Os “novos” e os “velhos” nomes dos transportes em Mauá

transportes em Mauá

Muitos novos nomes apareceram nos transportes de Mauá nos últimos dias, mas alguns acabam mostrando contatos anteriores com os antigos grupos empresariais do ABC.

Suzantur e Cidade de Mauá operam as mesmas linhas e dia foi complicado para passageiros
Confira os nomes dos envolvidos na atuação situação dos transportes em Mauá. Até proprietário de banco aparece no contexto da cidade.
ADAMO BAZANI – CBN
A situação da circulação de ônibus em Mauá, na Grande São Paulo, foi anormal nesta sexta-feira.
Tanto a VCM – Viação Cidade de Mauá como a Suzantur percorreram as mesmas linhas, o que causou problemas no Terminal Central da Cidade, que, já possuindo pouco espaço para os ônibus, ficou com a circulação mais restrita ainda.
Para os passageiros, o dia foi bastante complicado pelas incertezas e falta de organização, além da sensação de insegurança.
O fato de haver ônibus de duas empresas circulando nas mesmas linhas não representou mais oferta de transportes. Isso porque os ônibus das duas companhias andavam praticamente juntos em diversos momentos.
A confusão no sistema de Mauá já dura duas semanas, depois que o prefeito Donisete Braga em 18 de outubro descredenciou as companhias operadoras Viação Cidade de Mauá, no lote 01, do grupo de Baltazar José de Sousa, e a Leblon Transporte de Passageiros, no lote 02, de Haroldo Issak e Ronaldo Isaak. Os dois irmãos são empresários de ônibus também no Paraná.
Foi contratada emergencialmente a Suzantur. A Suzantur não operava ônibus urbanos. O nome real da empresa que assinou o contrato emergencial é Transportadora Turística Suzano Ltda, registrada em nome de empresários moradores do ABC Paulista: Ângelo Roque Garcia, Claudinei Brogliato, Nádia Fronchini e Sérgio Queiroz Sortori.
A empresa começou a operar em 19 de outubro em cinco linhas da Viação Cidade de Mauá. Os coordenadores da Suzantur na cidade e a maior parte dos funcionários são da Viação Estrela de Mauá, empresa que foi fundada por Baltazar José de Sousa e hoje é de David Barioni Neto e de fundos de participações. A Viação Estrela de Mauá tenta judicialmente retirar a Leblon do lote 02, mas perdeu as últimas ações na Justiça, inclusive a última que apareceu como parte interessada em processo movido pela Prefeitura de Mauá contra a companhia dos empresários paranaenses.
Também tenta entrar no lote 02 a Empresa de Transporte Transmauá Ltda. Da mesma forma que a Viação Estrela de Mauá, a Transmauá foi criada por Baltazar José de Sousa. Hoje é de Eustachio Gonçalves da Silva, de Patos de Minas – MG (onde Baltazar começou a carreira), e de José Garcia Netto, morador da Capital Paulista.
José Garcia Netto, por sua vez, é um dos donos do Banco Caruana S.A. – Sociedade de Crédito, Financiamento e Investimento. O Caruana financiou ônibus para empresários do ABC Paulista, como o próprio Baltazar José de Sousa e outros do chamado grupo dos empresários mineiros.
Os dados foram obtidos na Junta Comercial de São Paulo e em balancetes públicos.
DECISÕES JURÍDICAS:
Antes mesmo do descredenciamento, a Leblon Transporte de Passageiros conseguiu um mandado de segurança na 5ª Vara Cível de Mauá que tornou nulos os efeitos da decisão administrativa do petista Donisete Braga.
O prefeito já tentou, por duas vezes derrubar a liminar, mas não obteve sucesso. Donisete, no entanto, ameaça tirar a Leblon ainda.
A empresa de origem paranaense da família Isaak ainda possui decisões do STJ – Superior Tribunal de Justiça e do TJ – Tribunal de Justiça de São Paulo que garantem o contrato firmado com a prefeitura em 2010.
Nesta quinta-feira, dia 31 de outubro, a Justiça de Manaus concedeu liminar determinando a suspensão do contrato emergencial com a Suzantur e que a Viação Cidade de Mauá operasse integralmente suas linhas. Isso porque as empresas de Baltazar estão em recuperação judicial para escaparem da falência. O processo é referente a uma companhia de Baltazar em Manaus: Soltur – Solimões Transportes e Turismo Ltda e envolve 33 empresas de Baltazar. Segundo a Justiça de Manaus, a perda das linhas por parte da VCM – Viação Cidade de Mauá prejudicaria as receitas da companhia e consequentemente a recuperação judicial.
O prefeito Donisete Braga não reconheceu a decisão e manteve os ônibus de Garcia e Brogliato, da Suzantur, rodando na cidade. A Viação Cidade de Mauá por sua vez voltou a operar nas cinco linhas.
Os ônibus da Suzantur não entravam no Terminal Itapeva, mas tinham acesso ao Terminal Central de Mauá, nesta sexta-feira.
Os veículos da Suzantur são usados da Oak Tree, empresa que faliu em São Paulo, e foram colocados de forma improvisada em Mauá, mantendo ainda portas à esquerda inoperantes (o que representa risco para os passageiros), catraca no meio do veículo (dificultando a locomoção dentro do ônibus), apenas duas portas no lado direito (tornando mais lento os embarques e desembarques) e a mesma pintura do Consórcio Sudoeste 8, da qual fazia parte a empresa Oak Tree, que também financiou os ônibus.
A Suzantur não tem ônibus articulados e os passageiros reclamam da superlotação. Os ônibus ainda seguem o padrão operacional da SPTrans – São Paulo Transpotes, onde há corredores que permitem o embarque e desembarque pelo lado esquerdo. A maior parte dos veículos não têm acessibilidade.
Um ofício da prefeitura de Mauá chegou na tarde desta sexta-feira à garagem da Viação Cidade de Mauá determinando que a empresa cedesse mais duas linhas à Suzantur: Feital e Parque das Américas.
A prefeitura alega, para o descredenciamento, que Viação Cidade de Mauá e a Leblon Transporte teriam supostamente invadido o sistema de bilhetagem eletrônica.
A administração Donisete Braga multou em R$ 12,2 milhões a Leblon e em R$ 8,4 milhões a Viação Cidade de Mauá. Donisete as tornou inidôneas.
O prefeito diz que o objetivo do descredenciamento é retomar o controle dos transportes em Mauá e pretende fazer uma nova licitação em novembro. Ele negou perseguição às empresas.
Donisete, em entrevista coletiva, disse que a frota de Mauá está sucateada.
A Leblon rebateu em nota: “Todos nossos ônibus foram trazidos zero quilômetro para Mauá, são acessíveis, portanto, têm menos de três anos de uso. A própria prefeitura aprovou 100% da frota em inspeções. A empresa teve toda a frota aprovada no Programa Despoluir, que mede as emissões de poluentes dos veículos, da CNT- Confederação Nacional dos Transportes. Os ônibus também são dotados de computador de bordo que auxiliam e monitoram a dirigibilidade, além de câmeras de acesso e monitores de TV”.
Segundo a Viação Cidade de Mauá, 30 ônibus zero quilômetro e acessíveis foram colocados em circulação em 2011 e havia, antes de todo este estado na cidade, a perspectiva da chegada de mais 40 ônibus novos.
A sindicância que apontou as supostas invasões é contestada pela Justiça.
Em 27 de junho de 2013, a Corregedora Geral de Mauá, Thais de Almeida Miana, deu parecer acatando os argumentos da Leblon que alegou que as supostas invasões foram consultas que a própria prefeitura treinou e autorizou as empresas. Ela apontou para a necessidade de uma nova sindicância pelo fato de a atual ser considerada “inconclusiva” e ter poucos elementos técnicos e mais testemunhais subjetivos. Donisete Braga ignorou o parecer.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

11 comentários em Os “novos” e os “velhos” nomes dos transportes em Mauá

  1. Não concordo com algumas coisas citadas no texto acima!!!!!!!
    1- nunca teve tantos coletivos disponíveis para os passageiros nas principais linhas do lote 1.
    2- tantos fartura de ônibus na mesma linha, pois a falta dos mesmos sempre foi motivo de reclamação dos usuários e o texto acima dizer que “Para os passageiros, o dia foi bastante complicado pelas incertezas e falta de organização, além da sensação de insegurança”……fala sério!!!!!
    3- Em Santo André por exemplo muitos veículos da expresso guarará tem portas à esquerda operantes como os da linha 101 e inoperantes como os da linha 103 e não há qualquer reclamação ou risco para os usuários e outros veículos da mesma e de outras empresas também circulam com apenas 2 portas a direita( exemplo dos novos veículos zero km da viação guaianazes) que também não há qualquer reclamação por parte dos usuários. Portanto as críticas acima não procedem e não condizem com o que foi visto na cidade hoje.
    4- quanto a catraca no meio dos veículos da Susantur facilita a acomodação dos usuários especiais como idosos, gestantes e crianças de colo por causa da maior disponibilidade de assentos na parte dianteira e cadeirantes embarcados por prancha.
    5- diferentemente do que acontece com os veículos da leblon e vcm que geralmente só exixtem 3 ou 5 assentos na parte dianteira e mesmo com assentos especiais demarcados na parte de trás os passageiros especiais não são respeitados pela lotação que se vê.
    Abraço.

  2. Donizete entende de asfalto , de transporte não entende nada , porque ele também não se preocupa em descobrir e prender outros casos , o asfalto que ele entende é propina viu , ele não aceita a Leblon porque como ela não entra nos esquemas fica mais difícil a corrupção que ele pretende fazer , só pode ser isso , um desprefeito que está no cargo a base de corrupção , eu trabalhei nas eleições e vi o que os fanáticos petistas faziam nas escolas , procurei um fiscal , uma policia pra denunciar e não encontrei ninguém , o pt é sujo , todos tem problemas , mas o pt é sujo e quer governar na base de escândalos e corrupção, mensalão e promessas furadas , porque ele não vai cuidar da cidade , só sabe dizer que não tem dinheiro , quem foi desprefeito antes dele foi um petista também , porque ele não questiona o companheiro e procura saber porque o companheiro roubou tanto ? porque ele não vai cuidar da saúde , o governo do estado derrama dinheiro e as portas do Nardini é fechada para o povo , os petistas deviam ter vergonha na cara , em tempos pretéritos fizeram várias acusações de outros , e hoje mostram que são os piores , consulta a população , ela saberá dizer se os serviços da leblon é ruim , Fora donizete , fora pt e os petista fanáticos .

  3. eh um tipico presente de uma administração finada rsrsrsrs: a VCM ganha o direito de operar e como premio tem q ceder linhas a uma rival. eu li certo ?? o tio Doni quer mirar na Leblon (ou nem isso) matando a VCM??
    e o q eu previ lá atras na decisao contra a Leblon finalmente se concluiu mantendo-se as duas atuais empresas

  4. è nem sei mais o que dizer dessa novela

  5. Não surpreende que toda esta confusão esteja acontecendo no transporte coletivo de mauá,prefeitura incompetente,mal dirigida e com um planejamento nas coxas feito a base da soberba e da arrogancia da prefeitura,que todos sabemos que há muitos anos a cidade de mauá não tem condições de operar na cidade,isto é fato,Mauá tem um planejamento pros transportes coletivos da década de 90 onde a cidade era muito menor em termos de população e este planejamento parou no tempo,tentou-se consertar colocando uma empresa de última hora sem discutir com a população o que era necessário e a confusão esta ai,me parece que definitivamente a Suzantur é uma porcaria pois colocou ônibus em Mauá fora dos padrões da cidade que necessitavam ter ônibus com mais portas e com atendimento muito confuso afinal quando precisei esperei 40 minutos por um onibus na linha 101,o que é inconcebivel,a Cidade de Mauá tem que ser tirada da cidade correndo mas devido a incompetencia da prefeitura,agora temos duas empresas operando no mesmo espaço e como sempre o coitado do usuário que se dane,será mesmo que a população de Mauá escolheu bem seu prefeito?acredito que não,eu estou de consciencia limpa pq nunca acreditei nesta proposta furada de Donisete,a Leblon tem os seus problemas mas esforça-se pra apresentar um serviço decente e de qualidade e não é justo que uma empresa séria,o oposto da falida e desorganizada Cidade de Mauá saia da cidade,agora vimos o roto e o esfarrapado na mesma linha,coitado de quem é obrigado a usar estas linhas todos os dias e a prefeitura como sempre colaborando pra ferrar o usuario de Maua e dizendo arrogantemente que Mauá tem um novo sistema de transporte coletivo,sendo este lixo?eu dispenso

  6. Amigos, bom dia.

    Nos manuais, este tipo de gestao e denominado Gestao por Competencia.

    E assim que o Brasil e gerido.

    Com competencia!

    Parabens!

    Att,

    Paulo Gil

  7. O Poder Público de Mauá ficou 30 anos sem precisar se preocupar com o Transporte Público, pois era péssimo mas era Monopolizado, então não precisava fazer nada, apenas pedir “bença” para o Baltazar. Agora que realmente existe dinâmica no transporte de Mauá a Prefeitura parece uma “barata tonta” não sabe se deixa assim, se volta como está, enfim. Plano de Mobilidade e Mauá são antagônicos e quem vai pagar por muito tempo ainda o preço dessa incompetência é a População.

  8. De acordo com a matéria, novembro tem nova licitação, acho que a Leblon vai perder …
    Uma pergunta, se havia monopólio em Mauá, como em 2010 deixaram a Leblon vencer? Foi algum descuido do licitante?
    Agora é só esperar pelo próximo capítulo desta novela!

  9. MAUA MELHOR !

    Para Melhoria dos Transportes Sugere—se.

    Substituiçao das Empresas eaosa ,cidade de maua, e suzantur e Leblon. Se flaudaram o sisistem.
    ————
    Subscriçao e Remodelagem.

    Viaçao ABC no Lugar da eaosa
    Licitaçao para substitir os municipais.
    Novo sistema circular . Expressos e micro

  10. carlos lino santana // 22 de novembro de 2013 às 10:22 // Responder

    Cada um tem o que merece nem mais nem menos

  11. meu povo donizete e tao incompetente q se a lablom e cidade de maua praticarao o mesmo crime pq multa diferente kkkkkk e do baltazar mesmo vamos se conforma com merda mesmo

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: