BHTrans cede pressão de empresários e ônibus serão menos confortáveis

ônibus

Ônibus em Belo Horizonte. Por pressão de empresários, sistema vai contar com ônibus mais simples e com menos itens de conforto.

Itens de conforto em ônibus de Belo Horizonte ficam só na promessa
Gerenciadora BHTtrans retira obrigatoriedade de câmbio automático ou automatizado e de ar condicionado em linhas que não trafegam por corredores
ADAMO BAZANI – CBN
Ônibus mais modernos e mais confortáveis tanto para os passageiros como para os motoristas em toda a frota de Belo Horizonte ficaram só na promessa.
A gerenciadora BHTrans alterou o decreto 15.019/2012 que obrigava que os ônibus apresentassem itens mais elaborados de conforto e segurança em toda a frota da capital mineira.
Câmbio automático ou automatizado, que diminue trancos para os passageiros e facilita o trabalho do motorista, ar condicionado, que aumenta a sensação de conforto, não serão mais itens obrigatórios em linhas que não sejam de corredores exclusivos.
As linhas diametrais, do tipo bairro a bairro, mesmo circulando por parte dos corredores, serão as que vão oferecer ônibus mais simples.
A mudança do decreto atinge ao menos 200 dos 400 ônibus para o sistema MOVE BH.
O uso de veículos mais simples e baratos atende a pressão dos empresários de ônibus integrantes dos consórcios operacionais.
Apenas os ônibus articulados terão o câmbio automático garantido porque todos já saem de fábrica com esta configuração. O preço médio destes veículos é de R$ 750 mil.
Os empresários preferem o uso de ônibus com motores dianteiros, que são mais baratos e de manutenção mais fácil, embora não apresentem as melhores condições de conforto para trabalhadores das empresas e passageiros.
No caso do sistema, o uso do motor dianteiro (inevitável em alguns trajetos) não é por causa das más condições de tráfego.
Os donos das companhias de ônibus alegam que se fossem comprar os veículos nas especificações do decreto original ou se tivessem de instalar os itens como ar condicionado e câmbio automático ou automatizado nos ônibus de motores dianteiros, os custos aumentariam e seriam repassados à passagens, resultando em tarifas mais altas ou necessidade de mais subsídios.
Ao jornal “O Estado de Minas”, o diretor de Planejamento, Desenvolvimento e Implantação de Projetos da BHTrans, Daniel Marx Couto, admitiu que a autarquia cedeu à pressão dos empresários e adota agora o mesmo discurso:
“Se as empresas adicionassem o câmbio automático em um ônibus de motor dianteiro, somada a suspensão a ar, o preço ficaria muito próximo do de um ônibus com motor traseiro. O custo de manutenção desse tipo de câmbio também é maior”
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

13 comentários em BHTrans cede pressão de empresários e ônibus serão menos confortáveis

  1. Adamo, com todo respeito, perto dos onibus que rodam na zona leste de SP, qualque outro e um Boeng, so como informação: a pergunta que ninguem responde, por que a SPTRANS NO SEU SITE NÃO INFORMA NADA SOBRE O DESCREDENCIAMENTO DA ITAQUERA BRASIL/NOVO HORIZONTE, com dizia o jogador Barcos quando no Palmeiras e porque tomo junto.

  2. Amigos, bom dia.

    É óbvio que não se compra camarão a preço de bagre em nenhum lugar desse planeta, certo?

    Certíssimo.

    Pra isso é que pagamos um monte de impostos e é nessa hora que os governos devem atuar
    Fazendo a sua parte e cuidando do interesse público.

    Remanejer as verbas, paguem a diferença é coloquem Buzoes confortáveis.

    Desse jeito como migrar o usuário de carro para o buzao ?

    Como falar em mobilidade.

    A economia a base da porcaria.

    Att,

    Paulo Gil

  3. Pra que BHTRANS, SPTRANS etc se quem manda é o empresário?
    E o povo? Quem defende seus interesses?
    Não é necessário fabricar chassi com piso baixo, articulado, e outros itens que representam avanços pois no Brasil continuamos na idade da pedra.
    Por isso o cidadão compra um carro.
    Está na hora do povo voltar ás ruas…

    • Oswaldo Machado, boa noite

      Segura mais essa.

      Agora teremos a MAUÁTrans; é mole

      E se bobear a CMTC/2 voltará.

      Olha, acho que os terráqueos da idade da pedra eram mais evoluidos, afinal eles não fabricavam nem usavam Buzão de DEGRAU INTERNO ALTO.

      KKKKKkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Abçs,

      Paulo Gil

      • Sergio Santo André // 18 de outubro de 2013 às 12:40 //

        Paulão, acho que para não fugir do padrão, vai se chamar CMTC/Trans….

      • Sergio Santo André // 18 de outubro de 2013 às 12:43 //

        Paulão, acho que para seguir o padrão, vai se chamar CMTC/Trans, marca registrada da incomPTência….ou seria “comPTência” demais ????

  4. fabio maia ferreira // 16 de outubro de 2013 às 21:52 // Responder

    Honestamente, tem lugar aqui em São Paulo, que ônibus piso baixo não entra e articulado então, nem pensar. Tem ruas estreitas, apertadas, cheias de andulação, é complicado. Agora, bem que poderia ter desses veículos que citei em corredores e avenidas que dão condição de trafego.. Esse é o Brasil…

    • Fabio Maia Ferreira, bom dia.

      É isso ai.

      Na Vila Madalena, os pilotos sofrem para passar e virar nas ruas estreitas e subir os subidões
      com os “lerdões e pesados” Buzão de motor traseiro.

      A gente avisa, mas não adianta, depois não sabe porque o Buzão demora 1 hora e meia para percorrer poucos quilometros.

      KKKKKKkkkkkkkkkkkkkkk

      Abçs,

      Paulo Gil

  5. Pra quem curte, nessas duas reportagens abaixo tem figuras de como será a pintura dos ônibus do BRT de Belo Horizonte.
    Primeiro, as linhas municipais do BRT, gerenciado pela BH Trans:
    http://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2013/10/17/interna_gerais,460684/bhtrans-muda-visual-do-move.shtml
    E agora, as linhas metropolitanas, que sairão de estações da Grande BH:
    http://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2013/10/16/interna_gerais,460267/em-mostra-em-primeira-mao-como-funcionara-o-brt-da-grande-bh.shtml

  6. É por estas e outras que o transporte PIORA em qualidade e quantidade na esmagadora maioria das cidades do Brasil! Eu tenho dois carros e um deles é antigo porém tem ar condicionado! O outro carro tem inclusive air bag além do ar condicionado. Apesar de na minha cidade apenas 22% da população de 516000 habitantes usar ônibus eu uso os ônibus durante a semana e deixo o carro para passear em finais de semana! Quando chove muito eu poupo o carro novo e uso o carro velho porém em excelente condição de manutenção para meus deslocamentos durante a semana. O motivo disso gente é que em dias de chuva os ônibus rodam mais lotados do que em dias de sol. É um fato curioso! Sei que isso ocorre pois sabe-se que tem muita gente que não leva as crianças e adolescentes para a escola de carro em dias de chuva preferindo que seus filhos usem ônibus. Porém fico a pensar como pode a qualidade do transporte melhorar se hoje em dia qualquer carro usa ar condicionado e ele praticamente logo será ítem de fábrica de todas as montadoras! Sei que há cidades muito frias e outras muito quentes no Brasil, nas quais se bem regulados os equipamentos de ar condicionado, as poltronas estofadas, o câmbio automático ou automatizado e a suspensão a ar iria aumentar os níveis de conforto em TODAS as linhas de todo o Brasil onde pudessem ser viabilizadas. É lógico que quanto ao posicionamento do motor é certo dizer que a manutenção de um ônibus de motor dianteiro é muito mais barata do que a de um motor traseiro porém fico pensando: porquê as tarifas nas quais usam-se ônibus de motores dianteiro não são compatíveis? Observa-se em todo o Brasil diferenças de custos e serviços gritantes comparando-se dezenas de cidade de mesmo porte e de infraestrutura similar!

  7. Sergio Santo André // 18 de outubro de 2013 às 12:50 // Responder

    Como eu já havia comentado aqui no blog “em algum lugar do passado”, se depender dos nossos maravilhosos empresários, rodaríamos de CAIO Jaraguá. Eu nem sei prá que que ainda existem bancos nos ônibus, não é mesmo??? Tá aí uma dica aos para os nossos empresários, vamos retirar os bancos dos ônibus para reduzir custos, retirar os cobradores, será um salário a menos, diminuir o tamanho dos ônibus assim o custo será menor, quem sabe um piloto automático hein ??? Não é uma boa idéia ???? Então vamos facilitar, nós passageiros nos deslocamos a pé e passamos em frente as garagens para fazer uma “doação” no valor das passagens para os senhores empresários. Não precisa nem contratar uma pessoa para receber o dinheiro, a gente joga por dentro de algum buraco no muro da garagem, OK ??? Que tal, podem usar minha dica, vai que cola….

  8. Os empresários de BH vão além de mandar no sistema de transporte, eles são ditadores: eles impõe a Belo Horizonte a ditadura do simples e do barato. Para a BHTrans os padrons podem rodar na cidade, mas para as empresas, ônibus de motor traseiro ou qualquer outro que levem alguma vantagem sobre os ônibus comuns são terminantemente proibidos. Transporte coletivo em BH é pra encher de dinheiro os bolsos de meia dúzia e não para servir bem à população. Daqui a pouco as empresas de BH vão lutar para voltar a adquirir ônibus de banco duro, sem emborrachamento nos pisos e com portas estreitas, montados em chassis de micro.

    • concordo com vc! aqui em BH quem manda são essas empresas podres fazem o que quer de BH compram os ônibus mais baratos e nas piores configurações agora eu pergunto pra que BHTRANS se aqui quem manda são os empresários!!!!!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: