Sambaíba e Santa Brígida estão entre as que mais recebem reclamações por atrasos em São Paulo

Ônibus da Sambaíba, empresa com maior número de reclamações por atrasos, segundo dados da SPTrans.

Em seguida aparecem Vip, Via Sul e Transwolff. Números oficiais da SPTrans foram divulgados pela TV Globo

ADAMO BAZANI

O número de reclamações por causa dos atrasos nos horários programados dos ônibus em São Paulo cresceu 28,19% no primeiro semestre de 2016 em relação a semelhante período de 2015.

Os dados são da própria SPTrans – São Paulo Transporte, gerenciadora do sistema, e foram divulgados ao jornal Bom Dia São Paulo, da TV Globo, por meio da Lei de Acesso à Informação. Nesse primeiro semestre foram 1778 reclamações.

É na parte da manhã que ocorre a maior parte dos descumprimentos de horários. Ainda de acordo com o levantamento, entre 5h e 8h são registradas mais de 30% das reclamações, sendo que entre 5h e 6h – 10,04%, 6h e 7h – 10,6% e 7h e 8h – 10,02%.

A linha com maior número de reclamações é a  848L10 – Recanto dos Humildes – Pirituba, prestada pela Spencer Transportes. No primeiro semestre deste ano foram 19 queixas, aumento de 280% em relação às 5 registradas no ano passado.

Ainda de acordo com este ranking, as empresas com maior número de reclamações por atrasos são:

– Sambaíba: 189

– Santa Brígida: 182

– Vip: 162

– Via Sul: 136

– Traswolff: 128

O SPUrbanuss, sindicato que representa a Sambaíba, Santa Brígida, Vip, Via Sul e as demais empresas do sistema estrutural, informou à  TV que o número não pode ser considerado excessivo, já que no ano passado foram transportados no geral 1,5 bilhão de passageiros (registros de passagens).

Já a Transwolff, que surgiu da cooperativa Cooper Pam, e é do sistema local, diz que preza pela qualidade e que foi reconhecida como uma das melhores empresas da capital. A companhia atribuiu o resultado a uma falha no sistema da SPTrans e afirmou que cumpre os horários.

A SPTrans, por sua vez, informou que implantou um conceito Gestão Operacional pela Qualidade – GOpQ) que adota medidas preventivas e corretivas de problemas e que disponibiliza uma um total de 690 técnicos na área de fiscalização para melhor cumprimento dos serviços

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

2 comentários em Sambaíba e Santa Brígida estão entre as que mais recebem reclamações por atrasos em São Paulo

  1. O problema das reclamações nos transportes públicos é a falta de cumprimento dos horários das partidas, programadas pela SPTRANS. Esse descumprimento é em muitas vezes por conta das distâncias dos pontos iniciais e finais, linhas longas passando por vários congestionamentos em seu percurso. Eu fiz várias sugestões para a SPTRANS em reduzir as linhas longas em linhas circulares e os pontos no centro da cidade sejam implantados linhas circulares para apenas passagem sem preenchimento de relatórios e confirmação de horários. Sendo o controle de relatório preenchido no ponto final nos bairros. Linhas Circulares curtas não precisam de cobradores como nas linhas longas. Esse exemplo está sendo implantado nas Linha 1026/10 Vila Iara / Conexão Petronio Portela e Linha 1034/10 Vila Iara / Conexão Vila Iório. Linhas de 15 minutos cada meia viagem. Já sugeri de transformar em Linhas Circulares com apenas um ponto de relatório.

  2. São Paulo melhor // 7 de novembro de 2016 às 17:04 // Responder

    Acho que teria que ser assim, o motorista que tivesse 2 ou 3 reclamações de usuários daria demissão por justa causa. Preserva-se quem trabalha direito e é demitido por justa causa o malandro. Porque das duas é uma, ou empresa contratou um incompetente que não sabe trabalhar ou um vagabundo desonesto que se abriga no covil dos sindicatos. Demite logo o verme para a população não sofrer!

    Outra coisa, ouvi dizer que a SPTrans é um cabide de emprego e não presta para nada, o Doria deveria fazer uma faxina na empresa, deveria demitir os vagabundos da SPTrans e aí sim ela poderia cobrar energicamente as empresas de ônibus.

1 Trackback / Pingback

  1. Queixas por atraso de ônibus crescem 28% em São Paulo em 2016 | MobilidadeSampa

Deixe uma resposta