OPINIÃO: Número de viagens de ônibus em São Paulo – Comemorar, mas não muito

ônibus

Ônibus urbano em São Paulo. Outubro foi o mês que registrou o segundo maior número de viagens em toda a história da medição da SPTrans. No entanto, média mensal está quase inalterada mesmo com faixas e mais modalidades do Bilhete Único o que mostra que ainda muito precisa ser feito pela mobilidade urbana. Foto: Adamo Bazani

OPINIÃO – Números de viagens em São Paulo: comemorar sim, mas sem ilusões
Outubro representou recorde no número de deslocamentos no transportes municipais, mas média mensal subiu menos de meio por cento
ADAMO BAZANI – CBN
Apesar de o mês de outubro ter registrado recorde no número de viagens na administração do prefeito Fernando Haddad, totalizando 267,7 milhões, a média mensal de descolamentos por ônibus municipais entre janeiro e outubro deste ano ficou praticamente estável, com ligeira alta de menos de meio por cento, em relação aos anos de 2013 e 2012
No período de janeiro a outubro deste ano, o número de viagens foi de 244 milhões, apenas um milhão a mais na comparação com os dois anos inteiros anteriores.
O mês que registrou o maior número de viagens de toda a história da medição realizada pela gerenciadora de transportes, SPTrans, foi agosto de 2012, quando foram contabilizadas 268 milhões.
Numa primeira avaliação, o texto pode demonstrar uma visão pessimista sobre os números ou então aparentar que o intuito é destacar dados não muito otimistas frente ao alardeado recorde da administração Haddad em outubro e o segundo maior da história.
Mas não é nada disso. A reflexão é no sentido de que não se pode desprezar o fato da tendência de alta no número de deslocamentos por ônibus, no entanto, ainda os resultados não são tão expressivos para se comemorar e prosseguir apenas com as atuais ações em prol da mobilidade urbana.
Se tais resultados fossem suficientes, São Paulo não seria ainda refém de um dos piores congestionamentos em todo o mundo.
Estes balanços da SPTrans mostram que com as faixas de ônibus, que até dia 13 de setembro eram exclusivas (hoje são compartilhadas com os táxis), novas modalidades de Bilhete Único e incentivo às bicicletas, que também influencia no número de pessoas que prosseguem seu deslocamento por ônibus, a prefeitura segue um bom caminho na política de mobilidade urbana e isso deve ser exaltado.
Mas o baixo crescimento da média mensal no número de passageiros revela que muito ainda tem de ser feito na cidade de São Paulo, e seguido por outros municípios, para que realmente o transporte público assuma um papel ainda mais importante nas viagens urbanas.
Uma das grandes expectativas do paulistano, que depois da remodelação das licitações das obras parecem estar mais perto da realidade, são os corredores exclusivos para ônibus.
A meta da prefeitura é de 150 quilômetros até o final da gestão Haddad.
Estes espaços sim são mais adequados para ônibus que podem transportar maior demanda, sendo de modelos mais confortáveis, com motor traseiro, articulados, superarticulados e biartuclados, capazes de convencer as pessoas a deixar o carro em casa. Os corredores também oferecem mais velocidade ao transporte coletivo e as pessoas querem isso: mais tempo para estudar, trabalhar, descansar, enfim viver. Ninguém quer ficar preso no ônibus ou no congestionamento.
Só os corredores de ônibus não bastam.
São necessárias políticas de mobilidade. E isso vai além de espaços exclusivos.
Empresas transportadoras, população e o poder público devem objetivar uma boa gestão do sistema de transportes. Muitas vezes, grandes nós num trajeto que atrasam uma viagem inteira, podem ser resolvidos com ações simples. E isso depende muito do foco e da qualidade dos técnicos que atuam na área. A prefeitura deveria fazer parcerias para formar bons técnicos em transportes.
Após (e somente após) o transporte coletivo ser priorizado, modernizado e tendo uma gestão mais eficiente em todos os aspectos, a política de mobilidade deve passar por ações restritivas ao uso do automóvel.
É questão de democracia do espaço urbano. Se há um sistema de metrô, trem e ônibus realmente eficiente, inclusive nos fins de semana, não é justo um carro que ocupa desproporcionalmente as vias na cidade ainda ter os mesmos privilégios que dezenas (porque não centenas) de passageiros que dividem espaço dentro de um veículo de transporte coletivo.
Por mais impopular que sejam as medidas, mas num médio prazo ações como ampliação de horários e áreas de rodízio, pedágio urbano e redução de vagas de estacionamentos nas ruas devem sim já fazer parte dos planos da prefeitura.
A própria SPTrans foi realista e estima que 2014 deve ter números de viagens semelhantes ao total de 2013 que fechou com 2,441 bilhões de viagens.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

8 comentários em OPINIÃO: Número de viagens de ônibus em São Paulo – Comemorar, mas não muito

  1. Hamilton Carvalho Almeida // 24 de novembro de 2014 às 21:33 // Responder

    Perfeita a abordagem. Quando vi em outros lugares, parecia que em termos de transportes São Paulo vive o melhor dos mundos. Gostei muito da parte que fala sobre os técnicos de transportes.
    Abraços

  2. Olha, eu andei com ônibus na faixa que criaram perto de casa na Gastão. Ajudou muito mesmo. Mas o ônibus é muito lotado e tava velho. Não troco ainda meu carro todos os dias. Se o ônibus fosse melhor e menos cheio, usava mais.
    Bj

  3. O incrível é que existem ótimos técnicos em transportes na ETESP o problema é que eles são formados e são pouco aproveitados e tem que vir pressão popular e mais divulgação do curso de transporte rodoviário. São ótimos professores que são funcionários da SPTRANS e CET que explicam muito bem e qualificam bem.

  4. Parece que os administradores dos Transportes Coletivos dão mais importância às estatísticas que a realidade. Precisamos valorizar o passageiro que é o principal elemento nos transportes.
    Nas estatísticas aparecem muitos números que na realidade são meros informativos. A população anda diariamente nos apertos e nos congestionamentos, enquanto muitos ônibus de todos os tipos ficam parados nos terminais aguardando a lotação. Nos corredores os fiscais ficam forçando em muitos casos os passageiros a forçar a entrada. A circulação no centro da cidade, nos terminais é um absurdo. Sugeri a SPTRANS que nos pontos finais no centro da cidade sejam transformados em pontos de passagem. Os relatórios devem ser feitos nos bairros. Dificilmente os operadores (motoristas e cobradores) fazem as necessidades nos terminais do centro da cidade. Nos terminais nos bairros devem adequar esse tipo de serviço. Cada partida até a outra extremidade da viagem é considerada meia-viagem. Com a eliminação do relatório e parada no centro a linha passa a ser Linha Circular, diminuindo os relatórios e a perda de tempo no centro da cidade.

  5. ÓTIMO! E EU SOU UM TROUXA ENTÃO NÉ?? E AS MELHORAS?? P Q É TÃO PORCARIA? E ESSAS EMPRESINHAS DE FACHADA DA POLEMICA AREA 4?? FORA A AMBIENTAL…O RESTO É FACHADA ALÉM DAS COOPERATIVAS MESMO! E CADÊ A LICITAÇÃO? OS CORREDORES BRT E NÃO BRT?? CADÊ AS LINHAS PERIMETRAIS?? P Q UM SUJEITO COMO EU Q MORO NO JAÇANÃ HJ TENHO Q UTILIZAR ATÉ 03 ÔNIBUS PRA IR AO BAIRRO DO LIMÃO OU A CASA VERDE, AREA 2 ? OU NA AREA 1, NA BRASILÂNDIA E FREGUESIA DO Ó??? POR EXEMPLO? OU 02 PRA IRA DO JAÇANÃ AO HORTO FLORESTAL? OU A CACHOEIRINHA? TUDO NA MESMA AREA 02?? OU AO CENTRO DA VILA MEDEIROS AVENIDA NSa. SENHORA DO LORETTO E ADJACENCIAS… E CENTRO DA VILA GUILHERME …AVENIDA JOAQUINA RAMALHO E ADJACENCIAS??? PREFEITO HADDAD…O SR. É UMA PIADA! PT NUNCA MAIS!! NUNCA MAIS! ACORDA POVO! TEMOS RUAS RELATIVAMENTE LARGAS E COM LEITO CARROÇAVEL, COMO SE DIZ NO JARGÃO DOS TRANSPORTES PUBLICOS SOBRE PNEUS…PERFEITAS PRA LINHAS CURTAS OPERADAS POR ESSES MODERNOS MICRO-ÔNIBUS DE DUAS PORTAS DE HJ EM DIA…TANTO DE COOPERATIVAS COMO DA SAMBAÍBA…E ATÉ “MICRÕES”…NO TUCURUVI, ALIÁS, ENTRE O TUCURUVI E O JAÇANÃ MESMO…VILA NIVI, VILA CONSTANÇA, JARDIM MODELO, VILA GUSTAVO, VILA NILO…ENFIM…E N A D A! ONTEM MESMO FUI A PÉ…DUAS VEZES DE MINHA CASA ATÉ A VILA GUSTAVO, NA AVENIDA GUSTAVO ADOLFO, PRÓXIMO A 39 D.P. …VENDER UNS 04 QUILOS DE LATINHAS DE CERVEJAS E REFRIGERANTES E ETC. …Q PEGUEI NESSES DIAS TODOS…FERIADÃO…(SIM EU CATO LATINHAS PRA VIVER, ALIÁS, PRA CONSEGUIR ME AGUENTAR E PAGAR AS CONTAS…INCLUSIVE A DA NET Q ME DÁ ESSA INTERNET Q USO AGORA…POIS O Q EU RECEBO DE ALUGUEL DA CASA DE MINHA FINADA E SAUDOSISSIMA MÃE…Q DEUS A TENHA E A MEU SAUDOSÍSSIMO PAI TMB…NÃO DÁ PRA EU VIVER COM DIGNOIDADE! TENHO UMA FILHA DE DEZ ANOS PRA CRIAR…) E NESSAS RUAS NADA PASSA! A RUA MATA REDONDA, Q COMEÇA NA VILA NIVI, JÁ NA REGIÃO DO TUCURUVI, E ACABA NA RUA TANQUE VELHO ENTRE O JAÇANÃ E A VILA MEDEIROS, É UM EXEMPLO DISSO! UMA RUA PERFEITA PRA MICRO-ÔNIBUS! E NADA! AS PESSOAS TEM Q IR A PÉ ATÉ A JULIO BUONO, GUSTAVO ADOLFO, TANQUE VELHO, CANEDOS OU GUAPIRA…A MAIORIA DAS PESSOAS LÁ TEM DOIS CARROS NAS GARAGENS…P Q SERÁ NÉ??? CADÊ A CONDUÇÃO??? ACORDA PREFEITO! AS COOPERATIVAS EXISTIAM PRA ISSO, SEGUNDO A RETARDADA DA MARTA SUPLICY, SUA ARROGANTE E METIDA A BESTA “CUMPANHERA” DESSE PARTIDO DE SATANÁS A QUAL O SENHOR PERTENCE! VCS SÓ SERVEM PRA FERRAR O POVO! LÁ NA ZONA LESTE OS CARAS ENTRAM SE PUDEREM ATÉ EM VIELAS PRA PEGAR O POVO…P Q AQUI É ASSIM?? PARE DE DISCRIMINAR A ZONA NORTE AREA 2, SR. PREFEITO!

  6. AH!! A PROPÓSITO…ALGUEM AÍ VIU A FOTO DA MATÉRIA DE CAPA DO JORNAL “AGORA-São Paulo, DE HJ, 25/11/14?? Q PORCARIA ?? ESSAS CICLOFAIXAS E FAIXAS PRA DESEMBARQUE DE PERUAS E MICRO-ÔNIBUS ESCOLARES SÃO RIDICULAS! HADAD ARRISCA A VIDA E A INTEGRIDADE FÍSICA DAS CRIANÇAS E DOS CICLISTAS E DOS ADULTOS EM GERAL ENVOLVIDOS NA “JOGADA”…O JORNAL CHAMA HADDAD DE “LOUCO” !! E NÃO É?? GENTE, SE TIVER ALGUM CATÓLICO ROMANO DE VERDADE Q VOTA NBO PT E AFINS, E NOS SEUS CRETINOS DISSIDENTES…POR FAVOR…PRO BEM DE VCs …VÃO SE CONFESSAR! E SE ARREPENDAM E NÃO FAÇAM ISSO CONOSCO! NINGUEM MERECE! SERRA E KASSAB FORAM UMAS MERDAS PRA SP/SP…MAS O PT ! P…Q NOS PARIU! MISERICÓRDIA JESUS!! O CARA FAZ MERDAS E AINDA CAI NAS “GARRAS” DESSE JORNALZINHO “ZÉ POVINHO E CARNIFICINA” Q É O LEGITIMO SUBSTITUTO DO LEGENDÁRIO E AS VEZES ATÉ CÔMICO “NOTICIAS POPULARES”…AFF!

  7. Amigos, bom dia.

    Entendo que o numero de viagens realizadas, e um dado que nao serve pra nada.

    Podem ter sido fritas muitas viagens, com o buzao batendo lata.

    o que importa e a quantidade de passageitos transportados/dia/linha; ai sim e um dado que pode ser aproveitsdo para analise de eficiencia /do uso de cada linha/ano ou mes ou dia, inclusive para saber qual e o fsturamento em REAIS de cada linha e de todo o sistema e outros dados que possam ser avaliados com o numero de passageiros tranportados.

    Esse sim e um bo. Indicadod para verificar a taxa de uso do buzao, faturamento e bases para novos projetos de corredor ou BRT visando a melhoria da mobilidade em Sampa.

    Ja e passada a hora de aplicar a teoria na pratica do dia a dia do buzao.

    Att,

    Paulo Gil

  8. Mello, Olavo L INTL (Brazil) // 27 de novembro de 2014 às 11:49 // Responder

    Sr.Adamo, bom dia.

    Gosto muito de sua coluna, admiro seu trabalho.

    Porém, no meu modo de entender, o sucesso de alguma coisa não pode ser medido apenas por números crescentes. Caso típico seria o do Bolsa Família, em que o sucesso seria mostrado por um número cada vez menor de “bolsistas”.

    O sucesso do sistema de transporte público passa, necessariamente, por qualidade na prestação desse serviço, o que ainda não ocorreu de forma alguma. Ônibus mal conduzidos, velocidade excessiva, falta de educação de motorista e cobrador, sendo que este último, atualmente, recebe para dormir… Vibração, barulho, sujeira, calor, bancos totalmente sem qualquer relação com um corpo humano, superlotação, rebarbas por todo lado, cortando e rasgando roupas e pessoas. Não cumprimento de horários, poucos carros nas linhas, pontos de ônibus padrão FIFA, mas que não abrigam o número de usuários que os frequentam, Empresas que não atendem reclamações, 156 que para nada serve – não para o passageiro que seria, no final das contas, o motivo disso vir a funcionar corretamente. Ruas esburacadas, ônibus que estacionam longe das guias, longe dos pontos, fora dos pontos.

    Corredores e faixas de ônibus são parte da solução, mas o sistema como um todo é totalmente doente (por tudo o que foi relatado acima), tendo as empresas, as cooperativas e a própria SPTRANS um descaso absoluto para com o passageiro – motivo da existência de todas elas. Sem falar no absoluto domínio do PCC sobre as cooperativas, caso de polícia que é ignorado em grau, número e gênero por todos os órgãos que de alguma forma deveriam se envolver nessa questão e a ela dar uma solução.

    Por conta disso tudo que relatei, tenho um total descrédito no nosso sistema de transporte. Enquanto ações concretas e sincronizadas entre as diversas áreas envolvidas não forem tomadas, restará apenas medir o que ocorre com o transporte por números crescentes (ou não), mas sem dar ao passageiro o transporte que ele realmente merece, pois paga por isso.

    Saludos!

    Olavo Mello Database Administrator/Sistemas

    ACE Seguradora, Avenida Paulista, 1294, 18º andar, São Paulo/Brasil Tel +55 (11) 4504-4365 | Fax +55 (11) 4504-4399 olavo.mello@acegroup.com | http://www.aceseguros.com.br

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: