Táxis em faixas de ônibus: MP duvida da existência de estudo da prefeitura

ônibus

Ônibus em faixa que antes era exclusiva para o transporte público. MP duvida da existência de estudo da prefeitura. Foto: Adamo Bazani.

Ministério Público duvida da existência de estudo da prefeitura
Órgão estranhou o fato de a administração não ter respondido os questionamentos sobre liberação dos táxis em faixas de ônibus
ADAMO BAZANI – CBN
O promotor de habitação e urbanismo, Maurício Ribeiro Lopes, declarou nesta quarta-feira, dia 17 de setembro de 2014, que duvida da existência do estudo da prefeitura que teria embasado a decisão da administração municipal para liberar os táxis com passageiros nas faixas exclusivas de ônibus.
Na segunda-feira, ele pediu que a prefeitura entregasse o estudo em 48 horas, o que não ocorreu. A prefeitura, pela CET, pediu mais cinco dias.
Isso para o promotor indica que a prefeitura vai elaborar um estudo depois da decisão só para justificar ao Ministério Público.
O órgão em nota diz ainda acreditar que a decisão foi tomada sem nenhum embasamento técnico:
“Não há nesta nota qualquer juízo de valor quanto à correção ou não da decisão atual, apenas a constatação de que a medida foi adotada sem o estudo prévio e que, naturalmente, o estudo que vier a ser apresentado em 5 ou em 50 dias buscará legitimar a decisão já adotada”
Agora a Secretaria Municipal de Transportes tem até 30 dias para apresentar estes estudos que serão analisados pelo Ministério Público e órgãos independentes de auditorias.
À Rádio CBN, o promotor Maurício Ribeiro Lopes, que participou dos estudos quanto à liberação e proibição de táxis nos corredores à esquerda em determinados horários, disse que a medida soa como eleitoreira:
OUÇA A ENTREVISTA DO PROMOTOR MAURÍCIO RIBEIRO LOPES:
http://cbn.globoradio.globo.com/sao-paulo/2014/09/13/MP-VAI-EXIGIR-EXPLICACOES-DA-PREFEITURA-DE-SP-SOBRE-LIBERACAO-DOS-TAXIS-NAS-FAIXAS-DE.htm
A prefeitura disse que o estudo existe sim e que comprova que nos 71 quilômetros de faixas que eram compartilhadas antes da liberação de todas as outras faixas, não houve comprometimento da velocidade dos ônibus.
A administração, no entanto, não explicou porque não atendeu ao pedido de entrega do estudo em 48 horas.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

3 comentários em Táxis em faixas de ônibus: MP duvida da existência de estudo da prefeitura

  1. Amigos, bom dia

    Aproveitando o gancho, tambem devem ser analisadas as faixas de bicicleta que estso surgindo da noite para o dia e ao que me parece, sem nenhuma tecina.

    Pintam de vermelho e colocaram ate tachoes, o que nao fizeram ate hoje nas faixss do buzao.

    Acredito que sequer consultaram o comercio locsl e o que sr ve sao criancas andando de bicicleta nas faixa, sem ter a minima nocao de que aquilo e uma faixa e que tem mao e contra mao e tambem o padeiro que vem com sua motinho e algumas motos.

    Isso vai dar todo tipo de acidente e muita encrenca, pois nao ha como entrar no estacionamento do sacolao sem passas por cima da faixa da bicicleta e nao foi feita sinalizacso branca na frente do savolao.

    As faixas estao tao mal feitas, que em duas ruas quando os carros saem da avenida e entra em uma dessas ruas, os veiculos invadem a faixa da biciclets, pois ela termina onde os veiculos necessariamente tem de passar.

    Mais um problema PREVISIVELLLLLLLLL.

    Att,

    Paulo Gil

  2. Estudo para táxis em faixas de ônibus?
    Nem Pinóquio mentiria tanto assim, e perguntar não ofende: Taxi não é coisa de ”elite”, algo tão odiado pelo PT? Agora querem votos da ”elite” tambem? Humm

  3. Amigos, boa noite.

    Pasmem, mas da noite de ontem pra hoje, surgio ciclofaixz em cima da calcada?

    Agora eu pergunto:

    Onde esta o codigo de transito brasileiro ?

    E o direito do pedestre caminhar na calcada.

    Se houver um acidente entre uma byke e um pedestre quem sera culpado ?

    No minimo essa faixa de bike na calcada e INCONSTITUCIONAL.

    MP, mais um trabalho.

    Att,

    Paulo Gil

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: