Doria chama Bilhete Único de “valiosíssimo” e deve criar fundo com dinheiro de privatizações para obras

Bilhete Único é atrativo para financeiras, diz Doria. Foto: Agestado

Em busca de investidores, prefeito, no Qatar, destacou que Bilhete Único tem cerca de 15 milhões de cartões emitidos

ADAMO BAZANI

O prefeito de São Paulo, João Doria, disse nesta quarta-feira, em Doha, capital do Qatar, que o Bilhete Único de São Paulo possui um valor inestimável. Doria busca na iniciativa privada recursos para o poder público. Entre os 55 equipamentos ou serviços que devem ser privatizados, está o Bilhete Único.

O prefeito destacou que são 15 milhões de cartões emitidos e que os dados são valiosos e estratégicos.

“O banco de dados tem um atrativo muito grande para qualquer instituição financeira, seguradora, rede de varejo. É valiosíssimo”

Com a privatização do Bilhete Único, a prefeitura estima se livrar de um custo anual de R$ 430 milhões de operação do sistema.

A empresa que assumir o Bilhete Único pode transformá-lo também num cartão multifuncional, como para crédito, débito, transações financeiras e vale-refeição.

Com o dinheiro das privatizações, o prefeito João Doria deve criar um fundo destinado a novas obras. O projeto deve ser enviado de forma genérica, em março, para a Câmara Municipal.

Os recursos obtidos com as vendas e concessões não irão para o caixa comum da prefeitura, ou seja, não pagariam salários, aquisição de bens e manutenção de equipamentos.

O dinheiro poderá ser usado para construção de hospitais, escolas, moradias populares e corredores de ônibus.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes