ESPECIAL: Busworld Latin America mostra o momento crítico do transporte em toda a América Latina

Evento na Colômbia teve modelos antigos, mas focou novidades tecnológicas e conjuntura da mobilidade na América Latina

 

Apesar do potencial de crescimento e da demanda por transporte de massa, principais mercados apresentaram queda em 2016

JOSÉ CARLOS SECCO ESPECIAL PARA O DIÁRIO DO TRANSPORTE

 

O transporte coletivo urbano representa um dos temas mais delicados nas principais cidades da América Latina. Apesar de todo o potencial que existe na região para a utilização do ônibus como o principal meio de transporte de massa, a falta de investimentos em infraestrutura, a crise econômica e a cultura pelo transporte individual estão entre os maiores obstáculos para que a mobilidade urbana possa avançar com equilíbrio e sustentabilidade em toda a região.

Não somente na Colômbia, Brasil, México e Chile, os maiores mercados da América Latina, toda a indústria do ônibus aposta e investe há alguns anos no desenvolvimento e na oferta de novas tecnologias e produtos. Mas a demanda de mercado não está atendendo as promessas e, muito menos, as expectativas dos fabricantes e fornecedores de componentes.

No Brasil, a demanda por ônibus caiu 75% nos últimos três anos e não há perspectiva de retomada nas renovações de rodoviários e de urbanos. São necessárias medidas que estimulem os operadores e os fabricantes, como a queda dos juros, linhas de financiamento mais atraentes, reajuste de tarifas, estímulo e facilitação para a exportação ou ainda retomada de investimentos em obras para a mobilidade. Mesmo assim, o brasileiro somente irá adotar o transporte coletivo quando se sentir atraído e os benefícios que gera fizerem com que deixe de utilizar o transporte individual.

Na Colômbia, por exemplo, terminou neste dia 7 de dezembro, a primeira edição da Busworld Latin America, congresso e exposição internacional, as principais montadoras e fabricantes de ônibus apresentaram diversas novidades, mesmo com a queda de mais de 50% nas vendas. No segmento rodoviário, os negócios foram a metade dos registrados em 2015 e, no segmento urbano, praticamente não existiram.

Biarticulado da Scania foio um dos destaques: sustentabilidade e alta capacidade

Biarticulado da Scania foio um dos destaques: sustentabilidade e alta capacidade

A Scania apresentou o primeiro biarticulado movido a gás do mundo que transporta até 250 pessoas, emite 70% menos e é 25% mais econômico que o diesel. A Mercedes-Benz aposta na tecnologia Bluetec5 e na força de sua rede local para pular de 3,5% de participação de mercado para 10% no final de 2017. A Otokar, maior fabricante de ônibus da Turquia e líder nos segmentos de mini e midibus na Europa, anuncia que pretende ingressar, em dois anos, no continente, começando pela Colômbia e depois México e Chile. E a Volvo, maior fornecedor para os sistemas BRT do país, ampliou para 15% sua presença no segmento rodoviário.

Tudo isso porque os operadores de transportes colombianos enfrentam uma das piores, senão a pior crise. Sem investimentos e com tarifas congeladas há quase cinco anos, a maioria não tem fôlego para investir em renovação de frota. Com isso, quase todos os projetos em andamento estão sendo revistos. Existem exceções, como a cidade de Cartagena, que introduziu um sistema exclusivamente com ônibus movidos a gás. Mas Bogotá, Medellín e Cali sofrem com a falta de sustentabilidade dos sistemas como um todo.

Transporte publico na Colômbia avançou, mas ainda muito deve ser feito

Transporte publico na Colômbia avançou, mas ainda muito deve ser feito

O mercado colombiano não deve passar, em 2016, de quatro mil unidades comercializadas. O segmento de micros e minis, representa 30% e é o mais forte, com veículos entre 7 e 10 toneladas de PBT. Os médios, entre 10 e 12 mil kg, representam outros 30% e os rodoviários e os pesados (para os sistemas trocais de BRT), os demais 40%.

Então, de onde virá a demanda para atender toda a expectativa desses fabricantes internacionais e aplicação dessas novas tecnologias? A resposta é que o ônibus é o modal mais eficiente em custo de implantação e desempenho para toda a América Latina e que a necessidade por transporte público de alto volume só tende a crescer.

Enquanto essas vendas não se concretizam, as empresas seguem investindo para colher esses frutos dessa demanda reprimida no futuro. A Scania iniciará, em Bogotá, no sistema Transmilenio, os testes com o novo biarticulado a gás, que tem capacidade para transportar 240 passageiros. A Mercedes-Benz também investe no gás natural e escolheu Medellín para introduzir o seu protótipo de ônibus GNV convencional, com carroceria Marcopolo Gran Viale, ambos com tecnologia Euro 6. E a Volvo investe nos híbridos e elétricos híbridos para manter sua posição de maior fornecedor de veículos para os sistemas BRTs do país. Em Bogotá, a fabricante sueca tem a segunda maior frota híbrida do mundo, com 337 ônibus, somente menos do que em Londres, onde são 700 veículos híbridos em operação.

Veículos de menor capacidade, entre minis, micros e médios respondem por 60% do mercado de ônibus na Colômbia

Veículos de menor capacidade, entre minis, micros e médios respondem por 60% do mercado de ônibus na Colômbia

Apesar de não ter apresentado na Busworld Latin America, a Volvo deverá trazer para a Colômbia o recém-lançado chassi de 30 metros e capacidade para 300 passageiros, e a tecnologia do ônibus convencional híbrido elétrico que está em operação em Curitiba. A companhia tem foco no custo por emissões e por passageiros para definir quais as melhores tecnologias e produtos para cada sistema e mercado em particular.

José Carlos Secco, jornalista especializado em transportes

1 comentário em ESPECIAL: Busworld Latin America mostra o momento crítico do transporte em toda a América Latina

  1. Amigos, boa noite.

    Gostei do G7-Jr.

    Ele e vendido no Bradil ???

    Sao muitos produtos, mas o buzao verde ainda nao implacou nem 1 por empresa para comecar.

    Att,

    Paulo Gil

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: