Mestre da USP diz que investimento em trilhos só vale a pena se for Metrô

ônibus

Para professor da escola politécnica da USP, sistemas de trilhos de média capacidade representam altos custos e nascem saturados. Ele defende ampliação da rede de ônibus enquanto metrô se expande. Foto: Governo do Estado de São Paulo.

Se é para investir em trilhos, que seja em sistemas de alta capacidade
Mestre e engenheiro de tráfego pela Politécnica da USP defende ônibus como solução imediata para transportes
ADAMO BAZANI – CBN
O mestre e engenheiro de tráfego da Escola Politécnica da USP, Sergio Ejzenberg, diz que o alto índice de falhas no metrô, uma grave a cada três dias, se deve à saturação da malha já existente, com superlotação.
Ele diz que o metrô é o melhor custo benefício para a cidade e defende a ampliação de corredores de ônibus em São Paulo.
“Enquanto não tem metrô é ônibus. Qualquer outra alternativa é cara e não se encaixa. Sistemas (de trilhos) de média capacidade são caros,o custo por passageiro é alto e já nasce saturado. Numa cidade que tem tremenda carência do metrô, não adianta fazer trilho de média capacidade, tem de ser trilho de alta capacidade” – disse Sergio Ejzenberg à jornalista Tânia Morales, no Programa CBN – São Paulo,produzido por Gabriela Gonçalves.
Ele afirmou que em relação à capacidade de atendimento,o metrô acaba sendo o modal mais barato,mas sua construção é lenta.
Ouça:
http://cbn.globoradio.globo.com/programas/cbn-sao-paulo/2014/03/24/QUALQUER-PROBLEMA-SE-TORNA-GRAVE-NO-METRO-DE-SP.htm
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

16 comentários em Mestre da USP diz que investimento em trilhos só vale a pena se for Metrô

  1. Poxa, que bom que finalmente apareceu alguém na mídia que mostra que essas modinhas VLT e monotrilho são puro Torra Torra de grana.

  2. Bruno G. Taubert // 24 de março de 2014 às 16:24 // Responder

    Os sistemas de Monotrilho em São Paulo nem sequer estão em operação e já falam que nascerão saturados, …
    É esperar para ver se o novo modal de transporte ferroviário irá atender ou não de forma eficiente a demanda para o qual foi projetado. Até lá, tudo o que for dito, será pressuposição.

  3. O monotrilho da Zona Leste tem tarefa muito difícil, Certamente vai ajudar muito, mas sozinho não resolverá.

    Já o da Zona Sul percorre uma rota espetacular, conectando 4 linhas de alta capacidade e atendendo o aeroporto. Achei ótima a ideia de equilibrar a demanda destas 4 linhas, mas concordo que dá medo da demanda reprimida poderá entupi-lo. Enfim, o Metrô garante que os cálculos mostram que não; será ver pra crer.

  4. Acho logico quando o modal é estudado. Gosto pessoal ou achismo não devem ser levado em conta. Assim, para cada situação de demanda ou possibilidade viária (inclusive hidroviária) existe um sistema adequado. O transporte é apaixonante justamente por isso. Vamos das Vans aos Bi Articulados, dos Bondes aos trens, das lanchas aos Navios e assim por diante.
    Então, onde havia um projeto de corredor de onibus (Expresso Tiradentes) fizeram um “Up Grade” para monotrilho (Linha 15) e ainda não agradou. Ainda nesse caso havemos de lembrar que correm em paralelo atualmente as linhas 11 e 12, e 3, que já estão saturadas e como socorro será construido o corredor de onibus Radial Leste. Lembrando que para o futuro teremos a linha 6 de metro entre a 3 e 15, e outras em projeto, inclusive uma linha perimetral que ligara Santo André (Estação Pirelli da linha 10) a Guarulhos (estação João Paulo Linha 13) interligando todas as linhas da Zona Leste (rodometroferroviarias).
    Assim como no exemplo acima do Luiz Vilela sobre a linha 17 que interligará as linhas 1, 5, 9 e 4 e possivelmente outras em fase de estudos.
    A interligação planejada dos modais traz a eficiência.
    abraços

  5. Estes professores da USP se acham o dono da verdade!
    monotrilho cabe 1000 pessoas e metro 2000 pessoas
    monotrilho se executa em 5 anos e metro 10 anos
    monotrilho custa 4bi e metro 8bi
    Ou seja, tudo depende da demanda cujo estudo é de responsabilidade do metro!

    É o que o Luiz Vilela disse: “será ver pra crer” e o Bruno G. Taubert disse: ” É esperar para ver se o novo modal de …”

  6. Metrô se quiserem entregam em 2 anos o problema é a morosidade do Governo Estadual cujo o caixa do Estado está bem recheado, dinheiro o estado tem, o que não há é força de vontade para se tocar as obras como deveria de ser.eu penso assim se a CHINA pode o BRASIL também pode, pena que não há pessoas que pensam como PAULO MALUF que enfrentava TUDO E TODOS e fazia as obras de forma rápida. O PSDB para se manter no governo entrega uma obra a cada 4 anos só para contribuir com a campanha de governo e todos sabem disso não é novidade.

  7. E o comentarista Alexandro se esqueceu de mencinar que o custo do monotrilho tem um acréscimo de 1 bilhão de reais e o metrô de 2 bilhões de reais. Não é 4 e 8 e sim 5 e10 bilhões de reais pois esqueceu-se de colocar na conta a comissão do ninho tucano que se perpetua no poder há quase vinte longos anos e é por isso que SP está “cada vez melhor”!!! A propósito o sistema de saúde vai bem? Alckmin não é ou não era médico ? Na última reportagem que vi pela Record o sistema de saúde estava doente e na UTI!
    Enquanto isso o ninho tucano que adora trem se apaixonou pelo aeromóvel daquele maluco que sempre quis ser governador e só falava em aerotrem! Pois bem pessoal, o caríssimo MONOTRILHO DO ABC é a realização do sonho daquele maluco pelo aerotrem que tinha musiquinha de campanha e tudo falando sobre essa coisa que vai enfeiar ainda mais a já suja, pichada e insegura cidade de São Paulo!
    Resumindo: tucanos adoram torrar o dinheiro do contribuinte com obras caras e superfaturadas! Com o dinheiro gasto até agora por essas obras faraônicas fiz o cálculo e dava para construirem-se 13 corredores metropolitanos de 20 km. de extensão cada um abrangendo todas as áreas metropolitanas! Êpa 13 não! 13 é o número do partido da estrela decadente! Daria para fazer 11 corredores pois 2 corredores iriam para a caixinha tucana!

    • Parabéns pelos comentários Marcos Nascimento, quando você falou no monotrilho do abc, fiquei pensando, o quão minha vida vai melhorar com ele, pois moro em São Bernardo e trabalho perto do cruzamento da paulista com a brigadeiro! Mas daqui há 5 anos se começarem as obras hoje, vão entregar a 1ª estação num trecho pequeno, até lá é só gasolina ou álcool gastar !!!

  8. Esse tal professor da USP creio que não anda de ônibus. Os “corredores” do prefeito de São Paulo que na verdade não passam de faixas pintadas e sem respeito pelos motoristas de carros pequenos não ficam livres dos cruzamentos, enchentes, obras etc… Corredor de ônibus livre de trânsito só mesmo o do Sacoman Pq. D.Pedro. Esse sim. Mas pairou uma dúvida: O monotrilho sendo elétrico não vai ficar na mão quando faltar energia? Ou terá geradores de emergência ?

  9. Ali no primeiro vagão diz que esse é o primeiro monotrilho do Brasil. Será? Em Poços de Caldas (MG) tem um que atualmente está desativado…

  10. Ewerton Santos Lourenço (PNE Guarulhos) // 27 de março de 2014 às 12:01 // Responder

    Olá Internautas!!!

    Ouvi dizer que, esse tipo de trem pode operar aqui em Guarulhos; daqui há algum tempo com a Extensão da Linha 2 Verde. Passando aqui no Shopping Internacional indo até o Cecap, coo pode a 2º Maior Cidade do Estado não ter ainda Metrô e Trens operando?!?!?!?

    Com certeza, se já tivessem as Rodovias que cortam o Município como a Dutra, Hélio Smth e Ayrton Senna estariam menos caóticas; todo dia durante a noite, quando eu venho de ônibus pela Marginal Tiete uso muito a Ayrton Senna, é impossível trafegar devido ao excessos de veículos indo ao Aeroporto de Cumbica. Aqueles ônibus da Airport Service (Pássaro Marrom) vivem sobrecarregados, eu quero ver quando a Copa começar; vai ser “Um Deus Nos Acuda” kkkkk…

    Desculpa a Pergunta talvez seja a de outros internautas também:

    Uma duvida.Se esses trens vier a ter problemas no meio do percurso, em Caso de Emergência; como na Linhas Subterrâneas os Funcionários do Metrô desligam as chaves que energizam os trilhos para não haver riscos. Agora no caso do Monotrilho como serão feitos os Resgates?!?!?!?

    • Há passarelas metálicas para andar até a estação mais próxima. Veja fotos do monotrilho da Zona Leste. Deve ser meio assustador, mas garantem que são seguras. E ainda há redes de tela metálica por baixo para quem conseguir cair.

      O trilho energizado fica do lado oposto a estas passarelas, fixadas nas vigas-trilho.
      Portanto, nem que queira, o passageiro conseguirá chegar perto dos trilhos energizados.

    • O metro que chegará a Guarulhos como continuação da linha 2, a partir de Vila Prudente, será modelo trem subterrâneo e não monotrilho.

  11. Concordo em partes.O metrô convencional é a única solução para a capital e a grande São Paulo, no longo-prazo.O problema é o custo.Assim, corre-se orisco de optar por modais como o monotrilho, que podem ajudar, no curto e médio-prazos, mas que já nascem saturados.A linha 15-prata do “metrô”, que vai ligar vial prudente à cidade tiradentes é um caso de erro grave.A demanda nessa região é para metrô. Além de já nascer saturada, a linha vai sobrecarregar a linha 2, que receberá gente de Guarulhos, outras regiões da Zona Leste e ABC.O metrô convencional não precisa ser necessariamente subterrâneo.Poderiam adotar, na linha 15, o sistema de metrô convencional, como o da linha 1, an zona norte, ou da linha 5, entre o Capão Redondo e Santo Amaro.Mas agora já é tarde.Futuramente, talvez tenham que corrigir o problema, fazendo um metrô convencional entre algum ponto da linha 15, do monotrilho, e a região da Paulista.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: