7 comentários em Ônibus: Como em qualquer atividade econômica, detalhes atraem clientes

  1. Bom dia Ádamo e à todos !

    Sempre acompanho o blog. Mas, admito, pouco ou nada, tenho comentado, aqui, nos últimos tempos.
    Entretanto, esta matéria, MERECE NOTA 10 ! Dez não, nota 1000 !
    É pena que, nas mentes de muitos que se dizem “empresários”, mas que na verdade continuam sendo apenas “donos de ônibus”, a evolução, quando existe, é lenta. Para estes, bastam apenas os conchavos e contratos assinados, até é claro, as “exigências” aumentarem.
    Cedo ou tarde, as boas,ou até mesmo, não tão boas assim e, porque não, selvagens, práticas dos demais setores empresariais, chegaram até o universo dos “donos de ônibus” e neste dia, não adiantará dizer “uai, Deus não gosta de mim” e também, “ora pois, pois, Deuuuus não gosta de mim”.
    A competência têm de partir dos ser humano !
    Por fim, sei que os irônicos comentários acima, desagradaram a 99%, mas não me preocupo com estes. Apesar de pouco, gosto sim, dos heroicos 1%, verdadeiros EMPRESÁRIOS que, mais do que lucro, fazem o que gostam, como o Luiz da Transbus e alguns outros.
    De nada adianta ônibus OKm, como dizem alguns, se, em questão de dias de operação, já estarão com a aparência de 20 anos. Basta o cliente – usuário, prestar atenção, o que importa, é chegar ao destino, em um veiculo, limpo, bem conservado, conduzido por pessoas treinadas e mais, MOTIVADAS a acordarem todas as manhãs e seguirem, para trás de um volante, conduzindo VIDAS E SONHOS.

    Abraço à todos.

  2. Esse ônibus parece os ônibus de Mauá a famosa Lixatu do tal Donizete Braga os ônibus do boa vista tem bastante mais são uns lixo porta quebrada bancos quebrado etc e u lixo prefeitoooooo. Kkkkkkkkk

  3. Luís Marcello Gallo // 20 de Maio de 2014 às 04:51 // Responder

    Seria interessante mandar uma cópia deste texto para aquelas empresas que são velhas conhecidas dos usuários do ABC, como EA*OS*A, Sucatur, VIRIPISA, São Camilo, Imigrantes,Triângulo, Urbana… Dá até vergonha comparar as carroças destas empresas com os ônibus de outras áreas da RMSP…

    • Luis Marcelo Gallo, boa noite.

      Nao adianta, eles estao cansados de saber o que colocam em operacao.

      Eu conheco de perto esse relaxo desde 1992.

      E tem mais, nem numero de linha tinha.

      Abcs,

      Paulo Gil

  4. Amigos, boa noite.

    O problema e que o passageiro nao exige qualidade e concorrencia nao existe.

    E so remunerar o sistema por passageiro transportado, igual uma loja, so fatura quando vende.

    Queria ver se remunerando por passageiro ia ter linguicao rodando na lata nos sabados no corredor 9 de julho.

    Eu duvido.

    So teria apachezinho baleadaco e encardidaco.

    Att,

    Paulo Gil

  5. Boa tarde ADAMO

    Excelente reportagem, que trata do ENCANTAMENTO que toda empresa precisa ter hoje em dia para manter sua clientela. Interessante sua nota que as pessoas que não conseguem um bom transporte por ônibus migram para outros modais, quer seja trem, carro ou moto.

    Os detalhes são importantes e oportunos para manter a clientela. Que a diga a METRA, que está sempre buscando inovação e procurando (embora nem sempre consiga) encantar sua clientela.

    Volto a um assunto interessante, que é a padronização das frotas determinada pelos poderes constituídos, sem que os empresários nada possam fazer, senão “engolir guela abaixo” os sofríveis designs e pinturas. Importante notar que o item imagem visual de uma empresa também é ponto de alavancagem do negócio transporte. Engana-se quem pensa que transporte não é negócio. Ora, se o transporte faz parte da atividade econômica, benemérito é que não é. Tem custo e dessa forma tem que ter receita, seja ela provinda diretamente de quem o utiliza seja ela provinda do Poder Público arrecadador de impostos.

    A pintura deveria ser por empresa de ônibus, cada qual com sua imagem perante à população, com frota padronizada por empresa, escolhida pelo empresário dono da empresa. Esta identificação junto aos clientes possibilita que cada companhia de ônibus seja respeitada pela qualidade que imprime em seus serviços ou seja identificada por aquela empresa que não cumpre os requisitos necessários ao bom serviço.

    Do jeito que está, com todas as empresas com uma pintura padronizada, a qualidade vai por terra e a socialização do transporte gera uma imagem negativa do sistema como um todo, porque os bons pagam pelos ruins.

    Lembro-me claramente de antigamente (e não é saudosismo não – é porque era melhor mesmo), em que os empresários d’antão preocupavam-se em manter sua frota impecável, pois os clientes estavam “de olho”, assim como os outros empresários do ramo. Empresas como a famosa VIAÇÃO CAMPESTRE, de Santo André ou a VIAÇÃO CACIQUE, de São Bernardo do Campo, tinham carros muito bem conservados. E a empresa que não os tinha era imediatamente enquadrada pelos passageiros.

    Enfim, parabéns por mais esta matéria e esperamos pelas novas, que competência não te falta.

    Abraços,

    MARIO CUSTÓDIO

  6. Há empresas pequenas e com ônibus antigos que prestam um melhor serviço do que empresas com ônibus novos que são pessimos em serviço e manutenção…

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: