Prefeitura de Santo André vai fazer nova contratação emergencial para Vila Luzita

De acordo com administração, licitação definitiva vai exigir melhorias no pavimento do corredor e no terminal

ADAMO BAZANI

O sistema de ônibus municipais de Vila Luzita em Santo André terá uma nova contratação emergencial antes da realização de uma licitação definitiva.

A informação foi confirmada pela SATrans – Santo André Transporte, gestora do sistema, ao Diário do Transporte na manhã desta segunda-feira, 06 de março de 2017.

O contrato emergencial de 180 dias com a empresa Suzantur, assinado em 07 de outubro do ano passado, vence agora no dia 8 de abril.

Uma proposta de licitação foi apresentada pela gestão passada em dezembro, mas havia dúvidas em relação à remuneração das empresas de ônibus, dimensionamento da demanda e exigências em relação à frota. Relembre: https://diariodotransporte.com.br/2016/12/08/santo-andre-lanca-proposta-de-licitacao-para-onibus-da-vila-luzita/

De acordo com nota da SATrans ao Diário do Transporte, não haverá renovação com a Suzantur e o edital da licitação definitiva vai exigir por parte da concessionária reformas estruturais no sistema.

“Em relação ao encerramento do contrato emergencial com a Suzantur, a SATrans esclarece que publicará nova concorrência emergencial, por conta da necessidade de se efetivar os estudos de mobilidade para a região da Vila Luzita e avaliação das necessidades e melhorias do Terminal da Vila Luzita.

O novo edital exigrá, entre algumas medidas, recapeamento de vias e requalificação viária da avenida Capitão Mário Toledo de Camargo e a análise das necessidades do Terminal da Vila Luzita.”

Não há impedimentos, entretanto, para a Suzantur participar da nova concorrência emergencial e da licitação definitiva.

O sistema de Vila Luzita tem 15 linhas e responde pela maior demanda individual geográfica da cidade por 20 anos. A cidade tem uma média mensal em todo o sistema de 4,82 milhões de passageiros. Somente o sistema tronco-alimentado reúne 1,086 milhão de passageiros por mês, sendo que destes, 792,3 mil são pagantes.

HISTÓRICO:

A necessidade do contrato emergencial surgiu depois da decretação de falência da antiga empresa do bairro.

A Expresso Guarará, da família Passarelli, operava o sistema Vila Luzita desde o ano 2000. Após a morte do fundador Sebastião Passarelli, em outubro de 2014, a companhia passou a enfrentar dificuldades financeiras. No dia 20 de setembro de 2016, a Guarará informou à prefeitura de Santo André a autofalência e que pararia a operação em 30 de setembro. A prefeitura então pediu que a empresa mantivesse os serviços até o dia 8 de outubro de 2016 No dia 27 de setembro de 2016, a Guarará comunicou que encerraria as atividades no dia 7 de outubro de 2016 . A prefeitura de Santo André fez uma licitação de contrato emergencial.

A única empresa que ofereceu proposta foi a Suzantur, que opera emergencialmente em São Carlos, no interior de São Paulo, e detém 100% dos transportes em Mauá, na Grande São Paulo, onde também entrou por contrato emergencial.

Claudinei Brogliato, sócio da Suzantur, foi contratado como consultor da Expresso Guarará e ficou no cargo entre novembro de 2015 e abril de 2016.

Antes mesmo do lançamento da licitação, a Suzantur já tinha sete ônibus com portas à esquerda e embarque por plataforma do sistema de Vila Luzita, o único deste tipo na cidade e que até então nunca foi operado pela empresa. O fato gerou desconfiança para um possível direcionamento

Claudinei Brogliato disse, no entanto, na época que esses ônibus foram encomendados ainda quando ele estava na gestão da Guarará e que seriam alugados para família de Passarelli.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes