Corredores de ônibus: pequenos comércios serão desapropriados, mas igrejas grandes vão ser preservadas

Templo de Salomão

Projeto que prevê alargamento de vias para corredores de ônibus e cerca de sete mil desapropriações totais ou parciais, poupa áreas de grandes templos religiosos católicos e evangélicos, como o Templo de Salomão, da Igreja Universal do Reino de Deus. Prefeitura diz que não há proteção às igrejas e que o traçado foi determinado de acordo com demanda. Pastores da Universal disseram que antes da concepção e das obras do Templo de Salomão, não houve consultas do poder público e que entidade não se oporia a corredor de ônibus em frente. Pequenos estabelecimentos serão desapropriados. Fonte – Universal

Corredores de ônibus: pequenos comércios desapropriados, mas grandes igrejas serão preservadas
Prefeitura de São Paulo diz que o que determinou os traçados é a demanda por ônibus, mas influência política de denominações religiosas é apontada como uma das causas de corredores fazerem um zigue-zague
ADAMO BAZANI – CBN
É consenso! São Paulo precisa de corredores de ônibus para auxiliar na melhoria do deslocamento das pessoas que hoje usam transporte público e, com a velocidade e a qualidade maior esperada dos serviços, também estimular outras pessoas a deixar o carro em casa.
A prefeitura de São Paulo conseguiu aprovar, depois de muitas discussões e até manifestações em rua, o projeto que altera 66 vias para a implantação de corredores. Devem ser desapropriados aproximadamente sete mil imóveis.
Reportagem divulgada pelo O Estado de São Paulo, nesta segunda-feira, dia 21 de julho de 2014, mostra que aparentemente os critérios para desapropriar os imóveis, no entanto, mudam de acordo com o tamanho da edificação e de quem é o dono.
Um exemplo é a Avenida Celso Garcia, que entre a região central da capital paulista e a zona Leste de São Paulo, uma das regiões mais populosas e mais carentes de oferta de transportes rápidos e de qualidade, que pode ser disponibilizados por um sistema de BRT – Bus Rapid Transit bem planejado.
Vários imóveis, em especial pequenos comércios, serão desapropriados.
Mas há quarteirões protegidos, tornando o traçado dos corredores em verdadeiros zigue-zagues.
Estes quarteirões, entre a rua Bresser e a rua Júlio Cézar da Silva, abrigam grandes igrejas: há um templo da Assembleia de Deus, uma paróquia católica, uma unidade da Igreja Universal do Reino de Deus e o Templo de Salomão, um dos maiores locais de celebração religiosa erguidos recentemente no Brasil, também da Igreja Universal do Reino de Deus.
Já num quarteirão antes, serão desapropriados 15 imóveis, entre agências bancárias, padarias e hotéis.
Apesar do peso econômico e político das igrejas, a prefeitura nega que os templos recebam privilégios e diz que o traçado dos corredores é determinado pela demanda e pela origem e destino dos passageiros.
No entanto, ao jornal, o Secretário Municipal de Desenvolvimento Urbano, Fernando de Mello Franco, diz que é difícil desapropriar um imóvel de grande circulação como uma igreja.
Ao Blog Ponto de Ônibus, representantes da Igreja Universal disseram que não houve nenhuma manifestação ou consulta da prefeitura para que houvesse desapropriação e que o projeto do Templo de Salomão foi aprovado pelo poder público sem contemplar modificações da Celso Garcia.
Ainda segundo os pastores da Igreja Universal ouvidos, antes da concepção e do início das obras, a entidade religiosa não se oporia à construção de um corredor de ônibus em frente ao templo o que “ até mesmo facilitaria o acesso dos frequentadores”
Representantes da Assembleia de Deus e da Igreja Católica não foram encontrados.
Até 2016, a prefeitura de São Paulo tem como meta implantar na cidade 150 quilômetros de corredores de ônibus.
NOTA DO BLOG:
Esta matéria se refere unicamente à mobilidade urbana. Não cabem neste espaço discussões, críticas ou abordagens de cunho religioso. Não sendo, portanto, questionada a fé ou religiosidade que devem ser respeitadas, de acordo com suas diferentes manifestações. Mas cabe questionar os motivos de obras de interesse comum, como corredores, terem seus projetos alterados ou já realizados em prol de certas edificações.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes.

11 comentários em Corredores de ônibus: pequenos comércios serão desapropriados, mas igrejas grandes vão ser preservadas

  1. Amigos, boa noite.

    Hoje pela manhã eu falei sobre o tema (ZIG ZAG), no post sobre a ampliação do rodízio.

    “- Acabar com as linhas ZIG ZAG, parece que cada dia tem mais uma ( outro dia tomei um Terminal Princesa Isabel no corredor Rebouças que chegou no centro da cidade ele fez o maior zig zag inútil.”

    Não adianta, creio que o Zig Zag, é a única forma dos barões faturarem.

    Privilégios no Brasil, não isso não ocorre, isso é ficção de gestão pública.

    Abaixo um recente exemplo de ficção de gestão pública.

    http://www1.folha.uol.com.br/colunas/ricardomelo/2014/07/1488858-choque-de-indigestao.shtml

    É MENTIRA TERTA ?

    Att,

    Paulo Gil

    • Complementando:

      Corredor BRT é coisa do passado.

      O moderno é Corredor ZZL (Corredor ZIG ZAG LENTIUN)

      Creio que muito em breve será lançado um novo modelo de buzão.

      Carroceria ZZL (ZIG ZAG LENTIUN)

      Att,

      Paulo Gil

  2. Criticar é fácil. Quero ver pagar pela desapropriação dessas igrejas. Não é pouco dinheiro… Outra coisa, seja você religioso ou não, o fato é que milhares de pessoas frequentam igrejas e desapropriá-las é bem complicado.

    • Sr. Julio, boa noite.

      É muito simples, basta fazer vias elevadas, igual ao Expresso Tiradentes, só que as estações de embarque e desembarque devem ser no nível da rua.

      Eu sou favorável ao sistema suspenso, tanto do buzão, com do metrô ou do trem (Linha Azul – trecho da Av. Cruzeiro do Sul – por exemplo).

      Claro que com as vigas auto traváveis, não igual as do Aerotrem.

      Quem sabe teremos o “AEROBUS”.

      Este sistema diminui em muito as desapropriações.

      Uns dizem que enfeiam a cidade, mas como ela já é feia, pois nunca foi planejada a feiura não será alterada.

      Diz que na Espanha há um ditado que diz:

      “Se queres algo, algo lhe custará”

      Portanto, corredor custa as desapropriações e corredor suspenso custa a feiura; basta escolher o economicamente viável, desde que não seja em ZIG ZAG é lógico.

      Att,

      Paulo Gil

  3. Quem acha que a prefeitura vai perder os votos de uma igreja evangélica , este Hadad sabe que desapropriar o templo salomao na av celso Garcia seria o fim do PT no País , ele desapropria o pobre coitado que ainda não enxergar esta patifaria …. mas para presidente já terão uma respostas das 35 mil famílias que o PT tirou a dignidade >>>> calma Outubro esta chegando e daremos uma resposta ao HADAD.

  4. A falta de planejamento leva a equivocos desenfreados.
    A Av. Celso Garcia é apenas um corredor de uso local, que deveria ter obras compatíveis com essa caracteristica.
    Para a linha expressa, que é o maior volume de passageiros a ser transportados , deveria ser construida uma nova via, preferencialmente ao lado da ferrovia,(do lado oposto da Radial Leste) com um valor menor em desapropriações e sem nenhuma interferência com o transito local e sem cruzamentos (desfrutando das passagens por baixo dos viadutos já existentes), ligando o terminal Aricanduva( ou Penha) até a Estação do Bras e daí, via local até o Terminal D. Pedro.
    A Linha Expressa seria alimentada por circulares interligando a Av. Celso Garcia.
    Assim, não haveria necessidade de desapropriar os estabelecimentos comerciais ao longo da Avenida para que houvesse a passagem do transito expresso com destino ao Centro da Cidade e vice versa, e nem obras faraonicas.
    Acorda Haddad

    • Jair, boa noite.

      Como é bom ler uma sugestão coerente e sem ZIG ZAG´s.

      Estou de pleno acordo com você e assino embaixo.

      Forte abraço.

      Att,

      Paulo Gil

      • Paulo Gil,
        Assim como você, sou do tempo em que os homens pensavam antes de agir.
        abraços

      • Jair, boa noite.

        Mais uma vez eu concordo com você.

        Ma$ quem pen$a ante$ de agir, não fatura.

        Outro dia me ensinaram uma boa:

        Tem de criar dificuldade$ para vender facilidade$.

        Infelizmente, nesta encarnação não dará mais tempo para eu aprender.

        Att,

        Paulo Gil

  5. Paulo Gil,

    Meu Pai me dizia que a gente ‘VIVE APRENDENDO E MORRE SEM O SABER”, mas, para quem deixou de Criar Dificuldade$ e viveu corretamente, muito levará para a próxima encarnação.
    Mas voltando ao tema, mesmo quando fazem a obra correta acabam levando resultados para o Exterior. (exemplos não faltam)
    abraços

    • Jair, boa noite.

      Seu pai é um sábio.

      Quanto a criatividade e inteligência dos profissionais brasileiros, eu não tenho a menor dúvida.

      Mas profissional na concepção da palavra.

      “É pela obra, que se conhece o o autor”

      Abçs.

      Paulo Gil

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: