhores e mais rápidos. O ônibus hoje moderno a GNV, que já temos condições de produzir em São Bernardo, custa em torno de 25% mais em comparação com o veículo diesel. A manutenção é em torno de 2% mais cara. No entanto, todos os testes e demonstrações feitas em diversas cidades brasileiras mostram que o custo operacional é quase 30% menor que o ônibus diesel, o que faz compensar todos esses investimentos. Em dois anos, ou dois anos e meio, um veículo desse tipo paga o investimento adicional feito no início. Para chegarmos a esse valor 25% maior, é levado em consideração o modelo com configuração de piso baixo exigida, pela SPTrans. Neste caso, os tanques de fibra de carbono ficam no teto do ônibus , sendo necessário um reforço da carroceria, deixando os veículos mais caros. Na configuração de piso alto, por exemplo, para corredores com plataforma de embarque de nível, o preço é menor, já que a necessidade de reforço na carroceria não é tão grande” – disse.

Munhoz afirmou que um dos atrativos para esse ônibus é a oferta de gás natural no país. Segundo ele, após a privatização da distribuição, as empresas que atuam no segmento de GNV, para obterem remunerações tarifárias melhores, começaram a investir na rede de distribuição. Isso fez com que, segundo o executivo, o acesso ao gás natural se tornasse mais fácil e barato.

“Nós fizemos um levantamento que mostra que 90% das garagens hoje do sistema da SPTrans, na capital paulista, contam com uma rede de distribuição de gás natural passando perto. No sistema da Grande São Paulo, da EMTU, são 80%.  Hoje tem toda uma rede. Os investimentos seriam com os tubos e o compressor” – conta

Segundo Munhoz, hoje em nível mundial, a Scania atua na produção de diversos tipos de ônibus com formas de tração alternativas ao diesel, como híbrido, elétrico puro, a etanol e GNV/Biometano, mas segundo o executivo,  a montadora acredita que não é possível ainda dar no Brasil o salto direto do diesel para tecnologias que não usam nada do petróleo.

“Vemos que os gestores estão compreendendo isso. Até o ano passado, víamos a licitação dos transportes em São Paulo com preocupação, hoje, já vemos com melhores olhos. Isso porque a prefeitura indica que vai exigir a redução das emissões e não a escolha da tecnologia nos ônibus. Mas ainda há entraves legais. Por exemplo, a Lei de Mudanças Climáticas limita os veículos ao uso de combustíveis não fósseis, só que nem as operadoras, nem a população, nem a prefeitura hoje têm condições para bancar essas tecnologias. É preciso pensar no resultado, o importante é a redução dos níveis de poluição. A solução neste momento é que a matriz evolua para tecnologias menos poluentes até chegar a com baixíssimos níveis de poluição. Precisamos tornar a lei mais factível”

Silvio Munhoz também comentou sobre os ônibus a etanol da Scania, muitos apresentados em 2011, e que não emplacaram na cidade de São Paulo. Segundo ele, os custos operacionais eram três vezes maiores que os veículos a óleo diesel, mas o principal problema não foi a qualidade dos veículos e, sim, a manutenção, de acordo com o executivo.

“Chegamos a ter 50 ônibus a etanol. Hoje temos 9, mas o problema foi a baixa qualidade de manutenção feita neles. Nos dois primeiros anos, no contrato de manutenção que atuávamos nas garagens, não havia problemas. A manutenção do etanol é mais delicada e frequente que do diesel, não pode ser feita de qualquer jeito. Por exemplo, a troca de óleo lubrificante nos ônibus diesel é a cada 30 mil quilômetros. No ônibus a etanol, é a cada 10 mil quilômetros. Ocorre que após o fim do contrato, foram as prestadoras que começaram a cuidar da manutenção e aí começamos ver problemas” – conta

O executivo também defende o biometano (obtido pela decomposição do lixo) como combustível para os ônibus. O modelo a GNV pode operar com esse combustível, como ocorreu em algumas demonstrações pelo país.

Silvio Munhoz afirma que as demonstrações com o modelo a GNV ocorrem ainda por diversas cidades só que houve uma mudança…

“Antigamente a Scania tratava com os gestores públicos de transportes, agora são os donos empresas de ônibus que têm procurado a Scania para fazer testes”

Em maio, o ônibus a GNV que já rodou na capital paulista deve voltar à cidade de São Paulo e operar experimentalmente na zona Sudoeste. Desta vez, a solicitação foi de um grupo empresarial tradicional da cidade e região metropolitana.

CURITIBA VAI TER NOVO BIARTICULADO SCANIA EM TESTES:

O diretor de vendas de ônibus da Scania, Silvio Munhoz, também confirmou ao Diário do Transporte mais uma novidade: o sistema paranaense deve contar nos próximos meses com um ônibus biarticulado de 28 metros, com motor dianteiro, da marca. A empresa vai desenvolver a configuração do veículo, alterando disposição para as portas, por exemplo, seguindo o padrão da Urbs  – Urbanização de Curitiba S. A., gerenciadora do sistema da capital paranaense, caracterizada pelas estações-tubo, cujas portas devem estar alinhadas com as portas dos ônibus.

O modelo F 360 HA foi apresentado em outubro de 2015 e ainda não foi comercializado.

O sistema do Rio de Janeiro deve também contar em breve com ônibus biarticulado da Scania.

“O veículo por ser de motor dianteiro, tem rótula simples e um ar condicionado muito forte, ideal para exigências em locais onde o calor é grande, isso entretanto, com baixo consumo de combustível para o porte do ônibus” – garante

100 DE 15 METROS RODOVIÁRIOS VENDIDOS:

Se o ônibus a GNV ainda está em demonstrações, apesar de despertar interesse dos empresários, e novas configurações do biarticulado ainda são desenvolvidas, o ônibus rodoviário de 15 metros e quatro eixos da marca já garantiu um mercado significativo, mesmo sendo lançado recentemente.

Silvio Munhoz contou ao Diário do Transporte que na última, sexta-feira, 7 de abril, finalmente o chassi de 15 metros com a carroceria Marcopolo recebeu homologação.

Munhoz afirma que mais de 100 unidades desses ônibus foram vendidas para diversos estados.

“Do total de vendas, 80% são para grandes clientes, frotistas com vários ônibus e 20% para pequenos e médios frotistas. Por causa da tecnologia utilizada no motor, no sistema de câmbio e em todo o conjunto, podemos oferecer um veículo custo operacional de 8% a 15% menor em relação a ônibus do mesmo padrão. Hoje o ônibus de 14 metros para esta faixa acaba não sendo mais viável, dependendo da aplicação. Esse um metro a mais faz toda diferença” – disse Munhoz sem, no entanto, querer adiantar quais foram os compradores da marca. A produção e as entregas serão gradativas.

HISTÓRIA:

60-scania
Ônibus da Série 3, K 113 e S 113, foram um dos grandes sucessos ao longo da história da marca

A planta da Scania, em São Bernardo do Campo, tem capacidade para produzir 30 mil veículos por ano, exporta para 30 países da África, Ásia Oriente Médio, América Latina e, se necessário também atende ao mercado europeu. São 3200 funcionários.  Tudo isso começou no Brasil há 60 anos, no dia 2 de julho de 1957, quando foi constituída a Scania Vabs. Os veículos vinham desmontados da Suécia e a montagem ficava sob responsabilidade da Vemag, instalada no  bairro do Ipiranga, na zona sul de São Paulo. A mesma que fazia os DKWs. A atuação da empresa foi crescendo e em 1962 foi inaugurada a planta atual, no ABC.

Entre 1957 e 2017, foram produzidos no Brasil 340 mil caminhões e 70 mil ônibus. Para o mercado interno, deste total, foram vendidos 250 mil caminhões e 37 mil ônibus. Esta produção é marcada por diversos ícones como o ônibus B 76, com motor de 150 cavalos, na época, em 1963, muito potente, e direção hidráulica. Caminhões como a série 1, os 111, marcaram as estradas, assim como os ônibus da série 2, K112 e S 112 lançados em 1983, e a série posterior, K113 e S113., em 1990.  Algumas empresas chegaram a ter 100% da frota Scania, como a Viação Cometa, na administração do major Tito Mascioli, com os famosos ônibus parecidos com os norte-americanos, incialmente chamados de Dinossauros (carroceria Ciferal) e depois Flecha Azul (carroceria CMA, feita pela própria Cometa).

A Scania disponibilizou uma linha do tempo para relembrar das principais datas e feitos da marca ao longo dos 60 anos no Brasil:

1957

Em 2 de julho de 1957 é constituída a Scania-Vabis do Brasil S. A. Os veículos vinham desmontados da Suécia, e a montagem ficou sob responsabilidade da Vemag, que comercializada os veículos da marca em São Paulo.

1958

É montado o primeiro Scania de fabricação nacional, um modelo L 75. O veículo atendia rigorosamente às exigências do governo, de 35% de nacionalização.

1959

A Scania inaugura sua fábrica de motores, no bairro do Ipiranga, em São Paulo (SP), no dia 29 de maio de 1959.

1960

A Scania passa a produzir integralmente seus caminhões e ônibus, em junho de 1960, nas instalações do Ipiranga.  Antes, alguns componentes eram importados e montados pela Vemag.

Cabe à concessionária gaúcha Brasdiesel receber os três primeiros caminhões produzidos diretamente pela Scania no Brasil. As três primeiras notas fiscais são de 15 de junho de 1960.


1962

É inaugurada, em 8 de dezembro, a fábrica da Scania em São Bernardo (SP), pólo da industrialização nacional. A fábrica do ABC paulista foi a primeira unidade industrial para a produção de caminhões, ônibus e motores da Scania fora da Suécia.

1963

A montadora sai na frente com mais dois lançamentos: o caminhão L 76 e o ônibus B 76, com um novo motor de 195 HP e direção hidráulica.

1965

Com oito anos de Brasil, a Scania cruza pela primeira vez a fronteira brasileira: um caminhão L 76 é exportado para o Uruguai.

1966

A Scania lança seu primeiro motor marítimo nacional no V Salão do Automóvel.

 

1969

Da fábrica da Scania em São Bernardo do Campo, sai a primeira exportação de componentes de caminhão para a Suécia: um lote de 200 bombas de óleo inteiramente nacionais segue para ser montado nos caminhões Scania suecos. O embarque é feito em Santos.

1970

Nasce o caminhão Scania Super, com 42% mais torque e 41% mais potência que os modelos anteriores.

1971

Os veículos Scania recebem avanços tecnológicos, principalmente no sistema de freios, e têm a denominação alterada: de L 76 para L 110; de LS 76 para LS 110; de LT 76 para LT 110; e de B 76 para B 110. Surge aquela que seria conhecida como Série 0.

1972

O principal produto da Scania, o Scania Super, passa a ser chamado de “O caminhão da integração nacional”. A Scania elege São Marcos como a cidade mundial Scania devido à quantidade de caminhões da marca por habitante.

1974

No Salão do Automóvel, em São Paulo, a Scania apresenta o modelo LK 140 e inaugura, no Brasil, o conceito de cabina avançada, logo batizada de “cara chata”.

1976

Chegam os caminhões L, LS e LT 111, da Série 1. O último e mais bem sucedido capítulo de uma era que durou mais de 20 anos, os chamados “jacarés”. Do precursor L 75, seguido pelo L76 e depois pelo L 110, os caminhões Scania de cor laranja e aparência extremamente robusta povoaram as estradas. Até hoje é possível vê-los trabalhando em perfeitas condições, o que comprova a robustez característica da marca Scania.

1976

Lançamento do primeiro articulado do país (B111 RS).

1978

É fundada em São Paulo, no dia 8 de agosto, a Associação Brasileira dos Concessionários Scania S/C (Assobrasc).

 

1981

Abril: sai o último L produzido no Brasil.

Julho: O último LK

Novembro: Chega a Série 2. Apenas seis meses após o lançamento na Europa, o Brasil conhece a linha R, cabina avançada ou “cara chata” com duas versões de motores de 305 e 388 cavalos.  No mesmo ano, a Scania apresenta a linha T, de cabina com capô, nas versões simples ou leitos e diversos opcionais. Mais cores passam a estar disponíveis além do tradicional laranja: azul, amarelo, vermelho e páprica.

Com a linha T, é lançado o conceito de fabricação de caminhão “sob encomenda”, já com o objetivo de oferecer produtos que atendessem perfeitamente às necessidades das operações de transporte dos clientes.

1982

Scania lança o primeiro consórcio brasileiro de caminhões pesados, o Consórcio Nacional Scania, em 20 de maio.

1983

O Intercooler chega ao Brasil. O equipamento adicional para motores turboalimentados opera pelo resfriamento do ar de admissão. Com isso, os caminhões T 112 ganharam mais potência e torque com o mesmo RPM, o que resulta em mais economia durante a operação, significativa redução da necessidade de troca de marchas. Além disso, o Intercooler possibilitou velocidades médias maiores e consequente maior número de viagens/mês e aumentou a vida útil do motor.
No mês de junho, ocorre o lançamento dos ônibus K 112 e S 112. A Série 2 chega aos ônibus Scania, substituindo os modelos da linha B e BR.
O veículo número 50 mil é produzido pela Scania Brasil no dia 18 de outubro. Trata-se de um caminhão T 112.

1984
É lançado o T 112 E 6×4 a álcool, destinado exclusivamente ao mercado canavieiro, com capacidade para levar até 80 toneladas na então recente composição treminhão.

1986

A Scania entrega as primeiras unidades do K 112 T, para uso rodoviário, equipado com 3º eixo original de fábrica. A primeira unidade foi adquirida pela empresa Sulamericana e entra em operação da linha Curitiba – Cascavel.

 

1987

Ao completar 30 anos de Brasil, a Scania celebra a data destacando a evolução tecnológica da sua linha. Não tinha como não comparar o pioneiro L 65, conhecido como vovô, à sua linha de caminhões pesados mais moderna, a Super Advance, lançada em fevereiro. O destaque é o novo motor DSC 14-07, de 400 cv de potência.

1988

Chega o ônibus F 112 HL, destinado ao transporte de passageiros em condições severas, por isso mesmo chamado de “Jungle Bus”

Ônibus urbano de 2 andares montados no chassi K 112 Cl da Scania. Uma nova opção para o transporte urbano, batizado de Fofão, que rodou pela capital paulista.

1989

Em outubro, o veículo mundial de número 600 mil sai da fábrica de São Bernardo, um caminhão T 112 HW 360, doado à Legião da Boa Vontade.

Lançamento do T 112 HK 6×6 em setembro, com tração nos 3 eixos, especialmente voltado para operações fora de estrada e com capacidade para 80 toneladas.

1990

É lançada a nova linha de chassis para ônibus: a Série 3, com os modelos K 113 e S 113.

A Série 3 foi o lançamento brasileiro que marcou o ano de 1990. Era formada pelos chassis K e KT, S e SAL (articulado). Precedeu, em pouco tempo, o lançamento do chassi L113, próprio para os segmentos urbano e de fretamento. O motor era traseiro.

1991

A série especial “Jubileum” marca a comemoração do centenário mundial da fundação da Scania.

É lançada a Série 3. Com novos motores, uma nova caixa de mudanças e mais um amplo conjunto de inovações tecnológicas. São os caminhões da Linha 113/143, que têm potências de até 450 cv, a maior do mercado à época. Os novos veículos são os caminhões T e R 113 e 143 H e E, nas configurações 4×2, 6×4 e T 113 HK 6×6.

Os caminhões possuem mais torque e mais potência máxima, ao mesmo tempo em que os índices de emissões e consumo de combustível foram diminuídos. Novas cores: branco, vermelho, verde e vinho. E novas faixas decorativas.

1993

Sai da linha de montagem, em 26 de março, o caminhão número 100 mil produzido no Brasil, um R 113 H 360.

É lançada a cabine Topline em outubro. É o topo no conforto, 22,5 cm mais alta que a cabine convencional.

 

1994

A Scania Brasil, em conjunto com sua rede de concessionárias, introduz o “Acordo de Manutenção”, um conceito de prestação de serviços baseado nas manutenções programadas.

1995

Nasce o “Scania Plus 24”, serviço de emergência à disposição dos clientes Scania 24 horas por dia durante o ano inteiro, hoje batizado de “Scania Assistance”.

Em outubro, é apresentado um novo caminhão: o P 93, com motor de 9 litros, caixa de 8 velocidades e 252 cavalos de potência. Uma nova opção para até 33 toneladas.

1997

A Scania é a primeira montadora na América Latina a receber o certificado ISO 14001.

1998

Em fevereiro, é iniciada a produção de caminhões da Série 4, dois anos após serem lançados na Europa. A Série 4 traz novidades como o Scania Retarder, sistema de freios auxiliares que oferece mais segurança, conforto, melhor desempenho na condução e mais durabilidade dos freios convencionais.

O sistema de produção mudou também: agora, existe o Sistema de Produção Modular Scania reúne um número limitado de componentes para criar uma infinidade de combinações.

Em maio, são lançados os ônibus Série 4, com destaque para os veículos urbanos com piso baixo e sistema de ajoelhamento que facilita o embarque e desembarque de passageiros.

1999

A Scania traz para o Brasil, em agosto, a nova opção de caminhões 8×4, para atender principalmente aos mercados de construção civil e mineração.

Diversas prefeituras brasileiras colocam em operação o ônibus P 94 UB, o primeiro do país com piso baixo. A pioneira foi a cidade de Sorocaba, depois São Paulo e Belo Horizonte. Esses ônibus possuem recurso de ‘ajoelhamento’, que proporciona redução de 37 para 28 cm, melhorando o acesso dos passageiros.

2000

Com a chegada do novo milênio, a Scania lança a série especial “Millenium”, com mil unidades.

Nasce o Contrato de Reparo e Manutenção (R&M), como parte da solução completa para o transporte. Com o R&M o cliente paga mensalmente direto para a Scania um valor fixo por quilômetro rodado. O preço varia conforme as condições de operação e a rota dos caminhões.

2001

Em maio, é lançado o ônibus de 15 metros: L 94 IB 6×2*4 NB. É o primeiro do gênero no país, uma alternativa aos ônibus articulados nos corredores e nas grandes vias. Com mais capacidade de passageiros (100), ele tinha o terceiro eixo direcional, o que facilita as manobras.
Em agosto, a Scania lança o Opticruise, primeira caixa de câmbio automatizada para caminhões.
Também em agosto, A Série Horizontes de caminhões traz de volta às estradas brasileiras a típica cor laranja, que celebrizou os jacarés modelo L dos anos 60, 70 e 80.
A Scania apresenta a série especial “Rei da Estrada”, com o retorno do motor V8, agora com 480 cavalos e injeção eletrônica, à época o mais potente do país.

2002

Scania cria, em junho, o programa “SuperZerado”, para comercialização de veículos seminovos e usados.

Em julho, é comemorado o aniversário de 45 anos da Scania no Brasil. É realizada uma caravana histórica entre São Bernardo do Campo (SP) e Caxias do Sul (RS). São cinco dias de viagem com caminhões de todas as séries deixam seu local de nascimento rumo à Brasdiesel, a primeira revenda da marca no Brasil, e retornam pelo mesmo caminho.

2003

O Projeto Ponto a Ponto leva, de fevereiro a abril, toda a linha de ônibus da Scania a 24 cidades do Brasil.

2004

Em abril, a Scania lança a nova linha de caminhões Evolução, ou simplesmente EV, que traz motorização eletrônica de 400 cavalos e o maior torque da categoria. A comparação com modelos anteriores demonstra o crescimento tecnológico da Scania.
No dia 22 de outubro, o primeiro caminhão Scania com motor mundial de 9 litros sai da linha de montagem em São Bernardo do Campo (SP).
Quinta Roda, de Sumaré (SP), é a primeira concessionária Scania da América Latina a receber a certificação DOS, ou Compromisso de Excelência Scania, que garante a mesma qualidade de atendimento em todas as concessionárias da marca.
Em novembro, é fabricado o caminhão Scania número 150 mil do Brasil.

2005

A Scania realiza a competição “Melhor Motorista de Caminhão do Brasil”, voltada para a segurança nas estradas e à valorização do motorista de caminhão. Mais de 10 mil condutores participam da ação. Quem venceu a primeira edição da competição no país foi o catarinense Marcos Antonio Simioni.

Em outubro, na Fenatran, é apresentada a linha completa da linha Evolução, todos eletrônicos. A família torna-se a mais completa da história da Scania no Brasil, com potências de 230, 270, 310, 340, 380, 420 e 480 cavalos. Caracteriza-se pela injeção de combustível totalmente eletrônica, elevado torque e baixo consumo.

2007

A Scania comemora 50 anos de sua chegada oficial ao Brasil. Como parte das comemorações, é lançada a serie especial Silver Line, limitada a 400 unidades.
As Séries P, G e R chegam ao Brasil com diversos recursos tecnológicos que oferecem conforto e segurança ao motorista e redução de custos operacionais ao transportador. O lançamento acontece em outubro de 2007 e apresenta ao mercado brasileiro duas novas cabines: G e Highline, a mais alta do mercado. Os novos modelos apresentam uma cara nova, mas são inconfundivelmente Scania. Os contornos familiares, como a grade frontal,são mantidos, embora realçados para valorizar ainda mais a identidade. A gama de opções é bem maior do que a Série 4. É a expansão do Sistema Modular da Scania para uma oferta de modelos em quantidade jamais vista. O range de potências é de 230, 270, 310, 380, 420, 470 e 500 cavalos.

2008

É realizada a segunda edição da competição “Melhor Motorista de Caminhão do Brasil”, com mais de 20 mil condutores inscritos, o dobro da primeira versão. O campeão revelado foi Roberto Octaviani, o Minhoca.
Chegam os chassis de ônibus da Série K, com veículos ideais para aplicações urbanas e rodoviárias. A linha prioriza, além dos conceitos de conforto e segurança, aspectos que contribuem para uma condução segura e econômica, custos operacionais reduzidos e baixa manutenção. Os chassis reúnem todas as vantagens proporcionadas pela tecnologia automotiva, com destaque para o Controle Eletrônico de Nível/ELC, sistema que controla a suspensão a ar e ajusta o nível do chassi, compensando as irregularidades do terreno. As potências variam de 270 a 420 hp.

 

2009

Scania tem metade de sua Rede certificada pelo Compromisso de Excelência Scania, ou DOS.
Scania retoma a comercialização de chassis para ônibus com motor dianteiro. É o retorno da Série F em novo formato e com mais recursos tecnológicos.
A Scania aumenta a sua família de caminhões e lança a cabine R, intermediária entre a G e a Highline. O conforto se destaca entre as características.

2010

Acontece a terceira edição da competição Melhor Motorista de Caminhão do Brasil. O campeão, desta vez, é o baiano Fernando Pitanga.

Marca lança o Scania Driver Support, um sistema de sensores que visa, por meio do monitoramento da condução e de alertas ao motorista no painel, auxiliar o melhor desempenho do veículo, a redução do consumo de combustível e de emissão de gases poluentes.

2011

Scania entrega primeiro lote de 50 ônibus movidos a etanol para a cidade de São Paulo. Os veículos, modelo K 270 4×2, são capazes de reduzir a emissão de CO2 em até 90%.
Marca lança modelo P 270, único caminhão movido 100% a etanol do Brasil.
Scania apresenta sua nova plataforma mundial de motores em outubro, na Fenatran, já adaptados para atenderem todas as normas mundiais de emissão de poluentes. Aqui no Brasil, a nova norma Proconve P7, equivalente à legislação Euro 5, passa a vigorar em janeiro de 2012.

Elevação ao patamar premium nos semipesados com o P 310 euro 5, inovador ao trazer tração 8×2, cabine leito e suspensão pneumática.

Scania lança o R 620 V8, o caminhão mais potente do Brasil, com 620 cavalos. Está disponível também na cabine Highline.
2012

Scania é a primeira fabricante a vender produtos Euro 5 no mercado brasileiro.

4ª edição do MMCB registra 47 mil inscrições, recorde nacional e mundial da competição.

Em julho, a marca comemora 55 anos de atuação no Brasil.

Lançamento da edição especial R 440 55 anos, com todo o lote vendido.

2013

Scania apresenta ao mercado um novo conceito de solução de transporte, o Streamline. Disponível para as cabines rodoviárias já existentes G, R e R Highline proporciona tudo o que a marca pode entregar em termos de economia de combustível, disponibilidade e rentabilidade. Os caminhões podem chegar a até 4% de redução de consumo em relação a similares Euro 5 e de até 15% em comparação à linha Euro 3.

Scania registra o maior volume de emplacamentos de sua história, num mesmo ano, com 20.824 unidades (sendo 19.698 caminhões e 1.126 chassis de ônibus).

R 440 se torna o veículo com o maior número de emplacamentos da indústria e dos pesados com 10.508 unidades.

2014

Na quinta edição da competição do Melhor Motorista de Caminhão do Brasil registra 65 mil inscrições, superando o recorde da edição anterior. O campeão foi o gaúcho Vinicius de Moraes.

O modelo 620 da Linha V8 – o mais potente dentro os fabricados no Brasil, começa a fazer parte do financiamento via Finame.

2015

Scania lança o ônibus biarticulado F 360 HA, o primeiro com motor dianteiro. Ele representa um incentivo ao transporte coletivo e à harmonia entre os modelos atuais, na busca de soluções para os desafios urbanos modernos e a redução de emissões. Com 28 metros pode transportar 270 passageiros.

Lançamento do cavalo mecânico com configuração de rodas 8×2, uma nova solução para o segmento de caminhões rodoviários.

Lançamento da Griffin Edition, edição especial limitada e inspirada no símbolo da empresa, o grifo.

2016

A competição do Melhor Motorista de Caminhão mudou de nome, passando a ser chamado de SDC – Scania Driver Competitions, e oferecendo um caminhão de prêmio principal. Nesta edição, foi realizada a primeira final com países da América Latina – Argentina, Brasil, Chile e Peru. O baiano Luis Carlos dos Santos vence e leva pra casa um R 440 zero km.

Scania vende para a Clariant os primeiros caminhões a etanol da América Latina.

Lançamento do primeiro ônibus nacional abastecido a biometano e GNV.

Apresentação dos Serviços Conectados Scania, uma solução que ultrapassa a barreira da telemetria e otimiza ainda mais os negócios dos nossos clientes.

Implementação do processo global de serviços da Scania na rede de concessionárias, com o objetivo de ser finalizado até o fim de 2017. Com ele, entre outros benefícios, a redução do veículo parado na oficina será de até 75%.

2017

Janeiro: início da comercialização dos Serviços Conectados Scania

Março: Lançamento da Edição Especial comemorativa de 60 anos, que homenageia o lendário T113 com os modelos R 440 e R 480.

Scania fará 60 anos de Brasil no dia 2 de julho

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes