Táxis e ônibus ganham mais uma faixa em São Paulo

táxis faixas

Táxis em São Paulo ganham mais uma faixa junto com ônibus. Foto: Agência T1

Táxis e ônibus ganham mais uma faixa em São Paulo
Espaços compartilhados já somam 450 quilômetros em São Paulo
ADAMO BAZANI – CBN
A Rua Santa Eulália, na zona norte da Capital Paulista, recebe nesta segunda-feira mais uma faixa compartilhada entre ônibus e táxis com passageiros.
São 400 metros no sentido centro, à direita, entre a avenida Cruzeiro do Sul e a Avenida Santos Dumont.
A operação destinada para táxis e ônibus é das 6 da manhã às 9 horas da manhã.
Com isso, a cidade passa a ter 450 quilômetros de faixas compartilhadas, que antes eram exclusivas para o transporte de massa.
De acordo com a CET, pelo novo trecho passam por dia útil 63 mil passageiros de ônibus. A companhia não soube informar quantas pessoas passam pelo local de táxi.
Os táxis estão livres para circular nas faixas que eram somente do transporte coletivo desde o dia 13 de setembro por decisão da prefeitura.
Um dia antes foi feito o anúncio.
O prefeito Fernando Haddad e o secretário municipal de transportes, Jilmar Tatto, que defendiam de forma veemente que os espaços deveriam ser somente para os passageiros que usam o transporte coletivo, mudaram o discurso e disseram que os táxis não influenciam na velocidade comercial dos ônibus.
Em 06 de setembro, seis dias antes do anúncio, a presidente Dilma Rousseff, também do PT e candidata a reeleição, esteve em São Paulo e se reuniu com lideranças de taxistas, como o presidente do principal sindicato da categoria, Natalício Bezerra, homem considerado de influência política na Capital Paulista.
Um estudo da CET, SPTrans e de empresa independente demonstrou que nos corredores à esquerda, onde os táxis não podem parar para embarcar e desembarcar, a redução na velocidade operacional dos ônibus é de 25%.
Já quanto às faixas, mesmo com os táxis podendo parar em vários locais indefinidos, a prefeitura diz que não há prejuízo para os usuários de transporte coletivo.
O Ministério Público não vê lógica na decisão da prefeitura com parando as duas conclusões e pediu do poder público o estudo que em tese comprovaria que nas faixas os táxis não prejudicam o desempenho dos ônibus.
O promotor de habitação e urbanismo, Maurício Ribeiro Lopes, afirmou que a decisão da prefeitura foi mais eleitoreira que técnica.
A prefeitura diz que os estudos sobre os táxis nas faixas existem e se basearam nos 71 quilômetros onde o compartilhamento já era permitido.
Nem Haddad e nem Tatto comentaram as declarações do promotor que pode entrar na Justiça contra a medida da prefeitura.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta