Opinião: Ônibus tira sim muitos carros da rua e Brasil não é refém dos transportes rodoviários

ônibus

São Paulo bateu recorde de congestionamento em meio às incertezas sobre greves de rodoviários. É mito dizer que, mesmo do jeito que estão, os ônibus não são capazes de tirar veículos das ruas. Outra grande mentira é afirmar que o Brasil é refém dos ônibus, mas o transporte sobre trilhos precisa ser ampliado, sem dúvida alguma. Foto: Folhapress/aberta para uso

Opinião: Ônibus tira sim muitos carros das ruas e Brasil não é refém do transporte rodoviário
No entanto, transportes sobre trilhos devem ser ampliados ao mesmo tempo que o sistema de ônibus precisa ser modernizado
ADAMO BAZANI – CBN
Comete um erro muito grande, ou não tem as melhores das intenções, quem diz que o ônibus hoje no Brasil não faz com que as pessoas deixem o carro em casa.
Os ônibus no País transportam diariamente, segundo levantamento da NTU – Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos, 40 milhões de pessoas. Só na Capital Paulista e na Região Metropolitana, são cerca de 10 milhões de passageiros por dia.
Num país cujo dado mais recente do Denatran – Departamento Nacional de Trânsito – mostra que há um carro para 4,4 habitantes, e na cidade de São Paulo, onde há em média um carro para 2,1 pessoas, pensar que todos estes 40 milhões de passageiros no Brasil, dos quais 10 milhões na Região Metropolitana de São Paulo, são desprovidos de meios próprios de deslocamento é um tremendo equívoco.
A verdade é que os ônibus, sim, tiram muitos carros das ruas mesmo do jeito que está atualmente o transporte coletivo que, sem nenhuma sombra de dúvida, precisa ser melhorado e muito.
Todos os dias, milhões de pessoas em todo o País deixam de fato seus carros e motos em casa para usar o transporte público. E os ônibus urbanos e metropolitanos são responsáveis atualmente por atender 87% da demanda de viagens nas cidades brasileiras.
Uma prova dessa realidade foi sentida na pele por milhões de paulistanos nesta última sexta-feira, dia 24 de maio de 2014, quando, segundo a medição da CET – Companhia de Engenharia de Tráfego, às 19 horas foi batido o recorde de congestionamento na cidade de São Paulo em toda a história: 344 quilômetros das vias monitoradas pela companhia estavam travadas.
A cidade de São Paulo se ressentia de uma paralisação de três dias de motoristas e cobradores de ônibus. Naquela sexta-feira, 15 cidades da região metropolitana estavam com os transportes prejudicados por causa de paralisações da categoria.
Sem serviços plenos na Grande São Paulo (muitos carros que passam pela Capital são da região metropolitana) e com incertezas ainda sobre a oferta de ônibus na cidade, as pessoas que costumam deixar os veículos próprios em casa, acabaram fazendo uso deles.
É certo que naquela mesma noite, a cidade registrava chuva e manifestações que bloqueavam vias importantes, como a Marginal do Rio Pinheiros e a região do Viaduto do Chá, no centro.
No entanto, mesmo antes da chuva e das manifestações, a cidade já tinha trânsito acima da média. Este repórter começou a acompanhar para a Rádio CBN, a situação do trânsito na cidade às cinco horas da manhã, noticiou em tempo real este fato. Logo nas primeiras horas do dia, os índices de congestionamento estavam bem acima da média.
Quem fala que o ônibus não é mais capaz de reduzir os congestionamentos nas cidades, ou não sabe o que está dizendo ou tem alguma intenção não muito clara.
O que deveria acontecer é que ônibus teria de atrair mais pessoas ainda do transporte individual para que essa redução nos congestionamentos e na poluição fosse mais benéfica a toda a sociedade.
E isso se dá pela melhoria dos serviços. Através de corredores exclusivos, como os BRT – Bus Rapid Transit, os ônibus têm prioridade no espaço urbano e conseguem atender mais pessoas com maior conforto e rapidez. Mas não é apenas disso que o transporte de ônibus precisa. É necessário planejamento para que as linhas que servem os bairros que não comportam corredores também sejam eficientes. É fundamental que os operadores de transportes sejam desonerados, e que depois o poder público exija a contrapartida dessa desoneração, para que as tarifas também se tornem convidativas.
O ônibus foi, é e sempre será indispensável para que se ofereça mobilidade urbana de qualidade.
Outro discurso muito comum que se ouviu durante as paralisações é que o País é “refém” dos transportes rodoviários.
Como assim? Refém? Ninguém é refém de um serviço que traz tantos benefícios não só para a locomoção, mas para a qualidade de vida das pessoas.
Os cidadãos são reféns dos congestionamentos, da violência do trânsito e da poluição.
O que é necessário é ampliar as ofertas de transportes. Melhorar os serviços de ônibus, modernizar as redes de transportes sobre pneus e expandir os sistemas sobre trilhos, mais especificamente o metrô e o trem.
São Paulo tem um malha pífia de 74 quilômetros de metrô e uma rede de trens metropolitanos que soma 260 quilômetros.
Esta rede da CPTM poderia se tornar de fato um metrô de superfície se o poder público aplicasse bem o dinheiro da população e não gastasse bilhões e bilhões de reais em obras mirabolantes de transportes, que têm alto apelo de mídia e pouca capacidade de demanda.
Todos falam que 74 quilômetros de metrô é muito pouco para São Paulo. E é mesmo! Mas ninguém fala também que os atuais 120 quilômetros de corredores de ônibus na Capital também são insuficientes para a demanda de pessoas e o tamanho da cidade!
O que não é admissível é manipular dados ou aproveitar ocasiões para defender um ou outro lado.
As regiões metropolitanas precisam de uma rede que combine trilhos, corredores de ônibus e até “lotações” de bairro com eficiência.
Numa greve de rodoviários, falar que o Brasil é refém dos ônibus, é a mesma coisa que dizer quando os metroviário param em São Paulo, por exemplo, causando transtornos na cidade, que o País é refém do Metrô.
Existem discursos e chavões muito bonitos, que quase viraram mantras, mas que enganam a população.
A tempo: ninguém aqui é contra o direito de greve, desde que o movimento respeite as leis e os outros direitos de todos os cidadãos.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

4 comentários em Opinião: Ônibus tira sim muitos carros da rua e Brasil não é refém dos transportes rodoviários

  1. LEDRAJ SARCE DOPRA // 26 de maio de 2014 às 14:40 // Responder

    Já chegamos a 128 assinaturas vamos chegar a 400 assinaturas pela criação da Nova CMTC http://www.avaaz.org/po/petition/pela_criacao_da_Empresa_estatal_de_Onibus_em_Sao_Paulo/?copy

  2. Sobre a importante e oportuna Opinião:
    – Cidades são reféns de instituições e cias. que mantêm monopólios dos ônibus, não do modal em si. Senão, porque nunca se resolve a troncalização do sistema e não se assume, de verdade, a necessária – para os dois lados, trens e ônibus – integração com trens?
    Exemplo forte: peguei linha 9 com poltronas disponíveis (!!) entre Morumbi e Pinheiros na mesma sexta feira as 19:40hs!
    – Trens ou ônibus vão tirar carros das ruas se a opção for vantajosa para o usuário. Em: tempo, R$ e conforto. Na não-política-tarifária de transporte público vigente em Sampa, R$ está igualado; portanto as prioridades são tempo e conforto. Ônibus vai mal em tempo, em muitas rotas. Porque muitas rotas vêm de décadas, durante as quais a cidade se transformou, mudando muito a forma de se deslocar.
    – Novamente é colocado que CPTM é “trem, não metrô”. Este conceito equivocado serve somente para o Governo ter brecha para trata-la como se fosse 2a. classe. Sob qualquer ponto de vista técnico/operacional L9 e L8 são sim, metrô. E as 10, 11 e 12 têm somente suas extensões menores qualificáveis diferente.
    – A Opinião omite a EMTU, que resume a loucura irresponsável de tratar os 39 municípios conurbados como cidades diferentes para a mobilidade. Ela também denigre a imagem dos ônibus na RMSP, além de proporcionar absurdos tarifários.

  3. Adamo, brilhante, agora na minha opinião as empresas de ônibus também tem que jogar a favor, elas começam linhas com ótimos serviços, passando um mês já aumentam intervalos, reduzem a quantidade de ônibus assim adiante, enquanto so visarem lucros, e tiverem como parceira a Sptrans, que em vez de fiscalizar e exigir melhores serviços a populaçao, so atendem a pedidos das empresas, e todas as mudanças como alteração de rota e enceramento de linhas so visam a aumentar a arrecadação das empresa, a pergunta que não quer calar, cade a CPI do transporte em SP, tenho certeza que a Sptrans tera um capito especial.

    • Sem dúvida é ótimo motivo pra CPI.
      Mas tem que ser depois das eleições de Outubro.

      Senão os candidatos ao governo, dono dos metroferroviários e da EMTU vão aproveitá-la pra fazer campanha e não para resolver os muitos problemas.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: