Volvo lança Guia de Mobilidade com ênfase para o BRT

ônibus

Ônibus modelo BRT em Goiânia. Volvo lança guia de mobilidade e enfatiza vantagens de corredores de ônibus.

Volvo lança guia de mobilidade urbana com ênfase para o BRT
Objetivo da publicação é trazer mais dados e experiências para melhorar o ir e vir das pessoas nas médias e pequenas cidades
ADAMO BAZANI – CBN
Proporcionar ir e vir com qualidade, preservação ao meio ambiente e redução de impactos na configuração das cidades é um dos grandes desafios da atualidade.
Não existe uma solução, um modal apenas ou uma fórmula mágica.
São necessárias várias ações em conjunto, respeitando características regionais, dimensões das demandas de passageiros em cada região e até mesmo aspectos culturais relacionados aos deslocamentos das pessoas.
No entanto, não faltam especulações e jogos de interesses na apresentação de muitas medidas que são vendidas como solução.
Como nem os especialistas sabem tudo de transporte, setor que se altera a cada dia de acordo com a mudança das necessidades dos cidadãos, uma alternativa é reunir experiências que mostram que tipo de modal, gerenciamento e operação podem ser mais adequados.
Um trabalho interessante neste sentido é o Guia de Mobilidade do Programa Mobilidade Volvo (PMV) da Volvo.
A empresa fabrica ônibus e oferece soluções para BRT – Bus Rapid Transit, corredores de ônibus modernos.
É claro que muitos podem levantar a questão de que por ser uma fabricante de ônibus, a Volvo apresentaria este modal como uma das principais soluções para os transportes nas cidades.
E é verdade. Mas realmente o BRT é considerado sim uma importante alternativa para a melhoria da mobilidade, sem desprezar os outros modais. E, além disso, não há mal nenhum com base em experiências reais, reunir as vantagens que este meio de transporte oferece.
Em nota, a Volvo explica o trabalho:
“A ideia do guia foi criar um material de referência, de leitura mais fácil que os manuais sobre transporte público. Acreditamos que será útil para autoridades, gestores de transporte, empresas operadoras e profissionais interessados em mobilidade para avaliarem quais as melhores alternativas para um transporte público de qualidade em suas cidades”, afirma Luis Carlos Pimenta, presidente da Volvo Bus Latin America.
O conteúdo mostra alguns dos desafios urbanos atuais, e passa pelos conceitos e características dos sistemas de transporte de média e alta capacidade, como metrô e VLT. O material traz um panorama dos sistemas de BRT no mundo e destaca alguns que são referência mundial, apresentando seus benefícios sob a ótica dos passageiros, das cidades, da sociedade e dos operadores. Sugere ainda alguns passos para uma melhor qualificação do transporte público a partir da situação atual.
“O modelo ideal de mobilidade é aquele que responde mais rapidamente às necessidades dos passageiros, consumindo a menor quantidade de recursos, tanto em sua construção quanto em sua operação”, destaca Ayrton Amaral, especialista em mobilidade da Volvo Bus Latin America.
O guia aborda algumas vantagens dos sistemas baseados em ônibus, como a flexibilidade e a facilidade e rapidez em sua implantação. Um BRT pode utilizar, com alguns ajustes, as vias existentes, oferece flexibilidade de rotas e chega mais perto da casa das pessoas.
“É mais natural melhorar o transporte público com sistemas de ônibus de qualidade, como o BRT, do que com sistemas baseados em trilhos. Quando bem planejado, contribui para melhorar o trânsito, reduz o custo por passageiro transportado e torna-se a base para o crescimento sustentável das cidades”, reforça Amaral.
Texto inicial: Adamo Bazani
Texto Final: Assessoria de Imprensa
NA NOTA TAMBÉM A VOLVO MOSTRA ALGUNS EXEMPLOS DE VANTAGENS DO BRT:

release25072014h

BRT alia eficiência e baixo custo operacional
O guia Mobilidade Inteligente da Volvo apresenta o BRT (Bus Rapid Transit) como uma solução para construção de sistemas de transporte público eficientes. Criado em Curitiba, na década de 70, o modal está presente em 39 países e 168 cidades. O modelo se consolidou por possuir alta capacidade de transporte e baixo custo operacional.
“Os gestores públicos têm a responsabilidade de implementar sistemas de transporte que atendam as necessidades da população sem exaurir os cofres públicos. O BRT é uma alternativa para esse desafio”, diz Ayrton Amaral, especialista em mobilidade urbana da Volvo Bus Latin America.
O sistema oferece alta capacidade de transporte, velocidades médias maiores e viagens rápidas. Além disso, é uma solução com menor prazo de implementação e requer menos investimentos que outros modelos de transporte.
De acordo com a média de investimentos na construção de projetos no mundo, incluindo o Brasil, com U$ 1 bilhão é possível construir 200 km de BRT, 50 km de VLT (veículo leve sobre trilhos) e 10 km de metrô. O tempo de implantação também é uma vantagem importante para o BRT. Em dois anos pode-se construir uma linha desse sistema, enquanto para construir a mesma linha de metrô seriam necessários 10 anos, e de VLT, cinco anos.
Outro benefício é o custo de operação por passageiro transportado. Em média, um passageiro em sistemas de metrô custa de 10 a 20 vezes mais quando comparado a um de BRT com a mesma demanda. Quando um sistema de transporte com ônibus convencionais é transformado em um BRT, as tarifas mantêm-se acessíveis, sem necessitar de subsídios governamentais, como ocorre nos sistemas baseados em trilhos.
Um ônibus biarticulado, por exemplo, transporta três vezes mais passageiros que um ônibus convencional e 50% que um articulado. Ao colocar um biarticulado no lugar de um convencional, há uma redução na contratação de (motoristas e cobradores) – custo que representa entre 40% e 50% da operação, e de custos variáveis como consumo de combustível e manutenção. “Embora o biarticulado exija maior investimento inicial, consuma mais combustível e tenha mais pneus que um ônibus convencional, a redução da frota na proporção de três para um, reduz o custo da operação e aumenta a produtividade do sistema”, explica Amaral.
Para que seja reconhecido como eficiente pela população, um BRT precisa ser bem projetado. É necessário ter vias segregadas para ônibus, espaço para ultrapassagem, ônibus de alta capacidade de transporte, pagamento antecipado da passagem, embarque em nível, terminais de integração, portas amplas para facilitar o acesso, motoristas bem preparados e informações aos passageiros, além de limpeza, conforto e segurança em todas as paradas e terminais.
Experiência Volvo
A Volvo é pioneira no desenvolvimento de veículos para os sistemas de BRT e líder neste mercado. A empresa participou da implementação dos principais BRTs da América Latina. Na década de 80, forneceu os primeiros articulados para o sistema de transporte de Curitiba. No início dos anos 90 a empresa desenvolveu, no Brasil, o modelo biarticulado para atender o aumento da demanda do sistema de transporte da cidade.
Hoje, os veículos articulados e biarticulados da marca estão presentes no Transmilênio, em Bogotá, na Colômbia, considerado o BRT com maior capacidade de passageiros do mundo. Também no Metrobus de Goiânia, na RIT de Curitiba, no Transantiago de Santiago do Chile, no TransCarioca do Rio de Janeiro, no Move de Belo Horizonte, no BRT de Recife, além da Guatemala, El Salvador, Quito e Guaiaquil no Equador, Cáli, Bucaramanga e Pereira na Colômbia, entre outras.

5 comentários em Volvo lança Guia de Mobilidade com ênfase para o BRT

  1. Sem duvida, a maior flexibilidade no transporte publico advem do modal sobre rodas.
    Quem acompanhou o crescimento da população da Cidade de São Paulo pôde constatar a mudança ocorrida com a população de menor renda para a periferia, deixando as áreas mais próximas do centro, esvaziando as linhas de bonde, como Barra Funda, Bom Retiro, Casa Verde, etc. ocorrendo a extensão das linhas de onibus que acompanharam as mudanças até o limite do municipio apar com a necessidade.
    Mas, para implantar um corredor onibus eficiente é necessário observar sua velocidade de atendimento para que se apróxime com os demais modais.
    Simplismente ocupar o espaço hoje já saturado de nossas avenidas e ainda conviver com o período de obras necessário a sua implantação e o que deixa a desejar.
    O correto seria ligar os pontos a serem atendidos por uma outra alternativa, que imprimisse maior velocidade e que não trouxesse transtornos negativos a nossa população.
    Acorda Engenheiros.

  2. Amigos, boa noite.

    1) Este manual está disponível na Internet ? Quem souber, por favor, poste o “link”.

    2) Que um micro leva muita gente;

    Que um buzão leva muito mais

    Que um articulado leva muito mais ainda e

    Que o “linguição” leva mais que todos juntos…

    Isso todo mundo já sabe, chega dessA informação óbvia e de conhecimento e domínio público.

    3) As montadoras, com razão, “puxam a brasa para a sua lata”

    4) O que precisa é FAzer uma gestão eficiente do buzão, só isso.

    5) O resto é marketing.

    Aqui no blog tem muita gente competente,técnicos ou não, que fariam o buzão de Sampa funcionar rapidinho.

    Mas o problema não é a inexistência de pessoas competentes.

    A solução é a de sempre:

    – Criar dificuldades para vender facilidades

    – Faturar, faturar, faturar, faturar e faturar

    E como diziam dois dos personagens do grande Chico Anísio:

    “O POBRE QUE SE EXPLOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOODA”

    “É MENTIRA TERTA”

    Att,

    Paulo Gil

    • Complementando:

      ÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊ Goiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaana

      1000 anos luz à frente de Sampa.

      Aliás o Centro Oeste é o futuro do Brasil, Sampa já era.

      Att,

      Paulo Gil

  3. SP esta ultrapassado igual o Brasil no futebol.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: