Greve de ônibus em São Paulo: Polícia Civil abriu investigação

greve de ônibus

Paralisação de motoristas de ônibus foi responsável por fechamento de terminais e vias importantes em São Paulo. Rádio CBN

Polícia Civil instaura inquérito para investigar paralisação
Representantes sindicais serão intimados a prestar depoimento
ADAMO BAZANI- CBN
A greve de ônibus em São Paulo virou caso de Polícia.
A Secretaria de Segurança Pública informou na tarde desta quarta-feira, dia 21 de maio, que instaurou inquérito para investir o cometimento de possíveis crimes pelos responsáveis pela paralisação.
Os serviços de ônibus estão afetados desde a manhã de terça-feira, dia 20 de maio de 2014. Nesta quarta-feira, dia 21 de maio, os problemas continuam. O movimento é atribuído a uma ala dissidente do Sindimotoristas – Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores em Transporte Rodoviário Urbano de São Paulo, que é o sindicato que representa 37 mil rodoviários em São Paulo.
O grupo não aceitou acordo de dez por cento de aumento salarial e reajuste de outros benefícios entre o Sindimotoristas e o SPUrbanuss – – Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros de São Paulo.
Hoje, um motorista na Capital Paulista recebe R$ 1955 passando para R$ 2150,50, e um cobrador ganha R$ 1130 indo para R$ 1243.
A licença-maternidade para as mulheres que trabalham no setor passa de quatro meses para seis meses.
O reconhecimento de insalubridade para cálculos de aposentadoria também faz parte do acordo entre o SPUrbanuss, sindicato das empresas de ônibus, e o Sindimotoristas, que representa 37 mil trabalhadores de transportes na cidade de São Paulo.
Com isso, há possibilidade de aposentadoria especial com 25 anos de trabalho.
O vale-alimentação passa para R$ 445,50 e participação nos lucros e produtividade será de R$ 850.
ABAIXO – NOTA COMPLETA DA SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DE SÃO PAULO
“A Secretaria da Segurança Pública informa que a Polícia Civil instaurou inquérito para apurar a eventual ocorrência de crime na manifestação promovida por motoristas de ônibus na cidade de São Paulo nos dias 20 e 21, com base no Artigo 262, do Código Penal (Expor a perigo outro meio de transporte público, impedir-lhe ou dificultar-lhe o funcionamento). Os líderes do Sindicato dos Motoristas de São Paulo foram intimados a prestar depoimento.
A Secretaria informa ainda que a Polícia Militar reforçou o policiamento nesta quarta-feira em todos os terminais de ônibus da capital e locais de grande concentração de pessoas para prevenir e evitar a ocorrência de tumultos. A SSP esclarece que não cabe à PM a remoção de ônibus que tenham sido abandonados por manifestantes nas vias públicas, que é responsabilidade das autoridades de trânsito por meio de guinchos e motoristas ou servidores que possam fazê-lo. A Polícia Militar também esteve à disposição das autoridades municipais para dar segurança aos funcionários da Companhia de Engenharia de Tráfego.”
BALANÇO DA SPTRANS:
“A SPTrans – São Paulo Transporte, que gerencia os serviços na Capital Paulista, divulgou balanço recente sobre a greve de motoristas e cobradores:
A SPTrans informa que no início da tarde desta quarta-feira, às 15h, há bloqueios feitos com ônibus enfileirados nos terminais: Mercado, Lapa, Pinheiros, Pirituba, Casa Verde, Sacomã, Santo Amaro, João Dias e Vila Nova Cachoeirinha. Os terminais Parque Dom Pedro II, Princesa Isabel, Santana, Barra Funda, Jardim Britânia, Grajaú, Capelinha, Guarapiranga, Aricanduva e AE. Carvalho estão abertos, mas há oferta de ônibus inferior à registrada em dias de operação normal do sistema.
Vale registrar que os terminais Santana e Barra Funda são estações do Metrô que têm operação de ônibus municipais.
Hoje, o movimento prejudica 300 mil usuários.
A SPTrans acrescenta ainda que há paralisações em 11 garagens de cinco empresas concessionárias. São elas: Santa Brígida (2), Sambaíba (4), Gato Preto (2), Via Sul (2) e VIP (1).
A SPTrans solicitou apoio policial para garantir a operação em algumas garagens. Todas as providências no sentido de requerer a normalização dos serviços, a apuração e punição dos responsáveis estão sendo tomadas pela Prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Transportes (SMT) e da SPTrans que, neste momento, atua no monitoramento e gerenciamento da operação no sentido de que os transtornos à população sejam minimizados.”
GREVE DE ÔNIBUS EM OSASCO:
Em Osasco, na região metropolitana, motoristas de ônibus da Auto Viação Osasco paralisaram as atividades prejudicando os transportes municipais e intermunicipais.
Em nota, a assessoria de imprensa da prefeitura informa que as faixas de ônibus foram liberadas para tráfego de veículos nesta quarta-feira:
O prefeito de Osasco, Jorge Lapas, determinou na tarde desta quarta-feira (21) a liberação das faixas exclusivas de ônibus das principais avenidas para o tráfego de veículos de passeio. Os motoristas que usarem a faixa não serão multados.
A liberação da faixa exclusiva vale apenas para esta quarta-feira (21). A determinação é resultado da paralisação dos motoristas e cobradores iniciada na terça-feira (20).
“Esta medida beneficiará milhares de pessoas que vão para o trabalho de carro e que nesses dias de paralisação terão uma opção a mais na hora de voltar para casa, já que liberamos a faixa exclusiva. Isso sem contar outras pessoas de Osasco e região que devem se deslocar para buscar seus parentes e ou amigos no local de trabalho na volta para casa”, disse Lapas.
Osasco possui uma frota que ultrapassa 350 mil veículos. Já o número de veículos flutuantes que utiliza as principais vias do município passa de 250 mil.
Lapas cobra responsabilidades
Em nota oficial enviada à imprensa pela manhã, nesta quarta-feira (21), o prefeito Jorge Lapas destacou: “A população não deve pagar pelos problemas entre empresas, condutores e cobradores. Respeito todas as manifestações e reivindicações trabalhistas, mas também espero que as partes envolvidas cumpram seu papel. A população de Osasco merece transporte público de qualidade e deve ser respeitada”.
RODÍZIO MUNICIPAL DE VEÍCULOS EM SÃO PAULO:
O rodízio Municipal de Veículos na cidade de São Paulo está suspenso na tarde desta quarta-feira, podendo circular pelo centro expandido carros com placas de finais 5 ou 6. Mas durante a parte de manhã, o rodízio vigorou normalmente.
DISPUTAS INTERNAS:
O Sindimotoristas é marcado historicamente por disputas internas.
Há vários inquéritos policiais, inclusive de homicídios, que apuram crimes que teriam sido motivados por estes embates.
Na metade do ano passado, o atual presidente do Sindimotoristas, José Valdevan, o “Noventa”, que na época era de oposição, chegou a usar o mesmo expediente e parou terminais na cidade de São Paulo contra o antigo mandatário do sindicato, Isao Hosogi, o Jorginho.
As eleições para a presidência da entidade, que deveriam ocorrer em julho, foram marcadas por violência e até tiroteio na sede do sindicato.
Somente em setembro foram realizadas, quando José Valdevan, o “Noventa”, venceu Isao Hosogi, o Jorginho, com 57% dos votos.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN,especializado em transportes.

1 comentário em Greve de ônibus em São Paulo: Polícia Civil abriu investigação

  1. LEDRAJ SARCE DOPRA // 21 de Maio de 2014 às 20:12 // Responder

    Hj por causa da Prefeitura de São Paulo não ter uma empresa de ônibus São Paulo vive um grande caos então vamos assinar o abaixo assinado para ter a NOVA CMTC http://www.avaaz.org/po/petition/pela_criacao_da_Empresa_estatal_de_Onibus_em_Sao_Paulo/?copy

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: