Ônibus: EMTU finalizará transferência de linhas depois de desistência da CS Brasil na Área 4 – região de Mogi e Suzano

onibus
Ônibus da CSBrasil – do Grupo JSL. Empresa não quis continuar em Consórcio.

Empresa do Grupo JSL confirmou que não quis participar de renovação de contrato. Linhas devem ir para a Radial

ADAMO BAZANI

A reportagem do Diário do Transporte recebeu diversas mensagens de leitores sobre uma mudança de empresas prestadoras de serviços de ônibus metropolitanos na Área 4 da EMTU – Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos do Governo do Estado de São Paulo.

De acordo com as informações dos leitores, a empresa CS Brasil, que faz parte do Consórcio Unileste, deixará as linhas metropolitanas e será substituída pela Radial Transporte, integrante do mesmo consórcio.

A gerenciadora confirma alterações de operação na Área 4, que envolve os municípios de Biritiba Mirim, Ferraz de Vasconcelos, Guararema, Itaquaquecetuba, Mogi das Cruzes, Poá, Salesópolis, Suzano. Muitas destas linhas seguem até a Capital Paulista.

Até o momento, a gerenciadora não informou datas para a finalização da transferência e disse, em nota, respondendo ao questionamento do Diário do Transporte que a mudança ainda será concluída:

“O assunto em questão encontra-se em análise e a mudança levará em conta prioritariamente as necessidades de mobilidade dos usuários, que serão informados assim que o processo for concluído. Até lá, as linhas operadas pela empresa CS Brasil, que faz parte do Consórcio Unileste, respeitarão os intervalos entre partidas e itinerários divulgados no site da EMTU – http://www.emtu.sp.gov.br”

A EMTU também informou que foi a própria CS Brasil que decidiu se retirar do consórcio.

“A empresa CS Brasil utilizou a prerrogativa, prevista no contrato de concessão, de se retirar do Consórcio Unileste desde que a alteração da composição do Consórcio seja aprovada pelo poder concedente – no caso a Secretaria dos Transportes Metropolitanos, representada pela gerenciadora EMTU. A operadora Radial também faz parte do Consórcio Unileste.

O processo de transferência das linhas está em fase de conclusão.”

Já em nota, também ao Diário do Transporte, a CS Brasil informou com exclusividade que a EMTU prorrogou o contrato do Consórcio Unileste, mas que a empresa optou por não continuar nos serviços.

“No último dia 29 de setembro estava previsto o encerramento do contrato de transporte público de passageiros que o Consórcio Unileste mantinha com a EMTU. A CS Brasil, por não concordar com a prorrogação do contrato, optou por se retirar do Consórcio –  que concordou em prorrogá-lo –  e aguarda a conclusão do processo de transição  pela EMTU. Com a responsabilidade que sempre caracterizou sua atuação, a CS Brasil vem operando, excepcionalmente, apenas para que não haja prejuízo aos usuários do sistema de transporte público, respeitando os intervalos entre partidas e itinerários previstos.”

A empresa, entretanto, não informou os motivos da desistência.

A alteração ocorre a poucos meses do lançamento do edital de licitação das cinco áreas operacionais de ônibus metropolitanos da Grande São Paulo.

De acordo com previsão da EMTU, até março, se não nenhum entrave, os novos contratos serão assinados.

A audiência pública para apresentar o novo modelo operacional ocorreu em 19 de setembro. Os novos contratos devem ter 15 anos de duração. Relembre: https://diariodotransporte.com.br/2016/09/19/licitacao-da-emtu-mantida-a-area-5-concessao-sera-de-15-anos/

Em 2006, foi realizada a primeira licitação das cinco áreas da região metropolitana, com contratos cuja validade era de 10 anos. Apenas na Área 5 da EMTU, correspondente ao ABC Paulista, não foi possível realizar a licitação. A gerenciadora do Governo do Estado realizou seis tentativas, no entanto, em cinco delas os empresários da região esvaziaram o certame e, em outra vez, a justiça determinou a suspensão do processo.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Paulo Gil disse:

    Amigos, boa noite.

    Ops, isto e um grande sinal e ja e o primeiro entrave para a proxima licitacao.

    Recuar e sinal de inteligencia.

    Nao deu lucro tem de sair fora mesmo, afinal a iniciativa privada nao conta com o Contribuinte, conta somente com receitas.

    Buzao, alto capital, muita burrocracia e lucro baixo, passou da hora do Poder Publico rever seus conceitos.

    O mundo ja mudou, ACORDEM.

    Att,

    Paulo Gil

  2. Gilberto Vieira disse:

    Adamo você podia abordar sobre a linha 173 da São Camilo em Santo André , do Senhor Baltazar e todas as empresas sucateadas dele que presta serviços no ABC Paulista, Ônibus velhos com mais de 10 anos sucateados, sujos, caindo os pedaços e pior passagens caras, e parece que a Emtu faz vistas grossas para o problema, abração!!!

  3. Anselmo Rosa disse:

    No meu ponto de vista, a operação na área 4 tende a piorar. A Radial tem sucateado suas linhas intermunicipais terrivelmente e ainda vai aumentar sua área de atuação. Devido a má operação algumas linhas que foram assumidas pela empresa em 2014 tiveram queda de mais de 50% na demanda.

  4. Jackson disse:

    Posso estar errado mas é capaz do novo garotinho dos transportes Claudinei Brogliato ficar com essas linhas pois agora a Suzantur quer dominar o mundo daqui a pouco anunciam até um ônibus espacial pra marte kkkkkk

  5. Róbinson Santos. disse:

    Não sei… isso tem cara de reduzir para aumentar depois…

    Acredito que a CS Brasil venha querer a área 4 por inteiro na licitação…

  6. William de Jesus disse:

    Boa tarde!

    CS Brasil ter saído assim, sem mais nem menos, é no mínimo esquisito. Talvez ela esteja mirando a área 5, ou até mesmo, como nosso amigo Robinson Santos disse, queira monopolozar a área 4. MAs isso é dificil, mesmo sendo quem ela é. A experiência com as empresas do Baltazar deu um trauma à muita gente e fazer o mesmo na área 4 é suicídio

  7. Friend disse:

    Estranho a CS sair e abandonar o filé, pois quando a JSL entrou no sistema EMTU fazia apenas o trecho Mogi x Salesopolis e depois foi assumindo as linhas da extinta Eroles e dominando a região do Alto Tietê, tanto que sua atuação na ultima licitação levou diversas linhas que eram da Viação Poá que virou Vipol . Como o colega acima falou que esta deixando a área 4 para disputar a área 5 que pode render bons frutos, além disso a JSL possui uma garagem em São Bernardo onde a JSL Turismo esta ocupada.

Deixe uma resposta