Ônibus de São Paulo, do ABC e Metrô estão parados no início desta quarta-feira

Funcionários dos transportes aderem a dia de manifestações contra a reforma da Previdência

ADAMO BAZANI

Passageiros de transportes coletivos na capital paulista, na região do ABC e em parte da Grande São Paulo estão tendo dificuldades para se deslocar no início desta quarta-feira, 15 de março de 2017.

Motoristas e cobradores de ônibus, em especial das empresas do sistema estrutural da capital paulista, que reúne as viações com linhas maiores, aderiram ao dia nacional de manifestações contra a reforma da previdência.

De acordo com o Sindmotoristas, os ônibus não devem sair das garagens em sua totalidade até às 8h da manhã. Terminais de ônibus ainda sequer foram abertos.

O metrô na capital paulista também não funciona plenamente. A exceção é a linha 4-Amarela, que é privada. As estações das linhas estaduais estão fechadas. Os trens da CPTM funcionam normalmente. De acordo com a companhia, haverá reforço dos serviços.

Em nota, a SPTrans informa que o sindicato teve uma determinação judicial para colocar todos os ônibus em circulação e que não cumpriu:

Mesmo com a decisão da Justiça, que determinou que 100% da frota deônibus operasse na cidade nesta quarta-feira, 15/3, o Sindicato dos Motoristas descumpriu essa ordem e  resolveu paralisar parte  do serviço nesta manhã.

A SPTrans lamenta a decisão, que  prejudica  milhões de usuários.

Para minimizar os transtornos, a Secretaria de Mobilidade e Transportes adotou uma série de medidas:

-Rodízio Municipal de Veículos está suspenso durante todo o dia para os carros. Restrições a caminhões continuam valendo normalmente;

– Corredores exclusivos de ônibus serão liberados para a circulação de táxis, com ou sem passageiro, e ônibus fretados durante todo o dia;

– Faixas exclusivas de ônibus serão liberadas para carros até as 12h;

– Estacionamento em vagas de Zona Azul está liberado durante todo o dia;

– A circulação de carros será totalmente liberada no Viaduto Plínio de Queiroz durante todo o dia;

Vale lembrar que o TRT (Tribunal Regional do Trabalho) concedeu liminar que obriga o Sindicato a manter frota de 100%, sob pena de multa de R$ 300 mil.

Em outra decisão, a 13ª Vara da Fazenda Pública obriga a manutenção de, no mínimo, 70% da frota circulando. A multa, em caso de descumprimento, é de R$ 5 milhões por hora.

Também em nota, o metrô afirma que lamenta o descumprimento da decisão judicial por parte do Sindicato dos metroviários

O Metrô lamenta a decisão tomada pela categoria que decidiu por uma greve política, que irá prejudicar mais de 4 milhões de usuários. A Companhia irá adotar as medidas necessárias para minimizar os transtornos à população, acionando seu plano de contingência.

Embora o TRT (Tribunal Regional do Trabalho) tenha concedido liminar que obriga o Sindicato a manter efetivo de 100% nos horários de pico (das 6h às 9h e das 16h às 19h) e 70% nos demais horários, sob pena de aplicação de multa de R$ 100 mil por dia, a entidade manteve a decisão pela paralisação.

A Companhia informa que a ausência e/ou abandono do posto de trabalho nesta quarta-feira implicará em desconto das horas e do DSR (Descanso Semanal Remunerado).

Em nota, a CPTM informa quais as principais medidas para atender parte da demanda dos ônibus e do Metrô:

Devido à paralisação parcial do Metrô, a CPTM adotou uma série de medidas para atender ao possível aumento da demanda:
– O horário de pico, no período da manhã (das 5h às 8h), será estendido em todas as linhas até que a demanda de usuários seja reduzida. A mesma estratégia será adotada no pico da tarde, das 17h às 20h, caso os metroviários não retomem suas atividades durante o dia.

– A estação Corinthians – Itaquera, da Linha 11 Coral permanecerá fechada para embarque e desembarque e será restabelecida ao sistema após verificação da capacidade de atendimento da oferta e demanda na Linha.
– A operação da Linha 7-Rubi (Luz – Francisco Morato) foi estendida até a Estação Brás.

– As transferências para o Metrô nas estações Palmeiras-Barra Funda, Tamanduateí, Tatuapé, Brás, Santo Amaro e Luz estão fechadas
– Foi reforçado o contingente de segurança nas estações.

– Para evitar o acúmulo nas plataformas, está sendo adotado o controle de fluxo de usuários nas estações mais movimentadas.
– A CPTM fixou cartazes com orientações na entrada das estações de transferência entre CPTM e Metrô. Também serão emitidos AP (avisos públicos) nos trens e estações.

No ABC Paulista, também não há circulação de ônibus normalmente.

Algumas empresas até colocaram os veículos em circulação, mas os serviços em geral ainda são prejudicados.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

4 comentários em Ônibus de São Paulo, do ABC e Metrô estão parados no início desta quarta-feira

  1. Melhor perder um dia de serviço do que perder o direito a aposentadoria, malditos governantes sangues sugas!!

  2. Creuza Rosa Santos // 15 de março de 2017 às 06:52 // Responder

    Esta é a forma passiva, que nós brasileiros, encontramos para revolucionar, dizer não contra o descomprimento dá constituição e retirada dos nossos direitos duramente conquiatados.

  3. Tem que dura pelomenos o dia todos pra eles saber que pobre também e gente ele não mexe com os ricao só com pobre. Então o pobre quem tem que fazer valer seus direitos bom dia

  4. Odirdelgadodasilva // 15 de março de 2017 às 07:16 // Responder

    Com isso tomar que Michel abra os olhos para verdade tem q ser a sim

1 Trackback / Pingback

  1. Metro Greve – Veja em destaque

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: