O ABC do Fretamento

ônibus

O modelo histórico Ciferal Turbo Jumbo, sobre o também marcante Scania B 111, da Uematsu, empresa que operou no ABC. A história do transporte de fretamento na região traz muitos exemplos para soluções dos atuais problemas de mobilidade. Foto: Douglas De Cezare – Matéria: Adamo Bazani

O ABC do Fretamento
Crescimento da indústria na região fez com que o setor de ônibus fretados ganhasse força em todo o País
ADAMO BAZANI – CBN
Atualmente a mobilidade urbana é um tema que toma conta dos debates políticos, acadêmicos e até mesmo no dia a dia das pessoas, o que é muito positivo, já que há algumas décadas era comum ouvir o cidadão reclamar dos transportes, mas não discutir sobre o setor.
Dentre as várias soluções apresentadas para que as pessoas tenham sua mobilidade qualificada pelo incentivo ao transporte coletivo estão os ônibus de fretamento.
Os serviços de fretamento foram apontados pelo Banco Mundial como alternativas importantes para diminuir o excesso de carros das ruas, atingindo de imediato esse objetivo, já que na atual situação, só um transporte qualificado, como é o oferecido pelos fretados regulares, convenceria as pessoas que só usam carros a deixar seus veículos próprios em casa.
Em cidades norte-americanas, há, em determinados horários, faixas exclusivas para ônibus de fretamento.
O que muitos não sabem é que os ônibus de fretamento são soluções históricas que marcam o surgimento dos transportes coletivos no País.
Em diversas cidades, muitas linhas que depois se tornariam regulares, tanto de caráter urbano como de rodoviário, surgiram como serviços de fretamento. Era comum uma comunidade alugar ônibus para excursões, eventos religiosos ou mesmo para transportes de trabalhadores e até entregas de encomendas. Alguns trajetos de fretamento se tornavam tão constantes que acabavam virando linhas regulares.
Mas foi entre os anos de 1950 e 1960 que o transporte de fretamento ganharia força e profissionalismo. E o berço deste processo foi o ABC Paulista, com a implantação das plantas industriais no país, em especial do setor automotivo.
Até os anos de 1970, o ABC atraiu pessoas de todo o País para trabalharem na indústria e também no setor de construção civil, para erguer indústrias e moradias para trabalhadores.
Breda, Galo de Ouro, Bozzato, Uematsu, Arcatur, Icaraí. Kankobus, Pato Azul, Tursan, Road Runner, Sabetur, Bonini, Santa Maria, Garcia, Cati Rose, RodiTur, Renalita, Zezinho Tur, Albatur, SaciTur, Planetatur, Rodrigues, Gatti, Diastur,Kubatur, Santo Ignácio são alguns dos nomes que marcaram a história do setor na região.
Algumas empresas urbanas do ABC, como a Alpina e a Viação Padroeira do Brasil, se arriscaram a operar serviços de fretamento.
A região do ABC crescia de maneira rápida e somente as linhas urbanas não atendiam a esta expansão populacional. Os fretados iam até onde não havia serviços públicos de ônibus ou operavam nos chamados terceiros turnos, quando não havia oferta de transporte urbano, em especial no final da noite e na madrugada.
E recorrer a esta história, mesmo que apresentada de forma bem resumida, é uma possibilidade de achar respostas para os desafios do presente e do futuro.
O fretamento é uma alternativa de cobrir diversas lacunas na mobilidade urbana. Estimular o setor, ao mesmo tempo cobrando organização e regularizando, e não proibindo seu tráfego pode trazer efeitos positivos.
Talvez não na mesma proporção que a expansão de corredores de ônibus e linhas de metrô, mas o fretamento soma na luta contra o congestionamento e poluição provenientes do excesso de carros que ocupam muito espaço urbano e transportam pouca gente.
O ônibus fretado não pode ser considerado transporte público, mas é transporte coletivo. E as formas de locomoção coletivas, implantadas nos lugares e da maneira correta, são as soluções para que as cidades deixem de ser propriedade dos carros.
Abaixo cenas do documentário ABC da Greve, de Leon Hirzman, que mostra a presença e a importância dos ônibus fretados na história da indústria e da região. No trecho do filme, verdadeiras raridades que marcaram a paisagem do ABC e o dia a dia de milhões de trabalhadores:

Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

9 comentários em O ABC do Fretamento

  1. fabio maia ferreira // 29 de setembro de 2013 às 02:19 // Responder

    Exelente Matéria.

  2. Adamo, bom dia

    Excelente matéria.

    Só para complementa,r há uns 30 anos atras tinha também uma linha de micro ônibus modelo Caio Carolina (o verdadeiro Caio), carros azuis e amarelo – se não me falha a memória era da Riacho Grande, que fazia Parque D. Pedro II – S.B.Campo/ Centro – Parque D. Pedro II.

    Era um foguetinho “vapt vupt” estávamos em SBC e vice ver, em Sampa.

    Eu defendo os micros, mas parece que a fiscalizadora não capta essa mensagem.

    Creio que só temos uma linha que usa micro Foz em Sampa acho que é a 9010 ou 9012, não decorei o número.

    Os micros, na minha opinião seriam muiiiiiiiiiiiito bem aplicados para se fazer a ligação com as estações da CPTM e algumas do Metrô, hoje se eu quiser utilizar a CPTM, dependo do carro de linha que passa a cada 20 minutos (se tudo der certo) e o mesmo vale para o Metrô.

    A fiscalizadora não entende esse conceito, ele funcionava muito bem em Osasco no final da década de 70.

    Claro tudo mudou eu sei, mas pela agilidade o Micro tem seu lugar cativo.

    O problema é que o termo agilidade não entra na cabeça de quem opera nos moldes da CMTC.

    Ou seja você resolveu ir até a cidade, pronto desceu até a avenida principal, pronto passou um micrinho que te deixa na estação ferroviária ou metroviária mais perto, mas não só tem aquele Apachezinho Cabritinho, Baleadaço e engardido, que faz “X” partida a cada “Y” minutos o que faz com que o passageiro se transforme num verdadeiro “boneco” plantado no ponto de vidro toman do sol na cabeça. fora a chuva é claro.

    Embora nada resolva eu faço a minha parte, mesmo como contribuinte, passo minhas ideias e nem isenção de IPTU ou BU free eu recebo (merecidamente é lógico).

    Nem caminhão de lixo reciclado existe, o que esperar dessa galera e o supermercado que aceitava lixo reciclado,, me parece que desistiu da ideia.

    Nem reciclando lixo eu recebo desconto no meu IPTU

    Cidadania nesse país ? Pra que ?

    Mas continuarei fazendo a minha parte.

    Att,

    Paulo Gil
    “Buzão e Emoção é nossa Paixão”

  3. É triste ver como as empresas de ônibus de São Paulo ou são incorporadas por empresas de fora ou simplesmente fecham as portas por má gestão.

  4. Alguém tem informações sobre o Grupo Ruas?
    Vou fazer um trabalho no meu curso sobre o grupo só q não achei o site oficial da empresa,alguém poderia me passar ou passar pequenos comentários,curiosidades ou coisas do tipo,desde já agradeço a quem colaborar

    • Tem muita coisa sobre o Grupo aqui no Blog. Dê uma pesquisada nas postagens que pode ajdar.
      abraços

    • Michel Silva, bom dia

      Há alguns anos atrás, saiu uma matéria na Revista Veja, procure no site da revista ou
      contate a Editora Abril; no mais acredito que será difícil encontrar material.

      Pode até ser que foi na Vejinha, confira, mas foi matéria de capa.

      Boa sorte!

      Att,

      Paulo Gil

    • Ewerton Santos Lourenço (PNE Guarulhos) // 30 de setembro de 2013 às 12:07 // Responder

      Uma das Empresas que faz parte e a Vipol Transportes Rodoviários, ela faz as Linhas Intermunicipais da EMTU de São Paulo à Guarulhos. Tel 46421181

      Essa Empresa tem uma matéria no wikipidia, mas não está atualizada totalmente apenas relata como começou. Procure por Viação Poá que é o nome antigo.

      252 Guarulhos (Jardim Cumbica) São Paulo (Metrô Carrão)
      574 Guarulhos (Jardim Cumbica) São Paulo (Metrô Carrão) – Via Ayrton Senna LINHA CRIADA RECENTEMENTE
      077 Guarulhos (Jardim Any) São Paulo (Metrô Brás)
      596 Guarulhos (Jardim Any) São Paulo (São Miguel Pta – Estação CPTM) LINHA CRIADA RECENTEMENTE
      597 Guarulhos (Jardim Any) São Paulo (Metrô Brás) – Via Ayrton Senna LINHA CRIADA RECENTEMENTE
      073 Guarulhos (Bonsucesso) São Paulo (São Miguel Pta – Estação CPTM)
      319 Guarulhos (Vila Any) São Paulo (Metrô Itaquera)
      499 Guarulhos (Terminal Metropolitano Cecap) São Paulo (Estação CPTM Dom Bosco) LINHA CRIADA RECENTEMENTE
      139 Circular Guarulhos – São Paulo (São Miguel Pta)

      As linhas criadas recentemente, algumas delas existiam ainda na época da Poá; agora que mudou a Razão Social para VIPOL; a EMTU resolveu mudar a númeração das linhas das 077EX1, 252EX1 que passavam pela Ayrton Senna.
      Com a Licitação da EMTU a Julio Simões assumiu as Linhas da Viação Poá; Suzano (Visul); Mito-Eroles e Ferraz. Ela fazia as linhas:

      088 Poá (Cidade Kemel / Terminal São José) São Paulo (Estação CPTM Itaim Pta) Linha da Viação Radial
      318 Poá (Cidade Kemel / Terminal São José) Guarulhos (Centro – Circular) Linha da Viação Radial
      435 Itaquaquecetuba (Estação CPTM Eng. Manoel Feio) São Paulo (Guaianazes) Linha da CSBrail / Julio Simões
      269 Poá (Cidade Kemel / Terminal São José) São Paulo (Metrô Itaquera) Linha da Viação Radial
      076 Poá (Nova Poá / Terminal São José) São Paulo (Metrô Brás) Linha da Viação Radial
      075 Arujá (Pq. Rodrigo Barreto) São Paulo (Metrô Brás) Via Itaquaquecetuba (Centro) Linha da CSBrail / Julio Simões
      549 Arujá (Mirante) São Paulo (São Miguel Paulista – Unicsul) ESSA LINHA ERA A ANTIGA 075EX Linha da CSBrail / Julio Simões
      242 Itaquaquecetuba (Jardim Pinheirinho / Pequeno Coração) São Paulo (Metrô Carrão) Linha da CSBrail / Julio Simões

      Tem a Novo Horizonte, Itaquera Brasil e Ambiental Trans que fazem parte do Consórcio 4 Leste;.essas operam na Capital Paulista na Zona Leste.
      Qualquer coisa adiciona no face. Abraço, mas se identifica.

  5. Já fui em muitas excursões que meu pai fazia com este onibus da uematsu!! Saudades….

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: