Sistema de transportes do Distrito Federal deve ter biometria facial até o final do ano

Custos serão bancados pelas empresas

ADAMO BAZANI

Até o final do ano, os ônibus do Distrito Federal devem ter um sistema de biometria facial para evitar fraudes no uso das gratuidades que provocam prejuízos às empresas e aos passageiros pagantes.

A previsão é da DFTrans, que gerencia os serviços na região.

Câmeras serão instaladas nas regiões das catracas dos ônibus e vão tirar fotos dos passageiros.

As imagens posteriormente serão comparadas com banco de dados da bilhetagem eletrônica da gerenciadora. Caso haja incompatibilidade, o dono do cartão será chamado e se constatada fraude, o bilhete será cancelado.

Ainda de acordo com a DFTrans, o custo da implantação do sistema será bancado pelas empresas de ônibus.

Técnicos da secretaria dos transportes foram ao sistema do Rio de Janeiro, acompanharam as operações das máquinas por três meses e constataram que 30% dos passageiros que usavam gratuidades, na verdade não tinham direito ao benefício.

De acordo com a DFTrans, 30% dos passageiros no Distrito Federal não pagam tarifa. São estudantes, idosos e pessoas que portam algum tipo de deficiência. Por ano, o Governo do Distrito Federal paga em torno de R$ 300 milhões de subsídios às empresas para cobrir estas gratuidades, que são também levadas em conta na tarifa.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes