Táxis em faixas de ônibus e a Operação Dá Licença para as Eleições (EDITORIAL)

faixas liberadas para táxis

Dilma Rousseff, que tenta a eleição, se encontra com taxistas em São Paulo e ganha miniatura em evento no início de setembro. Seis dias depois, prefeito Fernando Haddad e secretário Jilmar Tatto deixam de defender veementemente a exclusividade dos ônibus nas faixas e liberam os espaçospara os táxis, inclusive permitindo embarque e desembarque. Ivan Pacheco/VEJA.com

Opinião: Operação Dá Licença para as Eleições
Prefeitura de São Paulo estava indo bem ao priorizar o transporte de massa, mas uma visita aconteceu e tudo mudou ….
ADAMO BAZANI – CBN
No reino encantado da cidade das faixas tudo parecia ir bem.
As carruagens que levavam dezenas e até centenas de súditos começavam a andar mais rapidamente. Não chegavam a ser carruagens de fogo, mas os moradores do reino sentiam a diferença.
O administrador do reino das faixas e seu fiel escudeiro que dizia tratar dos transportes com toda presteza, dedicação e tato apurado alardeavam pelo reino que os ganhos para as vidas dos súditos tinha sido grandes.
Mas este reino encantado e “enfaixado” ficava num império maior. E a pessoa que administra o império queria continuar no poder. Queria também que outros nomes da realeza estrelada também ganhassem uma fatia desse “bolo” de riqueza.
E foi assim, numa imagem constrangedora, que o administrador do reino enfaixado e seu escudeiro anunciaram que as faixas não eram apenas mais para as grandes carruagens, mas também para as pequenas que levavam menos gente. Os donos e usuários habituais dessas carruagens pequenas mostraram que têm muita influência no reino e se encontraram com a administradora do império e tudo mudou….
O anúncio de liberação dos táxis nas faixas exclusivas de ônibus feito nesta sexta-feira pelo prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, e o Secretário Municipal de Transportes, Jilmar Tatto, que, após ferrenhas defesas da exclusividade em mais de 450 quilômetros nestes espaços exclusivos pela cidade, foi, no mínimo, estranho e constrangedor.
Apesar de ambos alegarem que a liberação foi feita após estudos em faixas como da Avenida 23 de maio que, em tese, comprovaram que a presença dos táxis não influencia na velocidade dos ônibus, sinceramente, o discurso não colou!
Os táxis agora vão poder não só trafegar com passageiros como embarcá-los e desembarcá-los nas faixas que deixam de ser exclusivas para o transporte coletivo.
Mas Haddad e Tatto, como assim não causam impacto?
Se vocês mesmos divulgaram a exaustão que nos corredores de ônibus à esquerda, onde os táxis trafegam fora do horário de pico com passageiro, a presença destes veículos diminuía a velocidade dos coletivos em 25% em média, sem fazer embarque e desembarques, por que então nas faixas eles não trariam impactos, sendo que eles vão inclusive poder fazer as paradas?
Algum dado foi divulgado para a população de maneira mentirosa!
Se a alegação para permitir essa liberação é de que nas faixas os ônibus não fluem com a mesma velocidade que nos corredores, então está errado o dado da prefeitura que diz que enquanto em média nos corredores os ônibus desenvolviam 16,5 km/h, nas faixas ultrapassavam a 21,5km/h.
Ou então, todos os estudos que diziam que a velocidade dos ônibus com a exclusividade nas faixas aumentou de 25% a 370% dependendo do trecho são distorcidos.
O que ocorre, na verdade, é que essa decisão parece ter muito mais elementos eleitoreiros do que técnicos.
E para isso há algumas, diga-se, “coincidências”.
Primeiro porque a classe mais abastada que usa táxis com mais frequencia reclamou e muito da proibição dos veículos nas faixas e nos corredores à esquerda,nestes últimos que ainda vigora de segunda à sexta-feira, das 6h às 9h e das 16h às 20h. Antes que alguém venha estufar o peito e bradar “Mas não é só rico que usa táxi”, é óbvio,nem precisava perder tempo falando! Mas a grande maioria da população, 6 milhões de pessoas por dia, usa ônibus. Já os táxis transportam 500 mil passageiros por dia.
Para beneficiar a minoria, os ganhos da maioria serão certamente reduzidos.
Segundo que, desde a época da proibição da circulação nos corredores em março deste ano, a bancada dos taxistas na Câmara se mostrou fortíssima. Tanto é que até mesmo o veemente e voraz promotor Maurício Ribeiro Lopes, do Ministério Público Estadual, que sugeria a proibição dos táxis nos corredores durante todo o dia, teve de ficar manso, recuar e aceitar este “meio termo”.
Outra “curiosidade” é que Haddad e Tatto, do PT, fizeram este anúncio, quase de surpresa, no dia 12 de setembro. No dia 06 de setembro, a presidentE, Dilma Rousseff, candidata à reeleição, obviamente pelo PT, fez uma visita a cooperativas e lideranças de taxistas.
Quem recebeu a chefe do executivo, que tenta continuar ser chefe, foi o presidente do sindicato dos taxistas de São Paulo, Natalício Bezerra, homem de influência sobre uma categoria de 32 mil profissionais. A demanda foi discutida com Dilma.
Além disso, o PT tem um sonho histórico. Tirar do inimigo PSDB o controle do Governo do Estado de São Paulo.
O atual governador Geraldo Alckmin, do PSDB, que também busca reeleição, está em primeiro lugar nas pesquisas, seguido pelo representante da Fiesp – Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, Paulo Skaf, do PMDB.
Lá embaixo está Alexandre Padilha, do PT.
As eleições se aproximam e a reação do PT é fraca. O partido quer fazer com Padilha na disputa estadual de 2014 o que fez com Haddad na disputa municipal de 2012, que também estava no subsolo das pesquisas e acabou virando prefeito.
Este editorial, portanto livre para expressão de opinião que não precisa ter o acordo de ninguém, mas deve ser respeitado, não é contra taxistas, essa categoria indispensável na mobilidade urbana, e tão pouco contra os usuários de táxis.. Mas a verdade é que parece muito estranha a mudança de posição de Haddad e Tatto depois das defesas veementes da exclusividade dos ônibus nas faixas em período eleitoral.
A Operação Dá Licença para o Ônibus, como batizaram os marketeiros da prefeitura, virou Operação Dá Licença para as eleições.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

13 comentários em Táxis em faixas de ônibus e a Operação Dá Licença para as Eleições (EDITORIAL)

  1. Adamo,
    Você matou a Pau, mais uma vez.
    A Tecnologia é escrava no nosso País. Quando não é o “objeto Misterioso” é o interesse Politico.
    Estamos Fu………
    abraços

  2. Adamo, boa noite.

    Parabens pelo editorial!

    Lembrando que o buzao de Sampa, nunca teve tecnica.

    Att,

    Paulo Gil

  3. Adamo, mais uma vez, que editorial!!! Sensacional e o que esperar dos PTralhas? O critério é não ter critério!!!

  4. Que papelão, hein, Sr. Prefeito…

  5. Este editorial está mais pra panfletagem eleitoral, por favor corrija o título do post e seja honesto com os leitores.
    Quando o PSDB/DEM/PSD colocou pra dentro dos corredores os táxis, não li nenhum editorialzinho conto de fadas aqui no blog.
    A população decide o que é melhor: a gestão passada dos táxis nos corredores ou a gestão atual sem táxis nos corredores e com táxis nas faixas exclusivas (que não existiam na gestão passada!!! Existiam em quantidade desprezível!!!).
    Não vai ser nenhum blogzinho chapa branca que vai inverter o conceito de quem governa pelo transporte público e quem governa pelo transporte individual.
    Lamento ter que tratar do assunto pelo lado eleitoral, mas quando se lê uma publicação encomendada a soldo para servir ataques, não me resta outra opção senão rebater com os devidos fatos.

    • J. Alberto, como disse no texto, ninguém é obrigado a concordar com o editorial, mas sim respeitar. Você usou termos desrespeitosos como “blogzinho”, “chapa branca” ou “editorialzinho”.
      Lamento que você não tenha cidadania e maturidade suficientes para conviver com outras opiniões que não as suas, reagindo de forma desrespeitosa e agressiva.
      Mas é a tal proteção que as pessoas sentem na internet e que as deixa corajosas.
      Obrigado e, da próxima vez, saiba respeitar. Você terá muito a ganhar, J (João, José, Jessé, etc) Alberto, se é este seu nome mesmo.
      Além disso, você tem como provar perante a Justiça que esse artigo foi encomendado? Judicialmente podem ser discutidas tais acusações, o que acha?
      Abraços e obrigado pelo acesso a mais ao Blog.

  6. Adamo,

    Parabéns pela coragem do editorial, e ao promotor que questiona esta decisão eleitoreira.

    A politica brasileira mais uma vez da amostra como são feitos os conchavos pré eleitorais, o corporativismo se faz presente, afinal a candidata até se admira com uma miniatura de táxi, alguém se lembra do cacique Mario Juruna quando ia com um gravador para entrevistar os deputados e o “homem branco” para demonstrar a volatilidade de suas opiniões.

    “Só o erro é que precisa do apoio do governo; A verdade, essa fica de pé por si própria”. Thomas Jefferson

    “Falar abertamente e pelo amor a verdade é arriscar a vida”. Juvenal

    “Prefiro incomodar com a verdade do que agradar com adulações”. Lúcio Seneca

    “Todo homem que se vende recebe muito mais do que vale”. Barão de Itararé

  7. Bom Editorial, Ádamo!
    Provavelmente pelo ângulo que prefiro buscar soluções, gostei muito do seu embasamento em números.
    E da demonstração de como os nossos administradores públicos não têm o menor pudor de jogá-los (os números) no lixo; quando lhes interessa e/ou por motivos políticos.

  8. Como sempre, matando a pau e deixando os petistas mais furiosos ainda… o ”blogzinho chapa branca” não tem rabo preso com ninguem como outros certos blogs aí que tem apoio de estatais, recebe muita grana mesmo.
    E taxi pelo que dizem é transporte de ”rico” da ”elite”, ué? Eu devo estar ficando doido, pois ouço o PT metendo o pau em ”ricos”, na ”elite”. Ele bate uma hora e outra hora afaga.
    Parabens pelo brilhante editorial !!

  9. Adamo, parabéns pelo editorial. Oh maldita eleição, só poderia dar nisso

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: