Ligeirão Leste-Oeste e um novo modelo de BRT para Curitiba

ônibus biarticulado

Ônibus biarticulado em Curitiba. Prefeitura lança novo modelo de corredor de ônibus que pretende integrar mais o transporte coletivo e os deslocamentos a pé e de bicicleta. Ligeirão Leste/Oeste terá 32 estações. Foto: Divulgação prefeitura de Curitiba

Ligeirão Leste-Oeste será novo modelo de corredor de ônibus, diz prefeitura de Curitiba
BRT terá espaço compartilhado entre pedestres e bicicletas
ADAMO BAZANI – CBN
Considerada berço do sistema de corredores de ônibus modernos BRT (Bus Rapid Transit) que se tornou uma das principais soluções de mobilidade urbana em todo o mundo, a cidade de Curitiba, no Paraná, pretende remodelar o tipo de espaços exclusivos para os coletivos.
A prefeitura apresentou nesta terça-feira, dia 16 de setembro de 2014, o projeto do BRT Ligeirão Leste-Oeste.
Com obras previstas para o início do ano que vem, o espaço ao longo do corredor de ônibus e estações será uma área de convivência entre pedestres, ciclistas e carros de trânsito local.
Para isso, as pistas marginais ao espaço de ônibus, usadas no modelo atual como vias de trânsito lento serão transformadas em calçadões neste novo corredor de ônibus.
Os pedestres terão prioridade e acessibilidade já que em torno das estações, as vias terão o mesmo nível da calçada convencional.
As obras, orçadas em R$ 194,5 milhões, terão financiamento da CEF – Caixa Econômica Federal. Quando estiver pronto, o Ligeirão Leste-Oeste deve atender 80 mil passageiros por dia fazendo a ligação entre a região CIC Norte até Pinhais e será integrado ao eixo que hoje atende 100 mil passageiros.
A prefeitura não informou a previsão para a conclusão das obras. Serão 32 estações e deve ser criado um novo terminal.
Em nota, a prefeitura detalha como deve ser o projeto, inclusive com novo alinhamento das estações-tubo:
NOTA DA PREFEITURA DE CURITIBA:
A implantação do Ligeirão Leste-Oeste, com previsão de começo de obras no início do próximo ano, trará um novo modelo de corredor de transporte. Ao longo do eixo, nas quadras onde ficam as estações, serão criados calçadões para uso compartilhado por pedestres, carros, motos e bicicletas. As pistas de trânsito lento, que margeiam as canaletas, nos trechos das estações-tubo, serão transformadas em faixas elevadas, ao nível da calçada. Com a abertura de espaço para o pedestre, que terá a prioridade, estas pistas passarão a atender o trânsito local para quem mora ou trabalha na quadra. Com financiamento da Caixa Econômica Federal, a obra representa um investimento de R$ 194,5 milhões. Ao contrário dos eixos Norte e Boqueirão, que foram desalinhadas, a maioria das estações no eixo Leste-Oeste vai continuar frente a frente. Com a nova concepção, elas serão apenas afastadas, com alargamento da canaleta, permitindo a criação de pistas de ultrapassagem para o Ligeirão. Desta forma, evita-se a segregação. Fica garantida a integração entre os dois lados da via e a circulação de pedestres torna-se mais segura e confortável. São mudanças que humanizam esses espaços públicos. Com sinalização diferenciada, os dois lados do calçadão serão integrados por faixas elevadas. As grades que ficam no entorno das estações darão lugar a arbustos, formando uma barreira verde que direcione o pedestre para os pontos de travessia segura. Iluminação, paisagismo, bancos, áreas de descanso e paraciclos completam o projeto que busca a convivência segura de ônibus, pedestre e trânsito. Eixo maior: O Ligeirão Leste-Oeste vai transportar 80 mil passageiros por dia, ligando a região do CIC Norte, a partir da Rua Eduardo Sprada, a Pinhais. A nova linha vai utilizar um trecho de canaletas já existente no eixo Oeste por onde atualmente passa o Ligeirinho Pinhais/Campo Comprido. O projeto, desenvolvido pelo Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc), em parceria com a Urbs, abre a possibilidade de substituir a estação Eduardo Sprada pelo terminal CIC Norte, atualmente em fase de estudos complementares em função da implicação sobre o sistema viário da região. Se viabilizado, o novo terminal abrigará, além do Ligeirão, também o biarticulado Centenário/Campo Comprido que, assim, terá seu trajeto, aumentado em 1,5 quilômetro. Pelo novo terminal também vão passar as linhas alimentadoras da Estrada Velha de Campo Largo (prolongamento da Eduardo Sprada), da Cidade Industrial e da Rua João Denbinski – neste caso, fazendo ligação com o terminal da Fazendinha. O terminal Campo Comprido, pela sua localização, será mantido e reformado como terminal de passagem de ponto de integração dos alimentadores do Jardim Gabineto, Riviera, Positivo e das linhas originárias das ruas João Falarz e Toaldo Túlio. No total serão 32 estações, com a criação da estação UTFPR, a ser implantada para atender a nova demanda. As estações já existentes serão reformadas. Também serão reformados e ampliados os terminais Campo Comprido, Campina do Siqueira, Capão da Imbuia e Vila Oficinas. Um novo terminal será construído no CIC Norte. O novo Ligeirão é um dos projetos apresentados pela Prefeitura no ano passado para receber recursos do governo federal. No total, serão investidos R$ 5,3 bilhões em obras de mobilidade, aí incluídas as do metrô, Linha Verde Norte, requalificação do Ligeirinho Inter 2, implantação de novas canaletas e ampliação e reforma de estações e terminais. O eixo Leste-Oeste é formado principalmente pelas avenidas Padre Anchieta, Sete de Setembro e Affonso Camargo, em Curitiba; e Ayrton Sena da Silva, em Pinhais. Por ele passam os ônibus do Expresso Centenário-Campo Comprido que transportam, por dia, 100 mil passageiros e o Ligeirinho Pinhais-Campo Comprido. O Leste-Oeste será a terceira linha do Expresso Ligeirão já implantado nos eixos Boqueirão e Linha Verde Sul. O Ligeirão Norte – cujas obras de desalinhamento das estações foram contratadas na gestão passada até o final da canaleta da Avenida Sete de Setembro – será implantado após a conclusão das obras de ampliação e reforma do Terminal Santa Cândida, prevista para o ano que vem.

Com a oferta de ônibus biarticulados, que oferecem maior capacidade de transportes, a expectativa da prefeitura é que hoje parte das pessoas que se deslocam de carro opte por transporte coletivo auxiliando na redução dos congestionamentos e da poluição.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: