Prefeitura de Guarulhos consegue na justiça decisão para aumentar tarifa de ônibus

Reajuste para R$ 4,15 deve ser aplicado nos próximos dias

ADAMO BAZANI

A prefeitura de Guarulhos, na grande São Paulo, conseguiu reverter decisão judicial contra o reajuste de R$ 3,80 para R$ 4,15, que deveria ter sido aplicado no último dia 20 de janeiro.

Na ação, o poder público argumentou que sem o reajuste, os subsídios para o sistema poderiam chegar a R$ 92,3 milhões. Com o aumento, seria em torno de R$ 62,3 milhões neste ano. Caso não houvesse subsídios, a tarifa hoje, de acordo com os custos do sistema, seria de R$ 5.

A prefeitura ainda não informou quando deve ser aplicado o reajuste.

IMBRÓGLIO E PREOCUPAÇÃO COM A MÍDIA:

O reajuste da tarifa de ônibus em Guarulhos é marcado por um verdadeiro imbróglio e uma grande preocupação das empresas com a mídia.

A cidade seria uma das primeiras da Grande São Paulo a ter reajuste, que chegaria a quase 20%, mas o prefeito Gustavo Henric Costa acabou o revertendo a decisão do seu antecessor Sebastião Almeida e Cancelou  o reajuste.

A pressa das empresas de ônibus e do prefeito anterior resultou em quase dois meses de imbróglio. Nas primeiras notícias sobre o reajuste, as companhias pareciam estar mais preocupadas como os jornalistas noticiavam o aumento do que informar à população nos seus coletivos e terminais.

Foi determinado pelo ex-prefeito Sebastião Almeida aumento de quase 20% em prol das empresas de ônibus que elevaria a tarifa de R$ 3,80 para R$ 4,50 ou R$ 4,20 apenas para quem embarca com Cartão Cidadão a partir de 29.12.16, mas as viações tiveram de suspender por cinco dias por determinação da Justiça porque não comunicaram os passageiros de maneira eficiente e com antecedência suficiente para o cidadão se programar.  As empresas entraram constantemente em contato com jornalistas para reclamar de matérias, mas não fizeram avisos aos seus clientes.  Em 30.12.2016, a Justiça teve outra decisão e suspendeu o aumento até decisão da Ação Popular contra o reajuste. No dia 01.01.17, o novo prefeito Gustavo Henric Costa, Guti, cancelou o decreto do prefeito anterior, Sebastião Almeida que concedeu às empresas reajuste de 18,4% em 11 meses, ou seja, seria o segundo aumento em menos de um ano, embora que as empresas não gostaram que os jornalistas noticiassem este fato. Apesar do cancelamento, as empresas também não gostaram do termo “cancelar”, o que ocorreu de fato.  No dia 12.01.2017, o prefeito Guti anunciou reajuste de R$ 3,80 para R$ 4,15, mas no dia 18.01.2017, a justiça suspendeu o aumento. Aí sim, foi uma suspensão e não um cancelamento.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

2 comentários em Prefeitura de Guarulhos consegue na justiça decisão para aumentar tarifa de ônibus

  1. Não havia preocupação com a Mídia pois todas as pessoas que tem um mínimo de esclarecimento sabe que a Mídia (não todas) notícia muitas vezes apenas o que mais interessa e aquilo que mais agrada ao seu leitor.
    Na época a preocupação das empresas era que fosse explicado que o reajuste da tarifa para R$ 4,50 impactaria em uma pequena parte do usuário pois o cartão cidadão que representa a grande maioria dos usuários a tarifa seria na verdade R$ 4,20.
    Mas na verdade o que se viu foram os telejornais, as rádios, os jornais enfatizando o índice de aumento sem explicar que o município subsidia a tarifa pública e caso o aumento não fosse aplicado a administração teria que alocar verbas de outras áreas para manter a tarifa atual.
    O povo necessita saber que não existe transporte gratuito, por trás de uma empresa existem trabalhadores, famílias e o empresário que investe e espera ter seu investimento remunerado, até porque quem não se lembra da antiga CMTC (CIA Municipal de Transporte Coletivos), um verdadeiro cabide de empregos que operou por muitos anos na cidade de SP e não mais existe.
    Na época da CMTC porque a tarifa nas linhas por ela operada não eram gratuitas?
    O que se pede das Mídias e a verdade, somente isso.

  2. Amig8s, bom dia.

    A questao do aumento , correcao, reajuste, suspensao ou do cancelamento e desprezivel, pois so uma coisa e certa a tarifa vai, ia e subiu, proto.

    O que e lamentavel e ver que mesmo com as novas gestoes o EFEITO BRSIL, continua firme e forte, ineficiente e ineficaz.

    So pode ser por ego, pra que suspender ou cancelar o decreto do prefeito anterior, bastaria um acerto para mais ou pra menos, afinal o aumento e inevitavel e previsovellllllllllllllllllll.

    E o mais irracional ainda e o uso desnecessario do poder judiciario, para resolucoes de questoes adminustrativas de competencia e obrigacao da PMG.

    Muda Brasil.

    Att,

    Paulo Gil

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: