“Fiscais ocultos” também verificam fraude no Bilhete Único, diz SPTrans

Agentes são funcionários da própria SPTrans

ADAMO BAZANI

Desde esta segunda-feira, 27 de março de 2017, circulam nos ônibus municipais da capital paulista “fiscais ocultos”, disfarçados de passageiros, para verificarem a qualidade dos serviços, atendimento aos passageiros e cumprimento de horários.

A medida foi anunciada pelo secretário municipal de Transportes e Mobilidade, Sérgio Avelleda na semana passada, e confirmada pelo prefeito João Doria ontem.

Em resposta ao Diário do Transporte, sobre a atuação destes profissionais, a SPTrans – São Paulo Transporte, informou que os agentes são funcionários da própria gerenciadora. Além de verificarem as condições dos veículos e o modo de condução dos motoristas, os funcionários também tentam identificar possíveis fraudes no uso do Bilhete Único.

Na nota, a gerenciadora não informou, entretanto, o número de fiscais que atuam desta maneira e o custo da atuação destes funcionários.

Confira na íntegra:

A SPTrans informa que o trabalho de fiscalização nos ônibus do sistema municipal de transportes é feito diariamente em caráter interrupto e dinâmico, 24 horas por dia em todo o município.

 Todos os agentes “fiscais ocultos” são funcionários da SPTrans que realizam viagens no interior dos coletivos, sem identificação, com o objetivo de observar o modo de condução do motorista, condições dos veículos e da limpeza deles, além de identificar se ocorre fraude no uso do Bilhete Único e qual é o tratamento dispensado aos usuários. 

A participação do usuário do sistema de transportes é de grande importância para melhorar a identificar linhas ou regiões nas quais é preciso intensificar essa fiscalização.  

Os passageiros podem registrar reclamações e sugestões na central 156 ou no site www.sptrans.com.br/SAC. As informações recebidas por esses canais são utilizadas para definir locais de atuação das equipes de campo da SPTrans. Por esse motivo, é necessário informar o local, linha, prefixo do veículo ou placa e horário em que houve alguma irregularidade.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes